ALEGRIA E DEVER CUMPRIDO DE UM LADO, TRISTEZA E ESPERANÇA DO OUTRO...

França vence mais uma e termina a primeira fase com 100% de aproveitamento, enquanto a Nigéria tem que torcer por uma classificação.

 

Foto: Divulgação


Nesta segunda-feira (17), no Estádio Roazhon Park, Nigéria e França fizeram um jogo bem disputado em que as anfitriãs tiveram muita dificuldades para sair da forte marcação nigeriana e acabaram vencendo com um gol de pênalti da zagueira Renard, já no segundo tempo. Com a derrota, as Super Falcons continuaram com 3 pontos e terminaram em terceiro lugar no grupo, com esperanças ainda que pequenas, de se classificarem entre as melhores terceiras colocadas. Já as Les Bleues chegaram a 9 pontos na liderança absoluta do grupo e agora esperam o fim da última rodada para descobrir quem será a sua adversária. O que se sabe é que será uma das terceiras colocadas do grupo C, D ou E, e que a partida acontecerá neste domingo (23) no Stade Océane, em Le Havre.

MUDANÇAS:
Como já era de se esperar, a técnica Corinne Diacre entrou em campo com algumas mudanças no meio e no ataque. Asseyi e Cascarino formavam o ataque com Gaetene Thiney ligando as duas e Gauvin mais a frente. Outras mudanças foram no meio com Bilbault no lugar de Elise Bussaglia e na defesa com Eve Perisset no lugar de Marion Torrent. Na equipe nigeriana tivemos apenas uma mudança. O técnico Thomas Dennerby trocou Uchendu por Ayinde.

NIGERIA: Nnadozie; Okeke, Ebi, Ohale e Ebere; Ayinde, Okobi e Chikwelu; Oshoala, Oparanozie e Ordega.

FRANÇA: Bouhaddi; Perisset, Bathy Nka, Renard e Majri; Henry, Thiney e Bilbault; Cascarino, Gauvin e Asseyi.

 

Foto: FIFA Oficial


O JOGO:
As francesas até que tentaram controlar o jogo já no início porém as nigerianas estavam com uma marcação muito boa o que dificultava a vida das anfitriãs que não conseguiam fazer as suas jogadas de velocidade com as pontas Cascarino e Asseyi. Por isso quem acabou chegando com perigo, foi a Nigéria que após um escanteio aos 3' minutos Oparanozie cabeceou forte assustando a torcida da França.

Com mais calma a Seleção da França passou a controlar mais o jogo ficando mais tempo com a bola, mas tinha muitas dificuldades para passar da marcação da Nigéria que fechou os seus espaços do meio para trás e nas roubadas de bola tentava sair com velocidade mas também não tinha sucesso. O jogo estava bastante disputado, as jogadoras da França tentavam de todos os jeitos criarem uma jogada que levasse perigo a goleira adversária Nnadozie mas nem as jogadas ensaiadas de bola parada estavam funcionando. As nigerianas praticamente desistiram de atacar preferindo se fechar na defesa deixando Bouhaddi tranquila do outro lado. E o primeiro tempo de velocidade que foi tanto falado, terminou ao contrário, um 0 a 0 bem lento.


"Minhas jogadoras são heroínas." (Thomas Dennerby)

 

Foto: FIFA Oficial


As duas equipes vieram sem alterações para a segunda etapa e as francesas voltaram melhor controlando o jogo e tomando mais iniciativa para fugir da marcação e tentar abrir o placar, mas as conclusões não eram das melhores. As nigerianas por outro lado procuravam continuar firmes na marcação mas ao contrário do que foi no primeiro tempo as Les Bleues encontravam mais espaços e chegavam com perigo principalmente nas jogadas mais agudas pelos lados com Cascarino e Asseyi já o ataque da Nigéria estava bem sumido, a atacante Oshoala pouco aparecia já que as nigerianas estavam se dedicando mais a marcação.

Com as entradas de Le Sommer e Diani no lugar de e Cascarino, a França começou a ter mais presença na área adversária e foi em uma dessas chegadas que conseguiu finalmente abrir o placar. Após uma disputa na área entre Asseyi e Ebere, o VAR acabou aparecendo pela primeira vez na partida e após revisão a arbitra acabou marcando pênalti e expulsando a nigeriana Ebere. A zagueira Renard foi para a cobrança e acabou perdendo mandando no cantinho da trave. Mas a arbitragem consultou o VAR de novo, e mandou voltar a cobrança alegando que a goleira Nnadozie havia se adiantado. Renard foi para a cobrança de novo e dessa vez bateu bem, forte e no alto para abrir o placar aos 33' minutos. Com uma jogadora a menos, restou apenas a Nigéria se defender para evitar uma tragédia maior e ainda perdeu a sua principal atacante Asisat Oshoala que sentiu a coxa. A França continuou com a posse de bola e o controle do jogo e no final pode comemorar sua terceira vitória na competição na fase de grupos pela primeira vez na sua história.

“Acho que sempre vou pedir as minhas jogadoras para irem além. Sim, conseguimos garantir a terceira vitória, apesar de não ter sido fácil para nós. Eu acho que porque foi tão difícil, faz a vitória mais doce.” (Corinne Diacre)


Texto: Jessica Martins