ASSIM COMO A SÉRIE A, JUVENTUDE TAMBÉM PAROU

 

 

Na noite de hoje (26), o Juventude entrou em campo pela Série B, contra o Vila Nova. E o objetivo era simples: manter a invencibilidade de nove jogos e vencer no Alfredo Jaconi.

 

Depois da melhora razoável nas últimas partidas, a derrota não era esperada, mas: NÃO DÁ PRA ELOGIAR. A equipe do Juventude não se encontrou em campo, assim como a Série A, o Ju também parou. Não apresentou um futebol aceitável e colheu os frutos disso.

 

Foto: Arthur Dallegrave


 

Em tempos de Copa do Mundo, Juventude e Vila Nova fizeram uma partida bem abaixo do que estamos acostumados. A vitória do Vila foi encaminhada ainda no primeiro tempo. Aos 40 minutos, depois de cobrança de falta, Reis surgiu e mandou pra rede: Juventude 0x1 Vila Nova.

 

A equipe não tinha qualidade nem para empatar. O técnico Julinho Camargo até arriscou, lançou Queiroz, Denner e Douglas Kemmer, mas nem o trio foi capaz de resolver a situação do Ju.

 

Na próxima rodada, o Juventude enfrenta o Sampaio Corrêa, fora de casa. Mas até lá, tem muito tempo para se preparar e corrigir todos erros. Aliás, já teve um período considerável para consertar todos os problemas, sem sucesso. Então as perguntas voltam a surgir: Será que o elenco é fraco? Será que Julinho Camargo não é técnico para o Juventude?

 

Acredito que o problema esteja em ambos. O elenco está longe de ser excelente, mas o time do ano passado também não era nenhuma Bélgica e conseguiu iludir por um bom tempo. Em relação a Julinho Camargo, acredito que a torcida já esteja farta de testes, o ex-técnico do Veranópolis nunca fez campanhas extraordinárias por grandes times. Então, por que insistir?  

 

Pensei que depois da melhora significativa contra o Coritiba, a situação fosse mudar. Infelizmente, me enganei. Segundo os entendidos, para as chances de rebaixamentos serem nulas, o time precisa de 47 pontos. Então, foco nos 31 faltantes.

 

Por: Carol Freitas