A quarta-feira abençoada que terminou amarga

Antes do jogo do Palmeiras contra o Rosário Central, todos falavam que os 20 primeiros minutos do jogo seriam decisivos, que o Rosário era arrasador nos 20 primeiros minutos de jogo em seu estádio e todos já apostavam na eliminação prematura do Palmeiras na Libertadores. Mas se teve uma coisa que esse jogo não teve ontem foi definição.

Aos quase 15 segundos do primeiro tempo, Gabriel Jesus, com a abençoada camisa 12, quase fez o primeiro gol palmeirense. Mas não tivemos que esperar muito, em falha na troca de passes do Rosário Central, Jesus roubou a bola e com categoria de veterano fez o primeiro gol do Palmeiras.

Mas o Palmeiras após alcançar o seu primeiro gol acabou assumindo uma postura muito mais defensiva, como se quisesse administrar um placar com um gol de vantagem feito aos cinco minutos do primeiro tempo. Justiça seja feita a marcação estava boa, por mais que o Rosário ficasse com a posse de bola, não conseguiam finalizar a jogada e quando conseguiam, Fernando Prass estava lá.

Só que não tem como você segurar uma vantagem tão pequena, conquistada tão cedo contra o melhor time argentino do momento em seu estádio, gol do Rosário Central. Tudo igual.

Ainda antes do fim do primeiro tempo, novamente gol abençoado, mais um de Gabriel Jesus que parecia estar em uma noite inspirada. Tanto que logo após a volta para a segunda etapa, mais uma bola de Jesus carimbou a trave com direito a rebote para o Jean. Jesus estava inspirado nessa quarta-feira que parecia ser a quarta-feira dele. Mas o menino que a cada dia mais se agiganta com a camisa palmeirense foi extremamente caçado em campo e falta ainda um pouco de maturidade para o garoto. Porque quando você é bom, também tem que saber que será caçado em campo e tem que aprender a lidar com isso.

(Fonte: Uol esporte)

O Rosário chegou ao empate que deu força ao time da casa para atacar mais. Aos 21, o árbitro marcou pênalti a favor do Rosário em lance infantil do Victor Hugo em Musto. Aqui vale dizer que há aqueles que defendem que não houve ou houve pênalti no lance, mas pra mim o fato é que jamais o zagueiro deveria ter puxado o Musto daquele jeito dentro da área, lance infantil e desnecessário que prejudicou muito o Palmeiras. Dessa vez, Fernando Prass não conseguiu realizar um milagre e o Rosário alcançou finalmente a vantagem em cima do Palmeiras, porque quem não fica com a bola, não joga.

Mas futebol é assim, Lucas Barrios entrou no segundo tempo substituindo Alecsandro e de cabeça deixou tudo igual de novo, 3 x 3.

O Rosário Central que ficou o jogo inteiro caçando os jogadores palmeirenses e com grande provocação, acabaram deixando Gabriel Jesus descompensado que revidou a agressão sofrida e foi expulso.

Que jogo! O maior inimigo do Palmeiras continua sendo o próprio Palmeiras. Se após a vinda de Cuca o time já demonstra inquestionáveis melhoras no esquema tático, falta ainda no elenco o controle emocional. Libertadores, amigos, não é brincadeira! É jogo pegado, não se ganha só na bola, se ganha na marra, naquele xingamento no ouvido do adversário, naquela falta maliciosa e bem feita que o juiz não marca, enfim, na catimba. O elenco palmeirense não está preparado pra isso e demonstra isso quando comete faltas bobas, quando Jesus acaba sendo expulso por revidar uma agressão. Muitos são jovens, outros estão na sua primeira disputa de uma Libertadores, cabe aos jogadores mais experientes, juntamente com o Cuca colocar mais juízo nesses jogadores.

A situação do Palmeiras não é fácil para se classificar para as oitavas. Tem que torcer para que o Nacional ganhe o jogo de hoje contra o River e o da semana que vem contra o Rosário. Além disso, necessariamente precisa ganhar do River na semana que vem em casa, por um grande placar, pois, caso o Nacional ganhe os próximos dois jogos, o Palmeiras estará empatado em número de pontos com o Rosário, mas ainda está atrás no saldo de gols.

Eu posso falar que sou Nacional desde criancinha e que ganhar de goleada semana que vem é obrigação, mesmo que sem as bênçãos de Jesus. O River Plate ano passado teve uma péssima campanha na fase de grupos na Libertadores e no final consagrou-se campeão. Então por que não acreditar? Afinal meus amigos, verde é a cor da esperança!

AINDA ESTAMOS VIVOS!

Marcela Permuy