Antes e depois do terceiro gol

 

Apesar de um primeiro tempo de qualidade, Fluminense não segura o ataque do rival e perde o jogo por 5x2

 

C:\Users\Carla\Desktop\Blog MULHERES EM CAMPO\Brasileiro 2018\Fluminense x Atlético-MG Independencia\O Choro de Gilberto  Foto de Mailson Santana.jpg

Foto de Mailson Santana

 

Foi um jogo bonito de se assistir, disputado e com muitas alternativas de jogo. No campo, as duas equipes mostraram garra e vontade de vencer. Para ter uma ideia, o Fluminense finalizou 14 vezes e o Atlético-MG 13. O Tricolor começou o duelo na retranca, com uma linha de 5 formada por zagueiros e laterais, e outra de 4 com Jádson fechado pelo lado direito, Matheus Alessandro cobrindo o esquerdo e Douglas e Richard pelo meio. A defesa, sem Gum e Renato Chaves, tinha Nathan cuidando do meio e Ibañez, de volta ao grupo, atuando no lado direito. Ficou claro que a tática era defender e chamar o adversário.

Para coroar, a volta do nosso atacante Pedro, num dia feliz, e de Ayrton Lucas, que também defendeu a camisa com vigor. O entrosamento do elenco ficou nítido. Logo, as chances de abrir o placar surgiram. Aos 13 minutos, uma bela jogada criada na troca de passes entre Jádson, Gilberto e Pedro. A bola sobrou para Douglas no meio da área e ele chutou por cima do gol de Victor.

Pouco depois, veio o primeiro gol Tricolor. Douglas cobrou escanteio e Gilberto subiu para cabecear. O jogador, que sentiu a coxa depois de uma dividida de bola, chorou na comemoração. O jogo continuou equilibrado e com 35 minutos, o Galo empatou numa jogada de Patrick que cruzou na área e Léo Silva dominou e marcou. Quase no final da primeira etapa, Roger Guedes fez o segundo tento do time mineiro.

A disputa continuou e com 47, Pedro fez um golaço e igualou o placar. O jogador vibrou muito e em sua comemoração disse “calma que eu voltei”. A torcida presente gritava das arquibancadas “O Pedro vai te pegar”.

C:\Users\Carla\Desktop\Blog MULHERES EM CAMPO\Brasileiro 2018\Fluminense x Atlético-MG Independencia\Pedro comemora seu gol  Foto de Mailson Santana.jpg

Pedro comemora o gol

Foto de Mailson Santana

 

Segundo Tempo. Abel Braga fez sua primeira substituição no time e colocou Pablo Dyego no lugar de Matheus Alessandro. O Fluminense voltou com garra e teve várias oportunidades de gol. Pedro fez linda jogada e chutou de voleio para o gol do Victor. A bola triscou na trave e foi por pouco. Tudo parecia a favor do Tricolor, era como se houvesse proteção dos deuses do futebol. Prova disso foi o lance espetacular aos 13 minutos. Tomás Andrade chutou para o gol de Júlio César e o percurso daquela bola deixou a respiração dos torcedores suspensa por alguns segundos. A bola bateu na trave, rolou pelas pernas, costas para acabar nas mãos do arqueiro. Alívio imediato.

O rival voltou bem mais presente no jogo e buscou ampliar o placar. Desta vez, Tomás Andrade conseguiu ser feliz na finalização. O argentino chutou forte com pé direito e fez o terceiro do galo. Aos 25, aconteceu a segunda mudança do Fluminense. Sornoza entrou no lugar de Gilberto e, com isso, Jádson passou a cobrir a lateral-direita. Não entendi a troca. Pelo meu entendimento, o meia deveria ter entrado no lugar de Douglas. Coisas de Abel.

Com 28, outra vez Pedro ameaçou numa cabeçada onde aproveitou a falha de Victor, que socou mal a bola. Novamente o quase. Se eu não entendi Gilberto por Sornoza, também fiquei a ver navios quando o técnico colocou o queridinho João Carlos no lugar de Ayrton Lucas. Ele mudou o esquema tático para o 4-3-3 e fez o zagueiro Luan Peres jogar pela lateral-esquerda. Se Abel acertou na escalação inicial, pecou nas substituições, como é de costume. O time, até então coeso, se perdeu dentro das quatro linhas e foi incapaz de segurar as inúmeras tentativas do adversário, que percebeu a confusão e soube se fechar e administrar a vantagem.

Ficou pior. Ricardo Oliveira bateu falta certeira da intermediária e fez o quarto gol. Teve o quinto e ele veio dos pés de Roger Guedes, que depois das alterações do comandante jogou livre, leve e solto.

Durante a comemoração de Guedes no último gol, viu-se no fundo do campo Abel com a cabeça encostada nos ferros do banco de reservas. Era a imagem do desespero, da incredulidade. Ele não conseguiu acreditar naquela virada avassaladora do Galo. Foi o sentimento transmitido.

Desde o início da temporada tinha dúvidas que esse plantel seria capaz de disputar o Brasileiro com chances de título ou uma boa colocação até o final da competição. O time é um reflexo de uma gestão desgastada e ineficiente, onde o futebol nunca foi premissa básica. Não houve investimento na contratação de reforços com categoria e excelência profissional. Quem veio para reforçar não tem talento para isso. Assim, segue o Fluminense contando com jogadores de sua base, alguns ainda precisam de lapidação, numa difícil jornada. Tem ainda o agravante dos salários atrasados, além dos direitos de imagem, fruto de uma administração caótica. Parabéns aos envolvidos.

C:\Users\Carla\Desktop\Blog MULHERES EM CAMPO\Brasileiro 2018\Fluminense x Atlético-MG Independencia\Abel Braga  Foto de Mailson Santana.jpg

O técnico durante a partida

Foto de Mailson Santana

 

Coletiva de Abel Braga

O técnico declarou que faltou ao Fluminense "ser mais cirúrgico" para conquistar um bom resultado e que o placar final não correspondeu ao equilíbrio da partida.  Apesar dos 5 x 2, ele afirmou que a atuação do time o surpreendeu positivamente.

“Não saio contente, obviamente, mas o que vi minha equipe jogar foi mais do que eu esperava. Saio desapontado com o resultado, mas não com nossa atuação. O Ibañez não jogava há muito tempo, o Ayrton também, o Gilberto se machucou no primeiro tempo, o Douglas foi o segundo jogo como titular. A gente achou que faltaria ritmo, pegada, mas não faltou nada disso. Faltou ser mais cirúrgico. Se a gente faz o terceiro gol antes de tomar o terceiro gol. Porque tivemos chances para isso” avaliou.

Sobre a partida:

“Nós encontramos muito mais dificuldade no primeiro tempo. O Atlético com jogadores em ótima fase, como o Roger Guedes. Conseguimos o gol de empate muito importante para nós, pois sabíamos que eles iriam partir para cima no segundo tempo. Consertamos algumas coisas que aconteceram de errado e o jogo ficou a nossa feição. Não estou dizendo que jogamos melhor, mas até o terceiro gol, nós estávamos bem na partida. É uma equipe que me encanta pela luta, pela briga e hoje é uma pena porque poderíamos ter feito o terceiro gol quando o jogo estava completamente a nosso favor. Saio desapontado com o resultado, mas não com nossa atuação”, comentou.

 

Carla Andrade