AQUI É RAÇA! É SANTA CRUZ!

Santa Cruz supera adversidades e vence a Juazeirense em casa, nesta noite (02), pela 8ª rodada da Série C.

 

Estreando a belíssima nova pele Coral, o Tricolor experimentou uma dura partida em casa, mas com muita raça, o resultado ficou em Recife.

 

C:\Users\User\Desktop\camisa_santa_cruz.jpg

Nova pele Coral

(Foto: Divulgação)

 

Valendo uma vaga no G-4, o Tricolor entrou em campo decidido a vencer. A equipe Coral sabia que não tinha o direito de decepcionar o torcedor em casa novamente. A partida valia mais do que 3 pontos, mais do que a busca pelo G-4, valia o resgate da confiança do torcedor, a reconciliação.

 

Primeiro Tempo

O jogo começou bem movimentado, o Santa pressionou desde os primeiros minutos, mas não segurou a bola lá na frente por muito tempo. Por sorte, o time baiano não assustou a zaga coral tão cedo.

Valdeir sentiu a coxa e foi substituído com somente 8 min, Fabinho Alves entrou na vaga. Era como um aviso sobre como a partida se desenrolaria: dolorosamente.

O Santa retomou o ímpeto inicial e abriu o placar após um passe na medida de Arthur Rezende para Robinho, que chutou forte, no cantinho e não deu pro goleiro adversário. GOL DO SANTA!

 

Em jogo emocionante, Santa Cruz vence a Juazeirense. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem - Bobby Fabisak/JC Imagem

(Foto: Bobby Fabisack / JC Imagem)

 

O Cancão ainda tentou tirar a diferença no placar, pressionando, chegando na área Coral, mas sem finalizar bem, não chegou a assustar.

 

Segundo Tempo

Logo no comecinho da etapa complementar, o árbitro, Luiz César de Oliveira Magalhães, mostrou que veio disposto a tumultuar a noite. Distribuindo cartões, o homem do apito agia com extrema irresponsabilidade.

Ainda mais irresponsável foi o lateral do Mais Querido! Allan Vieira, mesmo diante da desastrosa atuação da arbitragem, resolveu mostrar raça de forma imprudente e conseguiu a façanha de receber dois amarelos, e consequentemente o vermelho, num intervalo de 8 min, prejudicando todo o time, que se desdobrou para a vitória não escapar.

E começou ali o drama do Tricolor. Tiago Machowski passou a ser mais exigido, apareceu mais, teve boa atuação e fez uma cera saudável.

E mesmo diante de tantas contrariedades, a melhor chance da partida foi Coral. Aos 33 min, Fabinho Alves fez uma ótima jogada e chutou forte, Tigre defendeu, já caído, e rebotou, a bola magicamente rolou para Robinho, que chutou fraco, em cima do goleiro. Inacreditável!

O Terror do Nordeste estava “sofrendo bem”. Mantendo a bola no meio-campo, valorizando o passe e contando com as péssimas finalizações do adversário, a vitória seguia firme.

Mas a arbitragem, não satisfeita com as lambanças já feitas, resolveu dar de presente ao adversário 6 min de acréscimo. Foi o estopim para Roberto Fernandes reclamar efusivamente e ser expulso. Saiu de campo aplaudido pela torcida. Reclamações totalmente justas! 6 minutos a mais ou até o Juazeirense empatar?

A pressão aumentou. O Tricolor precisou de muita raça para tentar suprir a falta de um jogador e dar o gás nos minutos finais.

Achando pouco, o irresponsável do apito ainda deu mais 1 minuto! Parecia brincadeira! E o gandula não devolveu a bola para a cobrança de escanteio deles. Cenas que somente o futebol é capaz de nos proporcionar, amigos. Segundos depois, a bola apareceu – outro gandula repôs – e o escanteio foi cobrado. E aos 52 minutos, o apito finalmente soou. VITÓRIA DO SANTA CRUZ!

A torcida comemorou bastante e o grito de “TIME DE GUERREIROS” veio, merecidamente. Sabemos que temos um elenco limitado, que estamos jogando a terceira divisão nacional, mas temos uma história que nos faz gigantes. Raça e honra máxima ao manto Coral é inegociável!

Com a vitória o Santa Cruz está na 4ª colocação, de volta ao G-4, com 13 pontos. Mas ainda pode perder uma posição em caso de triunfo do Botafogo-PB, que recebe o Globo FC na segunda-feira. #Sequemos

Voltamos a campo na segunda (11), diante do Salgueiro, encerrando o primeiro turno.

 

EU ACREDITO NO SANTA CRUZ!

Três cores, dois nomes, uma paixão: Santa Cruz.

Por Mara Lima