A magia das arquibancadas da Ilha do Retiro

Cadeiras da Ilha do Retiro, em 1982.

Arquibancada: construção destinada ao assento de público para a audiência de um espetáculo artístico ou esportivo, ou ainda para qualquer reunião geral [Feita na forma de rampas lisas ou sequências de assentos individuais em fileiras sobrepostas escalonadamente; sua disposição geral pode ser circular, semicircular ou simplesmente frontal ao espaço onde se desenrola o evento.]. 

 

E para o torcedor rubro negro, representa apenas isso? Tenho certeza que mais de 90% da torcida leonina responderá que não. 

 

Seja nas sociais, na frontal ou na sede, a palavra arquibancada significa MUITO mais do que apenas um assento. Quando você entra na Ilha do Retiro pela primeira vez, você percebe que não é apenas o jogo que te faz ir ao estádio.  

 

Ali é o lugar que as palavras 'liberdade e igualdade' conseguem ficar mais próximas. Lá todo mundo é amigo, seja pobre ou rico, estamos do mesmo lado, unidos pelo Sport Club do Recife, gritando, xingando, vibrando e sempre com a razão.  

 

Falamos mal do time mas não deixamos ninguém falar, nunca admitindo que estamos pior que o rival, mesmo estando em má fase, perdendo todas, vamos estar ali sempre presentes, acompanhando o Sport Club do Recife.  

 

O cara que vai a Ilha do Retiro, não vai se comportar como um cara que vai ao teatro, cinema ou qualquer lugar que você tenha que ser “comportado”,  nós somos empolgados, enérgicos. Naquele momento estamos lidando com PAIXÃO, e futebol não pode ser tratado como negócio, torcedor não é cliente, é sócio torcedor, é torcedor fanático. 

 

Assim é o torcedor, um simples cidadão que abdica grande parte da sua vida para viver e presenciar momentos históricos e marcantes da vida do seu amado clube, e o lugar que ele sempre deseja estar é a bancada, o lugar que se vai do céu ao inferno em apenas 90 minutos 

 

Somos reféns do futebol e do Sport.  

 

Se o Sport vai bem, a vida vai bem. Mas se o Sport atravessa um momento complicado, nada mais da certo. O torcedor não consegue ficar 100% bem se o Sport não estiver em um bom momento. 

 

E o Sport é isso, é a magia nos gramados, é a emoção até o final, é a torcida cantando até o fim, é a alegria que invade da criança até o idoso, esse é o verdadeiro espirito rubro-negro! 

 

Torcedor, não se afaste da arquibancada, não diminua a sua paixão máxima, vá ao estádio e apoie o Sport. Cante, chore, vibre e pule para que a próxima geração de torcedores não vá ao estádio e pergunte “cadê a animação que você vivia dizendo ter aqui ?” 

 

Somos o 12º jogador, o Sport precisa de nós. Futebol não é teatro e a torcida não pode ficar parada. 

 

Beatriz Cunha