2021 COMEÇA COM PERDAS PARA AS GURIAS COLORADAS

 

A temporada 2020 foi coroada com números representativos para o futebol feminino Colorado. As categorias que competiram chegaram ao pódio, além de fazer campanhas memoráveis, mas parece que isso não foi suficiente para demandar seriedade na continuação em 2021.

 

Foto: Mariana Capra/Internacional

 

O projeto de futebol feminino do Internacional apresentou seus frutos mais positivos na temporada que decorreu em 2020, são 4 anos desde a retomada do departamento.

A categoria sub-16 se consagrou a melhor base do Brasil, após conquistar a Copa Libertadores da categoria, finalizando o ano levantando o troféu do Campeonato Brasileiro. As demais categorias, sub-14 e sub-18, tiveram seus campeonatos paralisados devido a pandemia.

O grupo principal chegou ao 3° lugar geral do Campeonato Brasileiro A1 e no estadual confirmou a hegemonia no Rio Grande do Sul levantando o Bicampeonato.

Apesar das grandes conquistas após a saída de Duda Luizelli, que agora compõe o quadro da CBF, o projeto deixa transparecer certa perda de direcionamento e seriedade, os reflexos são as saídas importantes que começaram a ser anunciadas na última semana de 2020 e tendem a seguir.

A lateral Nana, destaque na partida da final do Gauchão, se despediu oficialmente do clube antes da virada do ano. Carol Gomes e Luana Spindler também já se despediram, nenhuma ainda informou seus próximos projetos.

Desde então rondam especulações de saídas do grupo titular, Bruna Benites e Byanca Brasil estariam de partida do Clube do Povo. O destino das duas deve ser São Paulo, a zagueira deve parar no Palmeiras enquanto a atacante deve ter como companheira de clube Cris Rozeira nas Sereias da Vila.

Na preparação técnica a primeira perda se dá pela preparadora física Suelen Ramos, Suelen está com as Gurias Coloradas desde a retomada do projeto e anunciou a sua saída nas redes sociais no último sábado (2).

São perdas gigantes para o futebol feminino e não se vê manifestações sérias de continuidade do projeto que vinha sendo feito até então.

 

Por Jéssica Salini

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Portal Mulheres em Campo.