A MAIOR TORCIDA DO MUNDO É DA CHAPECOENSE!

 

 
 

Foto: Globo Esporte

 

Na noite desta quarta-feira(30), uma música do Coldplay toca incessantemente na minha cabeça… The Scientist, diz que ninguém disse que seria fácil, que é uma pena nos separarmos...e tem a vontade, de voltar ao começo...este é o sentimento do meu coração neste momento. Queria eu, e sei que todos nutrem o mesmo desejo, poder voltar no tempo e de alguma forma, mudar o que aconteceu.

 
 

Nobody said it was easy

It's such a shame for us to part

Nobody said it was easy

No one ever said it would be this hard

Oh, take me back to the start”

 

Muitos dizem, que futebol é só um jogo e riem do sentimento, de quem vive, respira e trabalha em prol deste esporte, mas um dia poderemos contar aos nossos descendentes, que o futebol uniu nações e torcedores, numa só torcida.

Um dia o mundo todo se uniu por um só clube...todos os torcedores, deixaram de lado seus clubes, seus pavilhões, pela dor do futebol, pela esperança de que os atletas tivessem sobrevivido, e fizessem nesta quarta-feira, o que faziam de melhor: jogar! O mundo, esperou, segundo após segundo, como a ida do jogador até a bola numa cobrança de pênalti em final, para ver o sorriso da comissão técnica, em apoiar cada atleta...O mundo, se uniu pra torcer, para que as vozes dos jornalistas, ecoasse mais uma vez, dando a notícia, de que tudo fora um susto, de que todos estavam bem. Mas o silêncio reinou…

Quando a dor reinou, o mundo do futebol, nos surpreendeu mais mais uma vez. Em meio a centenas de homenagens, ao que se foram, o que vimos numa noite que deveria ser de festa dos torcedores, foi a união dos povos, das nações. A torcida do Atlético Nacional, o povo colombiano, fizeram algo que jamais poderia se imaginar...proporcionaram uma noite de fé, de crença na humanidade!

Faltam palavras para tentar exprimir o que foram os quase 90 minutos no Estádio Atanasio Girardot. O estádio completamente lotado, para homenagear o time da Chapecoense, os dirigentes e jornalistas que perderam suas vidas. Fora do estádio, outras milhares de pessoas engrossaram o canto de “Vamos Vamos Chape”. Ao todo, mais de 100 mil colombianos, nos deram o maior exemplo de amor, de carinho e de solidariedade.

 

Homenagem do povo colombiano.

 

"Não, não nos esqueceremos, que esta Copa se vai para o céu", cantavam os colombianos a plenos pulmões, em meio a flores e faixas, de apoio e força. Ao final, balões foram soltos por crianças, enquanto os 19 nomes dos atletas eram anunciados, e pétalas de rosas, caíram dos céu.

O time que já havia nos surpreendido, pedindo que a Conmebol declarasse a Chape como campeã da Copa Sul-Americana, acolheu e abraçou o povo brasileiro, a cidade de Chapecó, abraçou cada familiar, que perdeu seu ente querido e fizeram algo, que jamais sairá da cabeça do torcedor.

Na Arena Condá, os campeões e heróis também foram homenageados. No que seria o momento do pontapé inicial, os jogadores do clube, que não viajaram, subiram ao gramado de mãos dadas e deram uma volta olímpica.

 

Torcedores homenagearam as vítimas na Arena Condá(Foto: Reuters)

 
 

O narrador da Arena disse: Aqueles que amamos nunca morrem. Apenas partem antes de nós. E é este o sentimento...os 71, que partiram, serão eternizados.

O mundo torce pela Chape..o mundo, se rende a grandeza do Atlético Nacional e estaremos, para sempre ligados a eles, por amor ao futebol.

 

“Choramos quando nosso time perde, mas e quando perdemos nosso time?(FOX)”

...Nós que respiramos futebol, estamos sem ar.

 
 
 

por Mariana Alves, em nome de todas as colunistas do Blog Mulheres em Campo. Fica nosso agradecimento aos torcedores do Atlético, nosso eterno respeito pelos guerreiros que partiram e as condolências aos familiares.