A VITÓRIA EM MEIO ÀS LÁGRIMAS

 

Na tarde desse sábado (28), após uma semana da goleada sofrida para o Corinthians, o São Paulo recebeu o Figueirense, às 17h (horário de Brasília), no Morumbi, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Deveria ser um momento de homenagens, já que a partida seria a última para alguns nomes com a camisa do clube. Mas o que se teve mesmo foi um misto de indignação, tristeza, emoção e alegria!

Duas equipes e dois objetivos totalmente distintos. Com um São Paulo em meio à crise e beirando o caos, buscando a última vaga do G-4, e um Figueirense, já sem qualquer pretensão, lutando para sair da zona de rebaixamento, o que não faltou no jogo foi emoção, regada de muitas vaias e protestos contra dirigentes e alguns jogadores. A missão do Tricolor era vencer! Vencer era a palavra de ordem para a partida e, apesar dos sustos, o time fez o dever de casa.

Sem poder contar com Rogério Ceni (que ainda se recupera de lesão sofrida na semifinal da Copa do Brasil, na Vila Belmiro, no dia 28 de outubro, contra o Santos), com os zagueiros Breno e Luiz Eduardo (que após cirurgias, voltam somente em 2016) e o atacante Rogério (estiramento na coxa esquerda), Milton Cruz levou a campo o goleiro Denis; Bruno e Carlinhos nas laterais, acompanhados dos zagueiros Rodrigo Caio e Lucão; Hudson e Thiago Mendes como volantes; Paulo Henrique Ganso como meia de criação; Michel Bastos e Alexandre Pato nas pontas; e Luis Fabiano como homem de referência.

No momento da execução do hino nacional, o centroavante (um dos jogadores que fez seu último jogo pelo clube), com a faixa de capitão, foi às lágrimas, muito emocionado. Não era pra menos, né?! O camisa 9, deixa o clube tendo feito 351 jogos, onde foi titular em 330, e fez 212 gols (sendo um na vitória contra os catarinenses, completando 125 no Morumbi).

FOTO (LUIS FABIANO): p2.trrsf.com

O jogo começou bem disputado, com o São Paulo fazendo boas trocas de passes entre Alexandre Pato, Ganso e Thiago Mendes. Logo aos 10 minutos, o camisa 11 roubou a bola numa saída errada do Figueirense, tocou para Paulo Henrique Ganso que, mais uma vez, serviu o Fabuloso. Pela 212ª vez, Luis Fabiano balançava a rede no palco soberano. Lágrimas e gol... Ingredientes de uma passagem vitoriosa pelo Tricolor!

Mas, como nem tudo o que aparenta ser, é fácil demais, o São Paulo passou a cair nos mesmos erros, com um meio-campo abandonado, Ganso apagado, e Thiago Mendes sendo um dos únicos a tentar travar o adversário. E como normalmente acontece, o Tricolor mais uma vez cedeu ao empate. Com a zaga desfigurada e uma falha na marcação, aos 26 minutos, Clayton aproveitou e finalizou sozinho, empatando a partida, com o 1º tempo terminando aos 48.

No intervalo, Rogério Ceni (um dos homenageados da tarde) foi embora do Morumbi, acompanhado por seguranças.

Já na segunda etapa, Milton tentou amenizar os erros e, aos 15 e 19 minutos, sacou Bruno e Alexandre Pato (que saiu bastante vaiado), para as entradas de Alan Kardec e Centurión, respectivamente. Mas não adiantou, e os efeitos das mudanças não foram suficientes para dar um ânimo a mais no time.

Aproveitando os erros do Tricolor, a equipe catarinense evitou qualquer jogada que pudesse comprometer sua atuação no jogo, e tentando um lance em busca do gol, conseguiu. Aos 29 minutos, Carlos Alberto sofreu uma falta na intermediária, foi à área e, sem nenhuma marcação, com um belo voleio, fez o gol da virada. 2x1 para os visitantes. Uma onda de protestos tomou conta do Morumbi e muitos torcedores começaram a ir embora. Milton Cruz ainda substituiu Michel Bastos por Auro, aos 30.

Mas, mesmo em meio à crise, o São Paulo não desistiu de tentar, e aos 45, Alan Kardec aproveitou um cruzamento de Hudson e empatou a partida.

E quando tudo já parecia decidido, com os torcedores que ainda estavam presentes se preparando para outra bateria de protestos, eis que apareceu Thiago Mendes, que mais uma vez de fora da área, com seu pé direito, chutou rasteiro no cantinho esquerdo de Alex Muralha, e fez o gol da vitória tricolor. Festa nas arquibancadas, festa no gramado! Uma virada heroica, com gol no último lance do jogo... Isso não tem preço!

FOTO (THIAGO MENDES): static.gazetaesportiva.net

A tarde era para ser de homenagens a Luis Fabiano, Rogério Ceni, Alexandre Pato..., mas quem fez a diferença mesmo foi o camisa 23, que vem se destacando cada vez mais, sendo o melhor em campo, em muitos jogos. Thiago Mendes foi muito aplaudido ao deixar o campo, ao contrário de Lucão, que foi vaiado desde o momento que seu nome apareceu no painel, e em boa parte do segundo tempo. O zagueiro, muito triste e decepcionado, chorou ao dar entrevista após o término da partida.

Com a vitória, e o empate entre Internacional e Fluminense, no Maracanã, o São Paulo se manteve na 4º colocação da tabela, com 59 pontos, e o Figueirense, com seus 40 pontos, continua na 17º posição.

No domingo, dia 6 de dezembro, o Tricolor enfrentará o Goiás, às 17h (horário de Brasília), no Serra Dourada, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. No mesmo dia e horário, o Figueirense receberá o Fluminense, no Orlando Scarpelli.

Jogando bem ou não, com jogadores bons ou não, o São Paulo está no G-4 e depende apenas de si mesmo para se manter vivo em busca da classificação para a Libertadores 2016. Que o último jogo desse ano seja visto pelos jogadores como uma final, e que eles façam nascer um sorriso, em meio a tantas lágrimas.

 

Renata Chagas