A PRIMEIRA VEZ A GENTE NUNCA ESQUECE!

 

Desencantou, enfim! Em seu quarto jogo (um empate e duas derrotas) sob o comando tricolor, Doriva conseguiu sua 1ª vitória, e é claro que essa ficará marcada para sempre em seu pensamento, porque a primeira vez a gente nunca esquece! E uma vitória importantíssima, já que há quatro anos o São Paulo não vencia o Coxa no Couto Pereira! Desde 2011, foram três derrotas e um empate no estádio.

O técnico relacionou 20 jogadores, e chegou ao Sul do país munido de força máxima para o confronto diante do Coritiba de Ney Franco, que precisava mais do que nunca de uma vitória, para não igualar sua pior sequência do ano, na qual perdeu por cinco vezes consecutivas, da 3ª à 7ª rodada, no início do campeonato. Com um retrospecto nada bom como visitante, o São Paulo estava pressionado para conseguir vencer, o que daria direito aos 3 pontos, quebra de tabus e marcas históricas.

Antes de iniciar a partida, o juiz alertou Alexandre Pato e Alan Kardec de que precisariam mudar seus meiões, já que uma parte branca ficava visível e o Coritiba era quem estava com uniforme branco. Os jogadores voltaram ao banco de reservas e fizeram as devidas mudanças, conforme o árbitro havia pedido. Após 7 minutos de atraso, o jogo foi iniciado.

E logo aos 4 minutos, os jogadores confundindo vontade com jogo duro, acabaram gerando uma confusão, que fez o jogo ficar paralisado por 4 minutos. O zagueiro Luiz Eduardo (que tem deixado a desejar, e muitas das vezes, mostra-se um tanto violento), acertou um chute no volante Cáceres, cometendo uma falta. Em seguida, levou um soco do atacante Henrique. A confusão estava formada! Aí você pensa que o árbitro vai expulsar, pelo menos, um dos jogadores que estavam envolvidos... E o que ele fez?! Não expulsou ninguém! Tudo aconteceu diante dos olhos de Marielson Alves Silva, e ele apenas distribuiu cartões amarelos para Henrique Almeida, Alan Kardec e Rafael Marques.

De volta ao jogo após os jogadores discutirem entre si e com a arbitragem, a partida estava boa e as equipes mostravam-se envolvidas, jogando pra frente, tentando abrir o placar! E com boas chances, aos 24 minutos, ao receber um belo passe do maestro Paulo Henrique Ganso, Alan Kardec, depois de quase sete meses sem balançar as redes, dominou a bola na área e bateu rasteiro, num chute cruzado, no cantinho direito de Wilson, que ficou sem chances de defesa. O tento do centroavante foi o de número 10.000 na história do Tricolor! A contagem da marca histórica iniciou no ano de 1930, com Barthô, na goleada sobre o Juventus-SP por 6 a 1, no dia 23 de março daquele ano. Assim, Kardec ficará eternizado no São Paulo, juntamente com outros colegas do elenco.

Imagem: globoesporte.com


 

Sabe-se que 1x0 não ganha jogo enquanto o árbitro não dá o apito final. E o São Paulo, que novamente pecou nas finalizações e perdeu algumas chances, acabou levando o gol de empate, aos 45 minutos da etapa inicial, quando Luís Cáceres recebeu a bola de Lúcio Flávio, e acreditando em seu potencial, acertou um belo chute de fora da área, balançando a rede do goleiro Rogério Ceni, que nada pôde fazer.

Mas Doriva desencantou, enfim! Seu esquema tático parecia estar dando certo, mesmo com uma queda no rendimento dos times, que passaram a fazer jogadas pelo meio-campo, sem o ritmo ofensivo que mostraram no início do jogo. E o gol da vitória veio aos 18 minutos do 2º tempo, quando Pato e Ganso tabelaram perto da área do Coxa. O maestro, que estava inspirado, acertou um passe por baixo das pernas do defensor alviverde, e o camisa 11 bateu de canhota no ângulo superior direito do goleiro Wilson. Uma pintura, que foi muito comemorada por todos os jogadores e pela comissão técnica.


Imagem: zh.clicrbs.com.br


 

Aos 27 minutos da segunda etapa, o mesmo Henrique, que deu um soco no zagueiro do Tricolor logo no início do jogo, acabou pisando-o, e dessa vez foi expulso, sem sequer reclamar. Com um homem a mais em campo, Doriva fez sua primeira alteração. Aos 32, sacou Alan Kardec e colocou Rogério. O São Paulo teve boas chances de ampliar o placar, mas não soube aproveitar, e ainda foi pressionado pela equipe alviverde, que continuava buscando o empate, mesmo estando com um jogador a menos em campo. O atacante Centurión entrou no lugar de Michel Bastos, que estava apático, aos 37. Aos 38, Alexandre Pato teve a chance de fazer o 3º, mas perdeu um gol feito! Com o jogo se encaminhando para a vitória tricolor, Doriva fez sua terceira e última alteração já nos acréscimos, aos 47 minutos. Colocou Lyanco no lugar de Alexandre Pato, apenas para “gastar tempo” e segurar o placar.

Alguns jogadores se destacaram individualmente. Rogério Ceni, desafeto de Ney Franco, foi um deles. Mesmo tomando um gol, fez duas grandes defesas durante a partida, e mais uma vez levou a melhor na disputa com o técnico do Coxa, que foi campeão pelo Tricolor em 2012, pela Copa Sul-Americana. Nos cinco duelos contra os times comandados pelo comandante contra o São Paulo, foram cinco derrotas: duas pelo Vitória (2013/2014), Flamengo (2014) e duas pelo próprio Coritiba (2015). Assim como o arqueiro Tricolor, Wilson foi bem também, bloqueando Alexandre Pato e Rogério em boas jogadas. Mérito também para ele!

Após a vitória no Couto Pereira, o São Paulo subiu da 8ª para a 5ª colocação na tabela, com os mesmos 50 pontos da equipe do Peixe, que leva vantagem no saldo de gols (15 a 5). Já o Coritiba, continuou com os mesmos 33 pontos que iniciou a partida, e se manteve em 17º lugar.

As duas equipes voltarão a campo pelo Campeonato Brasileiro no próximo sábado (31). O São Paulo enfrentará o Sport no Morumbi, às 17h (horário de Brasília), num jogo de ‘seis pontos’, já que será uma briga direta na luta pelo G4. No Couto Pereira, o Coritiba receberá o Figueirense, às 21h (horário de Brasília), buscando a vitória para sair da zona de rebaixamento.

Mas o Tricolor não terá uma semana “de folga”. Na quarta-feira, Doriva e sua equipe irão até a Vila Belmiro para o duelo de volta das semifinais da Copa do Brasil, às 22h (horário de Brasília). Para reverter o elástico placar favorável à equipe santista, o São Paulo precisará vencer por 3 gols de diferença, ou por 2 gols, caso faça mais que 3 (4x2, 5x3). Se o resultado for 3x1 para a equipe do Morumbi, a decisão será nos pênaltis.

Que venha o Santos, e que o Tricolor mostre que é o “time de guerreiros” que a torcida tanto quer ver em campo! Que jogue com força de vontade, garra e raça. Que sinta o peso da camisa três vezes campeã do mundo, e que busque o resultado até o apito final, porque ainda está na disputa pelo inédito título da Copa do Brasil, podendo ser campeão pela 1ª vez... E a primeira vez a gente nunca esquece!


 

Por Renata Chagas