A MELHOR PARTE FOI QUANDO ACABOU!

 

A 37ª rodada do Sport Club Internacional foi fora de casa neste meio de semana, o clube gaúcho viajou a São Paulo e foi recebido no Morumbi nesta quarta feira (04), pelo tricolor paulista às 21h30m, horário de Brasília, em um jogo que era confronto direto para ambos na ambição de firmar os pés em uma vaga direta à LA 2020. 

 

Foto: Ricardo Duarte

 

Aqui estamos nós, outra vez tendo "mais do mesmo", o Colorado que esteve nas quartas de finais da Libertadores ao mesmo tempo em que se encaminhava para a final da Copa do Brasil e fazia boa atuação no Campeonato Brasileiro figurando entre os 4 primeiros colocados hoje tende a se contentar em enamorar uma vaga a competição, a isso se resumiu o returno de 2019 e outra vez se viu em campo o porquê de não ter merecido e de que talvez não mereça para o seu próprio bem participar de mais da competição na próxima temporada.

 

A fábrica de decepções gaúcha chamada Internacional mais uma vez entrou mal, Uendel escalado outra vez que me faz acreditar que só saia do time caso seja preso por homícidio e impedido de estar presente em campo fez de novo seu melhor papel em falhar, o Colorado não viu a cor da bola no primeiro tempo contra um São Paulo que está longe de estar na sua melhor temporada e apresentar seu melhor futebol.

 

O resultado final foi mais uma derrota alvirrubra, o time paulista levou a melhor e marcou duas vezes. Parede, SIM ! GUILHERME PAREDE, pegou um rebote em um chute de Guerrero defendido pelo Volpi e marcou pra aliviar para o Colorado, mas pouco para não dizer de nada adiantou o gol marcado.

 

É visível que há muito se acabou o ano para os atletas, é sabido que mais de 40% dos atletas que estiveram em campo não estarão na temporada seguinte, mas mais uma vez o que foi apresentado dentro de campo não condiz nem com um time de série C e que me perdoem os times que disputam tal escalão do campeonato nacional. 

 

Mais uma partida em que o time conseguiu mediocrizar se, o momento mais feliz foi quando o juíz apitou o fim da partida e nada mais.

 

De torcedora para torcedora, Jéssica Salini