Amor ao Cruzeiro: Sentimento passado de pai para filho!

 

 

(FOTO: globo.com)

O amor pelo futebol é algo forte e de um valor imensurável, e quando se torna parte da história de uma família, o valor sentimental é ainda maior, o futebol é capaz de conectar e fazer com que o vínculo fique ainda mais forte. As crianças se inspiram nos atos, no jeito e nas maneiras dos seus familiares e também é assim quando falamos do sentimento pelo time do coração, é aquele amor passado de avô para neto, de pai para filho, e nesse mês dos pais nada como homenagear nossos “heróis” inspiradores, descrevendo um sentimento que compartilhamos: o amor pelo nosso time.

Quando ainda era uma garotinha o via ali todo domingo na frente da televisão com um rádio ligado perto do ouvido, acompanhando aquele jogo, toda quarta- feira ele ia dormir tarde por que estava assistindo a mesma coisa, eu o via bravo, mas na maioria das vezes o vi sorrindo e comemorando, gritando “Gol”, não entendia nada, então minha curiosidade de criança me fez sentar ali do seu lado e o encher de perguntas, que ele sempre paciente, respondia cada uma, me explicava as regras que eu demorei a entender, e me mostrou que ele estava sempre ali porque aqueles homens de azul e branco que tinham um escudo redondo no peito, formavam um time, na verdade “O time”, chamado Cruzeiro, que ele amava e que era o responsável pelas vezes que ele ficava bravo em frente a TV, mas que também era o causador de muitas das suas comemorações.

Tinha apenas cinco anos, quando comecei a observar mais as pessoas ao meu redor nesses dias, e as via vestidas com aquela camisa idêntica a dos jogadores, eu me apaixonei completamente, para mim era a camisa mais linda do mundo.

Comecei a me interessar e a partir daí estava ali todo jogo ao lado do meu pai, prestando atenção na TV, mas também no que o narrador falava na rádio, vi junto dele o Cruzeiro conquistar todo país ganhando a Tríplice Coroa, aquele time vencia todos adversários, era lindo de ver, era realmente apaixonante, e ver meu pai ali emocionado com cada conquista me fez sentir igual, na verdade um sentimento enorme tomava conta de mim e eu não sabia explicar.

Foi com ele que eu vi as conquistas do nosso Cruzeiro, e com ele também que eu vi as derrotas e momentos difíceis, meu pai que me ensinou a famosa rivalidade do estado, e me fez entender que eles eram nossos rivais ali no campo, mas não inimigos fora dele, me mostrou que tinha que respeitá-los, pois acima de tudo eram pessoas. Hoje os melhores jogos são aqueles que ele acompanha comigo ali do seu lado, ainda faço perguntas, mas também respondo as dele, ele me ensinou esse amor pelo Cruzeiro e a ele serei eternamente grata, meu herói e inspirador.

O Cruzeiro faz parte da história de seus torcedores, que assim como eu, foram inspirados por alguém próximo, quando se fala em amor passado de pai para filho, me vem na cabeça o trecho de uma música da nossa torcida, que diz o seguinte: “Zêro, sua história é tão bonita, faz parte da minha vida, e pros meus filhos vou contar”. Esse trecho define e ainda definirá a história de amor de muitos pelo Cruzeiro, é um amor herdado, pois ninguém vira cruzeirense, apenas nasce cruzeirense.

 

(FOTO: otempo.com)

Deixo aqui um Feliz dia dos Pais aos melhores pais do mundo, aos pais que não usam capa e não sabem voar, mas que sabem fazer o melhor pelos seus filhos. Obrigada por nos darem a oportunidade de aprender com vocês a grandiosa história do nosso Cruzeiro, e por nos passarem esse amor.

Homenagem a todos os pais cruzeirenses!

 

#PaixãoQueVemDeBerço

#AmorHerdado

#SerCruzeiroTaNoDNA


Por Greicilene Santos