BALDE DE ÁGUA FRIA!

O Palmeiras não consegue se achar em campo e perde para o Cruzeiro no Mineirão.

Uma derrota que veio na hora certa! Sim! É preciso "baixar a bola" e continuar trabalhando. Ainda tem muito chão pela frente!
 
Ninguém fica feliz quando a derrota resolve aparecer sem ser convidada. Principalmente quando a festa está animada e tudo que se quer, é curtir e comemorar.
 
Foi exatamente essa a sensação que o torcedor palmeirense teve quando o juiz apitou o final da partida entre Palmeiras e Cruzeiro no Mineirão, na noite de sábado.
 
O embalado time do técnico Cuca vinha de vitórias consecutivas, invencibilidade em casa e estava sentado soberano na cadeira número um
da tabela.
 
Tudo que a torcida não queria e nem esperava ver, era a derrota tão indigesta, quanto incômoda.
 
É... Foi de fato, um balde de água fria!
 
Foto: Torcedores.com
Mas mesmo que eu e toda a torcida alviverde concordemos que o placar de 2x1 para o time mineiro, foi como "persona non grata", a essas alturas do campeonato, é preciso lembrar algumas velhas lições do futebol.
 
A derrota nunca é agradável, mas sempre pode trazer lições importantes.
 
Acertar o ritmo de jogo, ganhar e ocupar a posição de líder, não é o suficiente para ser campeão.
 
O Palmeiras vive uma excelente fase e ao que tudo indica, enfim encontrou o caminho da excelência técnica e tática, da estabilidade e dos gols, mas há muito caminho pela frente e é preciso continuar aprendendo e aperfeiçoando aquilo que já está bom.
 
O que se viu em campo, foi um time perdido e que se deixou envolver pelo adversário.
 
Irreconhecível. Essa é a melhor forma de definir como o elenco se posicionou durante a partida. Erros que há muito não se via foram ressuscitados. O time estava desconcentrado e sem o entrosamento, que tem sido a sua marca registrada.
 
O Cruzeiro, por sua vez, também não parecia o mesmo time que há algumas semanas atrás, mergulhava numa crise e ocupava a parte de baixo da tabela. Entrou com uma energia invejável e literalmente, sufocou o Palmeiras.
 
Foi superior quase o jogo todo. O único momento em que se pode falar de uma superioridade alviverde, foi no começo, quando aos onze minutos, Dudu roubou uma bola na lateral e conseguiu cruzar para Gabriel Jesus, que estourou a rede com um belíssimo gol, abrindo o placar. Fora isso, houve alguns momentos de certo equilíbrio, mas que não resultaram em ações efetivas.
 
No restante do tempo, os mineiros de azul, dominaram. Tanto que a resposta ao gol palmeirense veio em seguida, aos quatorze minutos, Arrascaeta cruzou uma bola na área e na sobra, William chutou certeiro para dentro do gol de Prass.
 
Tudo igual. Mas só no placar. Em campo, o Palmeiras sentiu o empate e não conseguiu se reorganizar, cedendo à grande pressão exercida pelo time da casa.
 
Nada parecia funcionar. Roger Guedes, Moisés e Tchê Tchê, que tem sido os grandes destaques do time, jogaram tão mal, que pareciam clones mal
feitos dos titulares.
 
O gol que matou o jogo e consolidou a vitória adversária, aconteceu apenas dois minutos depois e também foi assinado por William. Ele aproveitou muito bem o cruzamento de Alison e cabeceou. A bola ainda bateu na trave, mas para desespero do goleiro do Verdão e de toda a torcida, entrou para fazer Cruzeiro 2x1.
 
Ainda houve algumas chances para os dois lados, mas as que tiveram perigo de gol foram protagonizadas pelos mineiros, que quase ampliaram o placar algumas vezes.
 
O técnico Cuca avaliou a derrota como um bom momento de reflexão e se incomodou muito com o fato do time não ter lutado. “Foi um dia que temos de tirar lições de tudo o que não fizemos. Temos de corrigir coisas que não tínhamos errado tanto como hoje, até no aspecto motivacional. Não lutamos na partida, somente no final depois da confusão, viramos um time que queria lutar. Não fizemos, agora temos de melhorar para quinta­feira. Temos de tirar lição do que foi feito de ruim”. Disse o treinador em entrevista para o site do clube.
 
É isso. A forma como se assimila uma derrota, pode ser vital para o futuro do time na competição. Não dá pra afirmar que o elenco estivesse de “salto alto”, ou com a “bola muito cheia”, mas o fato é que uma derrota como essa, mostra que estar no topo, é uma posição muito frágil e não pode ser motivo para relaxar.
 
Tem muito chão pela frente e o Brasileirão gosta de armadilhas pelo caminho. Se o Verdão não quiser comer poeira, é bom colocar a cabeça no
trabalho e os pés no chão.
 
Alê Moitas
Uma derrota que veio na hora certa! Sim! É preciso "baixar a bola" e continuar trabalhando. Ainda tem muito chão pela frente!O Palmeiras não consegue se achar em campo e perde para o
 
Cruzeiro no Mineirão.
 
Uma derrota que veio na hora certa! Sim! É preciso "baixar a
 
bola" e continuar trabalhando. Ainda tem muito chão pela
 
frente!