A hora da verdade chegou

 

 

Foto: Reprodução

 

Flamengo e Vasco às 18h30 no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, não é apenas um jogo da Taça Guanabara. O clássico dos milhões é um campeonato à parte. Uma vitória não vale apenas a classificação, vale o fim de um jejum que já dura nove jogos sem vencer o maior rival.

O Flamengo está invicto no ano. No Carioca tem 100% de aproveitamento, passou com facilidade pela maioria dos adversários. Apenas o Botafogo ofereceu maiores dificuldades ao time de Zé Ricardo. Mas agora é o Vasco, time que mesmo que não esteja nos seus melhores dias cresce muito em clássico pois para eles, uma vitória é tão importante quanto para nós.

A partida também é um teste de pressão para o Flamengo. Nenhum jogo no ano foi tão estressante quanto será este. Nenhum é tão cercado de provocações quanto é um clássico desse. Zé Ricardo usará força máxima,  com Muralha, Pará, Rever, Rafael Vaz, Trauco; Rômulo, William Arão, Diego, Mancuello Everton e Guerrero. Um time consolidado com vários repertórios de jogadas e com um time bem diferente do que enfrentou o Vasco na última derrota na Arena da Amazônia no ano passado - quando eles venceram por 2 a 0 - entrará em campo desta vez. Durante a semana, Zé Ricardo falou em fazer uma nova história deixar clássicos passados para trás.

"História nova. O que passou, passou. Temos que focar na partida e na melhora da nossa performance degrau a degrau, logicamente respeitando muito a equipe do Vasco. Eles têm uma grande equipe e há jogadores chegando para fortalecer o seu grupo. Vamos tentar neutralizar as principais qualidades do Vasco e tentar conquistar a nossa vaga para a final. É a nossa ideia, sempre com muita humildade, respeito e trabalho".

E talvez esse jogo represente uma nova história para Rafael Vaz, que até ano passado estava do outro lado, ou para Rômulo, que jogou no Vasco, mas voltou ao Brasil para vestir o manto rubro-negro e tem feito uma temporada consistente. Talvez marque uma nova história para Guerrero, que ainda não marcou contra o rival e não conseguiu superar as provocações de Rodrigo a cada encontro dos dois. Que o Flamengo escreva uma nova história e coloque um ponto final na sequência de derrotas.

Falando em Guerrero, domingo passado após o jogo contra o Madureira ele disse que o Flamengo era favorito. Discordo. Em clássicos não existem favoritos. Favorito é quem joga e se doa em campo na hora da partida.  A hora da verdade chegou. É o momento de ver até quanto de pressão o elenco do Fla aguenta. Vamos Flamengo!

SRN!

por Camila Leonel