CAÇA À (O) VITÓRIA!

 

 

Na tarde deste domingo (03), o Santos recebe o Vitória, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro.
O Peixe amarga a 18º posição na tabela e precisa (mais do que nunca) de uma vitória. Em cheque, a permanência de Jair Ventura no comando da equipe e a 'paz' perante a torcida.
Em conversa com amigos, disse que não estou preparada psicologicamente para "brigar para não cair" e um deles me disse que "torcedores racionais já estão". Não sou racional então? Claro que não, sou apaixonada, muito romântica e ainda acredito que meu time vai se encaixar (rindo, de desespero!).
Mas, voltando ao futebol: o jogo deste domingo pode ser visto como uma tábua de salvação, como aquele que pode mudar os rumos da nossa vida no campeonato, o respiro, aquele impulso de quem tira a cabeça para fora d'água quando já não tem mais ar, o alívio. Mas… e se não for assim?
O que me preocupa é a continuidade, a inconsistência. Eu sei que não temos um time ruim, são bons nomes individuais mas que no geral não se encaixam. Antes oscilava entre um jogo foda e outro foda-se, agora todos são ruins. Tenho medo de sentar para assistir uma atuação do Santos, porque nunca sei como meu humor vai estar quando o árbitro apitar o final da partida. Um jogo teoricamente "fácil", mas eles conseguem pôr o torcedor em alerta, a gente nunca sabe o que esperar.


 

Histórico de confrontos (e esperança para a torcida):

 

 

O Peixe nunca perdeu para o Leão na Vila. Em 13 jogos, foram dez vitórias e três empates, com 28 gols marcados e apenas seis sofridos. O colombiano Copete - opção no banco - é quem mais marcou contra os baianos.
Outra esperança para a torcida alvinegra é a volta do atacante Bruno Henrique, que, embora esteja ainda sem ritmo de jogo, pode ser titular no domingo. Se optar por essa formação, Jair tende a tirar um meia e apostar em quatro atacantes.

 



bh.jpg
Foto: Ivan Storti/Divulgação SantosFC

 

 


Provável escalação do Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Diego Pituca (Renato), Jean Mota (Léo Cittadini) e Rodrygo; Gabigol, Eduardo Sasha e Bruno Henrique.
Desfalques: Alison, Vitor Bueno e Arthur Gomes.
Pendurados: David Braz e Dodô.
Apita a partida: Rodrigo D'Alonso Ferreira apita, auxiliado por Helton Nunes e Alex dos Santos, todos de Santa Catarina.



Diz nosso hino que ser santista é “um orgulho que nem todos podem ter”. Talvez essa seja uma das frases mais felizes para representar o que é torcer pelo Santos. E hoje, vendo as coisas como estão é até "normal" que critiquemos, mas não dá pra ser todo só reclamação. Há de se ter apoio também. Torcer é querer que algo dê certo, portanto, que estejamos dispostos a fazer a nossa parte. Vamoooo Peixe!



Por Andra Jarcem, com o Santos onde e como ele estiver.