197 dias com o peso de 22 anos

 

https://scontent.fcgh17-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/15178185_10154745738834467_555108980027866394_n.jpg?oh=24d7ab967591d0877d3a16a04859649f&oe=58B1C1FA

Fonte: Palmeiras oficial

197 dias são a quantidade de dias entre o 14.5.2016 e o 27.11.2016. Espaço de tempo de 37 rodadas, entre a estreia e a consagração de campeão. 197 dias que tem o peso de 8.018 dias que correspondem ao espaço de tempo entre o jogo da final do Brasileiro de 1994 e o jogo que nos consagrou campeão no Brasileiro de 2016. Serão ao todo 29 rodadas na liderança do campeonato disputado em 38 partidas.

Números. Números que tentam traduzir o tamanho de uma expectativa, de uma vontade, de uma esperança. Números que ainda traduzem o peso que foi suportado por esse elenco campeão brasileiro. Vestir a camisa alviverde pesa, pesa muito. O jogador quando entra na Academia de Futebol sabe que o seu maior inimigo poderá ser a torcida, mas também sabe que o seu maior amor pode ser essa mesma torcida. Louca, apaixonada, cantante e vibrante. Não é fácil carregar esse peso.

Mas o Palmeiras soube carregar isso, ser eficiente, ser frio, ser calculista com a superstição presa na calça vinho e no relógio verde de Cuca. Soube carregar o peso dos números. O Palmeiras que encantou no primeiro turno e no segundo turno se sagrou campeão, mesmo se às vezes não jogasse bonito, era eficiente e letal.

https://scontent.fcgh17-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/15178282_10154745739544467_1857082814266340203_n.jpg?oh=1c98c054b91294c9761a0e6f07381a08&oe=58C5B856

Fonte: Palmeiras Oficial

Palmeiras oh meu Palmeiras, meu Palmeiras!

Se pudesse resumir o campeonato inteiro em um único jogo, o faria no jogo contra Chapecoense. Palmeiras letal, preciso, dominante de seu adversário. Quando não se ganhava na técnica, sobrava raça. Respirando pelos pulmões de Tchê Tchê. Encarando a Chape com a marra do nosso xerife da zaga que sempre tão sorridente fecha a cara pro adversário. Marcando com a jovialidade do Zé Roberto. Atacando com a maturidade de Gabriel Jesus e com o gigante Dudu. Mas se tudo isso ainda falhasse, Jailsão estava lá, com as bênçãos de São Marcos. E ainda com o surpreendente gol de Fabiano, gol de cobertura ainda no primeiro tempo, quem diria que Fabiano faria o gol do título! Vai dizer que você não fez aquele olhar resignado quando viu ele escalado na lateral direita no lugar de Jean? Mas o Palmeiras sempre é feito de surpresas e de construção de heróis improváveis, isso também é ser Palmeiras.

Primeiro tempo o Palmeiras foi encantador, assim como o primeiro turno do campeonato. No segundo tempo o Palmeiras foi eficiente e cheio de raça, como o segundo turno. Poderíamos ser campeões sem a vitória em cima da Chape, mas todos nós queríamos a vitória e só estaríamos plenamente felizes com ela. Nosso amor é exigente!

https://scontent.fcgh17-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/15220005_10154745737739467_6179630421576585751_n.jpg?oh=0a1cb52a79418ff0258f73cd0003aa4d&oe=58FBFBF5

Fonte: Palmeiras Oficial

Palmeiras 2016 foi o Palmeiras contra a Chapecoense. Palmeiras em 2016 foi o meu Palmeiras. E que saudades eu estava de te ver!

Palmeiras que nos leva a loucura de peitar policial para entrar na rua que é mais nossa do que da própria cidade. Que nos leva às lágrimas, ao desespero e a infinita felicidade.

Palmeiras. Eu fiquei horas e horas esperando para escrever esse texto e cheguei a conclusão que todas as palavras do mundo que eu usasse para descrever o que sinto por ti seriam insuficientes. O amor pelas cores verde, branca e vermelha são um vício inexplicável e indescritível. Nosso saudoso Joelmir Beting já disse que “Explicar a emoção de ser palmeirense, a um palmeirense, é totalmente desnecessário. E a quem não é palmeirense... É simplesmente impossível!”. Com toda razão.

Os 197 dias entre a estreia do Brasileiro e jogo de domingo passaram lenta e dolorosamente para nós palmeirenses, espera essa muito mais longa do que os 22 anos. Talvez seja porque, desde o início do ano, nós já soubéssemos que esse título era nosso. Esse era o nosso sentimento. Cuca disse que seríamos campeões antes da estreia do brasileiro, deve ser porque ele como bom palmeirense que é, sentiu o mesmo que eu e você sentimos: esse ano é nosso!

E foi vencido jogo a jogo, ponto a ponto, gol a gol. Suor a suor, lágrimas por lágrimas. Cada nervoso pela derrota, o gosto amargo do empate e a felicidade da vitória. Vivemos 22 anos em 197 dias. 197 dias nos 90 minutos contra a Chape.

O grito de campeão ficou guardado 37 rodadas, sem soberba e sempre racional. Ele escapou só aos 36 do segundo tempo quando não dava mais pra segurar! Os gritos que se debulhavam em lágrimas com a substituição de Jailson por Fernando Prass no último minuto de jogo e que fez cada um de nós se sentir dentro daquele abraço apertado entre os dois gigantes da nossa meta. Enfim, os 8.018 dias viram lágrimas e gritos de campeão!

Grita porcada, sem medo, sem receio porque somos campeões brasileiro nove vezes!!!

 

“Sabe sempre levar de vencida
E mostrar que, de fato, é campeão!”

 

 

Fonte: Extraída da Internet

Domingo enquanto comemorava o título do Palmeiras na Avenida Matarazzo, a delegação da Chapecoense passou por nós torcedores que estávamos na rua. Toda a torcida que cantava e vibrava o título recém conquistado, prorrompeu em aplausos àqueles guerreiros e expressou gritos de apoio à final da Sul-Americana. Respeito. Respeito que a Chape conquistou em campo. Não existem ainda palavras suficientes para descrever a tristeza do acontecimento e a honra de sermos o último clube a enfrentar os guerreiros de Chapecó, que carregam a mesma cor verde e branca que a nossa. Não é, nunca foi e nunca será apenas futebol! Todo apoio à Chapecoense!"                        

Trocaríamos nosso título pela vida de vocês… Eternos Campeões!

 

Sempre e sempre avanti!

Por Marcela Permuy