AGORA É MATAR OU MORRER

 

Foto: Albari Rosa/Tribuna do Paraná

 

É hora de virar a chave para um dos principais desafios que teremos. O Paraná entra em campo nesta terça-feira (10), às 19:15, para encarar o Botafogo em mais um “jogo mais importante do ano”. A partida entre as equipes marca a terceira fase da Copa do Brasil e, mais uma vez, coloca um prêmio milionário nas mãos do time que conquistar a classificação.

Por conta de tudo que o jogo representa, o Tricolor poupou o time titular na última rodada do estadual para que fosse realizada uma melhor preparação e descanso dos atletas. Com o cenário atual e todos os problemas extra campo, sabemos da importância de conseguir a classificação e poder ter um dinheiro a mais em caixa para a continuidade da temporada.

E é aqui o ponto principal de tudo. Não se trata de apenas mais um jogo, não se trata de uma simples partida e também não se trata apenas do dinheiro pontual. Depois da vitória e classificação heroica conquistada no jogo contra o Bahia de Feira, todo o elenco Paranista presenciou a explosão da nossa torcida e conseguiu sentir, mesmo que por um período curto de tempo, como o futebol e os momentos bons marcam o torcedor.

Foto: Flickr Paraná Clube

Muito além de apenas receber um prêmio e avançar de fase, temos em mãos a chance de inflar o orgulho de cada Paranista com uma vitória no Rio de Janeiro. Temos em mãos a oportunidade de criar um laço entre time e torcida, de firmar de vez a confiança entre as duas partes em relação ao trabalho e à dedicação do elenco.

É preciso lembrar que, para o futebol, mesmo que alguém seja considerado favorito ou zebra, o que realmente importa é o que acontece entre as quatro linhas durante os noventa minutos jogados. Em uma disputa de mata-mata não importa qual elenco é o mais caro, qual elenco suportará um número maior de jogos durante o ano ou quem, na teoria, é o melhor.

Cada jogo disputado é uma final e cada erro pode ser fatal. É necessário que o time inteiro entre em campo com o mesmo objetivo, que seja possível alinhar a ideia de que um jogará pelo outro, um por todos e todos por um. Não existe bola perdida ou jogada desacreditada. Se um perder um lance, o outro tem que estar pronto para recuperar.

É claro que sabemos que a tarefa não é fácil. Sabemos que uma disputa como essa e na casa do adversário é sempre um desafio muito grande. É preciso lembrar que, nesse caso, jogamos uma decisão de 180 minutos.

A inteligência emocional e o estudo do time adversário podem ser grandes aliados na busca pela classificação. Em determinados momentos, temos que ter a cabeça no lugar para criar novas estratégias e tentar tirar o máximo proveito de toda situação.

Que possamos entrar em campo mais uma vez carregando toda a força da nação Tricolor nos pés de cada jogador. Que tenhamos garra para disputar cada segundo da partida e buscar a vitória. Que nenhum de nós se deixe intimidar por comentários e mídias que tentam nos inferiorizar.

Sabemos a dificuldade do duelo e sabemos que temos totais condições de retornar para casa com a vitória na bagagem. Aos nossos guerreiros, que nessa partida vocês possam entender o verdadeiro significado do que é ser Paraná Clube. Que vistam nosso manto com honra, com dedicação e garra. Lembrem-se dos seus motivos e objetivos. Seremos, mais uma vez, a camisa 12 que te apoia não importa a maneira.

 

POSSÍVEL ESCALAÇÃO

Marcos; Paulo Henrique, Thales, Fabrício e Juninho; Renan Bressan, Carlos Dias, Michel e Thiago Alves; Marcelo e Raphael Alemão.

 

Por Gabrielle Bizinelli

 

*Esclarecemos que as opiniões trazidas nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Mulheres em Campo