A RAINHA DAS PRORROGAÇÕES!

Foto: Divulgação

 

 

Quem achava que a Inglaterra teria vantagem já que os xadrezes vinham de duas prorrogações, se deu mal. Já dizia Tite, “tem que saber sofrer”, e os comandados de Zlatko Dalic, mostraram que não somente sabem, como jogam com maestria.

É a realização de um sonho, algo mágico e surpreendente. 20 anos depois de ficar na terceira colocação de um Mundial, os Croatas surpreendem o mundo e chegam a final para encarar os franceses!

Zebra? Pode chamar assim! De jogo em jogo, os croatas demonstram que sua geração de ouro, merece respeito e tem total condições de ganhar sua primeira Copa.

 

Foto: Divulgação

 

O jogo foi de superação e sangue frio. O zagueiro Vida, envolvido em polêmica por  gritar “Glória a Ucrânia” em vídeos, era vaiado em cada toque na bola. Trippier abriu o placar logo aos 5 minutos em cobrança de falta. Depois do gol a Croácia demorou para se recuperar e tomou vários sustos dos ingleses.

Tendo que buscar o resultado, a Croácia se reorganizou na segunda etapa. Perisic recebeu cruzamento de Vrsaljko e com o pé esquerdo, empatou a partida. O gol acordou os xadrezes, que passaram a sufocar os filhos da rainha. O goleiro Pickford teve trabalho e contou com a ajuda da trave para não levar a virada.

O jogo ficou no 1x1 e a Croácia teria sua terceira prorrogação pela frente. Um verdadeiro pesadelo diante do extremo cansaço dos atletas. Mas depois de passar o primeiro tempo complementar ilesa, veio a glória!

Um dos atletas mais experientes do elenco, Mandzukic, aproveitou toque de cabeça de Perisic e virou a partida!

 

 

Mandzukic virou a partida.

Foto: O Globo

 

 

Loucura  xadrezes que correram e comemoram em cima de um fotógrafo, enquanto em campo os ingleses estavam incrédulos.

Com o apito final, eis que minha ficha caiu:neste domingo ao meio-dia, em Moscou, a Croácia disputará sua primeira final! Quiseram os deuses que a seleção ignorada por muitos, fizesse o que era esperado das gigantes! Que venham os franceses! Que venha o caneco!

 

 

Por Mariana Alves