ATUAIS CAMPEÃS DO EQUADOR, CUENCA QUER SE SENTIR EM CASA TAMBÉM NA LIBERTADORES

 

Foto: Divulgação/Deportivo Cuenca

Campeãs da primeira edição da SuperLiga Feminina de Futebol, o Deportivo Cuenca é um dos dois times equatorianos da competição – o outro é o Club Ñañas, de Quito, anfitrião do torneio – e espera chegar longe na competição Sul-Americana. Além de ter a moral de chegar como campeã nacional, o time espera contar com a torcida – que encheu o estádio da cidade para a final da SuperLiga, com 15 mil pessoas - para passar no Grupo B formado por Estudiantes (Venezuela), Ferroviária (Brasil) e Mundo Futuro (Bolívia).

Dentro de campo, as ‘cuencanas’ têm como trunfo a artilheira Madelin Riera. A atacante marcou nada menos que 44 gols em 25 partidas no campeonato feminino e tornou-se a maior artilheira de um torneio profissional de futebol no Equador. Experiente em Libertadores, ela jogou o torneio pela Unión Española, que ficou na primeira fase, vencendo apenas um jogo – vitória por 1 a 0 contra o Audax, na estreia -  assim como a técnica Wendy Villon, que comandou o representante equatoriano na edição de 2018 e chega à sua sexta participação na competição entre atuações como jogadora e treinadora. A treinadora de 40 anos é experiente e tem estudado os rivais do grupo.

Foto: Divulgação/Deportivo Cuenca

Fazendo um contraponto às jogadoras experientes está a volante Tatiana Bermeo, que fará sua estreia em Libertadores aos 16 anos, com aval da treinadora. “É um torneio muito importante para todo o grupo. Temos claro que buscamos e esperamos que os resultados venham”, disse a jogadora, que tem 18 jogos na Superliga.

Mas nem tudo são flores para as ‘Leonas’. Em Quito, as jogadoras vêm tendo dificuldades com transporte para os treinos. Apesar disso, o time não desanima. “As jogadoras estão comprometidas. Nós chegamos às atividades em carros de algumas companheiras que nos dão carona. Não falta ninguém nos treinos”, comentou ao jornal da cidade de Cuenca, El Telegrafo.

O Deportivo Cuenca garantiu a vaga para a competição no dia 28 de setembro ao derrotar o Ñañas por 2 a 0, com placar agregado de 4 a 1 na final da competição equatoriana.

Foto: Divulgação/Deportivo Cuenca

 

Por: Camila Leonel