À ALTURA DA LIBERTADORES

Com a classificação para as quartas de final da Libertadores praticamente encaminhada, o São Paulo viajou para o México na noite do domingo (01) e ficou concentrado no Empório Acapulco Hotel, “famoso” por receber gravações do seriado Chaves.

A delegação chegou na manhã de segunda-feira, e os jogadores foram liberados para um descanso, aprontando os ânimos para o treino, que ocorreu a partir das 19h (Brasília).

(Imagem: Marcelo Prado)

Com o elenco agitado, Bauza comandou as primeiras atividades em solo mexicano. Em um primeiro momento, o técnico argentino sacou Paulo Henrique Ganso da equipe, promovendo a entrada de Wesley, que parecia empolgado. O zagueiro Lucão também treinou com o time principal, já que Maicon estava com febre e não pôde participar das atividades.

Patón falou sobre a escolha do camisa 19 para ocupar o lugar do Maestro Tricolor.

“O Wesley jogará. Ou na vaga de Hudson, que sente dores na coxa esquerda, ou na vaga de Ganso. Wesley é a melhor opção para esse jogo, dentro do que preciso para essa partida. Temos de fazer uma partida inteligente”.

Para complementar o treino, Bauza ainda comandou um exercício tático. Após o coletivo, os jogadores puderam disputar o famoso “rachão”, e Wesley novamente se destacou, indo para o gol e fazendo boas defesas.

Já nesta terça-feira, as atividades foram realizadas pela manhã, num treino que marcou a despedida da delegação da cidade de Acapulco.

(Imagem: Marcelo Prado)

O treinador novamente repetiu a formação utilizada nas atividades do dia anterior, inclusive mantendo o camisa 19 entre os titulares. Maicon continuou sem participar do treino, e Lucão novamente ocupou a posição. Uma novidade boa é que Hudson, que sentia dores, fez os exercícios normalmente e poderá reforçar a equipe.

Os jogadores deram atenção aos exercícios com bola e no tático, Patón simulou diversas jogadas com cobranças de faltas e escanteios, além de corrigir o posicionamento de seus comandados. Ao término do treino, os atletas ainda trabalharam finalizações, buscando acertar a pontaria.

Após as atividades, a equipe retornou para o hotel, onde pôde almoçar e descansar um pouco. No final da tarde, jogadores e comissão técnica se prepararam para seguir viagem até Toluca, onde o Tricolor enfrentará o time de mesmo nome nesta quarta-feira (04), às 19h15 (Brasília), no Estádio Nemésio Díez.

(Imagem: youtube.com)

Com algumas baixas no plantel, como Breno e Lugano, Carlinhos, Schmidt e Rogério, o São Paulo de Edgardo Bauza poderá ir a campo com a seguinte escalação: Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Hudson e Thiago Mendes; Wesley, Kelvin e Michel Bastos; e Calleri.

Paulo Henrique Ganso, assim como no jogo contra o The Strongest na Bolívia, será poupado nos momentos iniciais da partida, e a tendência é que entre na etapa complementar, para dar um gás ao time. Quanto ao zagueiro Maicon, na verdade, ele ainda está em observação por conta de uma amigdalite, e caso não seja possível tê-lo em campo, Lucão o substituirá. Mas se depender do xerife, ele jogará para ajudar seus companheiros.

“Estou um pouco melhor. Vou ajudar a equipe, imagina que vou ficar fora!”, afirmou o camisa 27.

Podendo perder por até 3 gols de diferença para manter a classificação, o São Paulo precisará de tranquilidade e principalmente inteligência, para que seu sonho de continuar vivo na Libertadores se realize.

Para Kelvin, a tática escolhida pelo treinador para a partida é boa, já que precisarão se poupar bastante, levando em consideração os 2.700 metros de altitude que a equipe enfrentará.

“Muda um pouco nosso estilo de jogo. Será uma partida inteligente e precisamos ter marcação no meio. O Wesley e todos que estão entrando têm todo nosso apoio. O São Paulo é um grupo. É um jogo de mais calma. Não adianta querer ir pra cima. A altitude pesa um pouco e será um jogo de cansaço.

Edgardo Bauza também falou a respeito da partida na altitude de Toluca.

“Se não jogarmos com inteligência, chegaremos à última meia hora do jogo com problemas. É uma altura que conheço bem, porque é bem parecida com a de Quito. Já vivemos essa situação contra o The Strongest, temos de jogar um jogo inteligente, não tentar entrar no ritmo que o Toluca vai impor nos primeiros minutos”.

Para a partida contra o time mexicano, o Tricolor contará com a presença de um torcedor de peso. O colombiano Juan Carlos Osorio, ex-técnico do São Paulo, acompanhará o jogo no estádio, e falou sobre isso.

“Claro que estarei no estádio. Vou saudar os jogadores antes da partida”.

O trio de arbitragem será composto pelos colombianos Wilson Lamoroux, acompanhado dos assistentes 1 e 2, Wilmar Navarro e Alexander León, respectivamente.

O São Paulo está com um pé nas quartas, mas ainda faltam 90 minutos para garantir de vez a classificação. 90 minutos em que o Tricolor precisará, além de muito foco e força, ânimo e coragem, jogando com o coração e com a alma. 90 minutos em que os jogadores precisarão entregar-se em campo, como se fosse o último jogo de suas vidas, onde precisam vencê-lo para sobreviverem. Afinal, hoje dependerão apenas de si mesmos para continuarem respirando à altura da Libertadores.

 

Renata Chagas