Campeão Gaúcho em 2000: O título que projetou Tite no cenário nacional

 

 

 

Depois de abandonar as chuteiras e aos 28 anos encerrar prematuramente sua carreira de jogador, Tite passou a se dedicar aos estudos e se formou em Educação Física.

 

Em 1989, foi convidado por Gilberto Piva, presidente do Guarany de Garibaldi para retornar aos gramados. Adenor voltou a jogar, na época pela segunda divisão do Campeonato Gaúcho, na qual disputou apenas quatro partidas. Nesse período, o até então treinador Celso Freitas, saiu do comando do Guarany para assumir outro clube. Tite, que entendia de posicionamentos e estratégias, foi convidado para seguir com o trabalho. Era a primeira oportunidade de comandar uma equipe. Sua passagem como treinador do Guarany, lhe rendeu o título da Região Serrana, em 1990.

 

Foto: Grupo RedeSul  

 

 

 

No ano seguinte (1991), Tite teve a sua primeira passagem como técnico do Caxias.

Dois anos depois (1993), no Veranópolis, comandou a equipe que garantiu o título da Segunda Divisão e o acesso à Elite do Campeonato Gaúcho.

 

Foto: Felipe Nyland – Agência RBS

 

 

 

Tite ainda teve passagens por Ypiranga de Erechim e Juventude.

Durante anos transitou por clubes gaúchos e sem sucesso, decidiu abandonar a carreira de treinador para assumir um novo cargo: Adenor virou comentarista na Rádio Caxias (rádio local da cidade de Caxias do Sul). Sua nova profissão lhe permitia fazer uma análise contextual de atletas e partidas disputadas pela dupla CaJu.

 

Mas foi em 2000 que Tite passou a figurar entre importantes técnicos do cenário nacional. Convidado para assumir novamente o comando do Caxias, acabou avançando em seu estágio profissional.

 

 

“Eu falo que foi o título mais importante pela dificuldade em que teve no início. Foi o título mais importante em que a gente teve.” - Rose, esposa de Tite, em entrevista ao Esporte Espetacular.

 

 

Um clube que passava por dificuldades financeiras, comandado por um jovem técnico que retomava a carreira em busca do sucesso.

Tite liderou a campanha vitoriosa que levou o clube grená a final do Campeonato Gaúcho daquele ano.

A equipe de Caxias do Sul disputava a taça diante do Grêmio, que por sua vez, contava com grandes nomes e uma jovem promessa que vivia seu melhor momento: Ronaldinho Gaúcho.

 

 

“O Tite treinou muito exaustão, em uma jogada para marcar o Ronaldinho Gaúcho.” - Paulo Turra, Campeão Gaúcho de 2000 em entrevista ao Esporte Espetacular.

 

 

Ronaldinho Gaúcho foi parado pela defesa grená

Foto: José Doval – Agência RBS

 

 

 

Na primeira partida da final, disputada no Estádio Centenário, o Caxias passou a dominar o Grêmio que não conseguiu jogar. Com gols de Gil Baiano, Ivair e Márcio Hahn, o grená aplicou um incontestável 3 a 0 diante da equipe de Porto Alegre.

 

Márcio Hahn comemorando o terceiro gol da equipe grená

Foto: Porthus Junior

 

 

“Quando a bola entra na rede eu saio pra dentro do campo direto e o meu sentimento era o seguinte: nunca mais o Grêmio vai nos ganhar.” - Tite, em entrevista ao Esporte Espetacular.

 

 

Tite entra em campo para comemorar o gol

Foto: Divulgação S.E.R Caxias Oficial

 

 

Mas era preciso segurar o resultado no jogo de volta, diante de um Olímpico lotado com mais de 30 mil gremistas que seguiam acreditando.

Foi no dia 21 de junho. O Grêmio até tentou, mas o forte sistema defensivo do Caxias parou mais uma vez o ataque da equipe da capital.

No final da partida, o Tricolor ainda teve um pênalti marcado a seu favor desperdiçado por Ronaldinho Gaúcho, que viu seu chute parar nas mãos do goleiro Gilmar. O placar se manteve inalterado e na sequência, o árbitro apitou o final do jogo que consolidou o Caxias de Tite como Campeão Gaúcho.

 

Se Tite construiu sua história ganhando títulos ao longo do tempo por diversos clubes brasileiros, muito antes deixou seu nome gravado aqui, pelos gramados do interior gaúcho.

 

 

Foto: Divulgação S.E.R Caxias Oficial

 

 

A campanha feita na Serra Gaúcha proporcionou a Tite novas oportunidades. Em 2001, foi contratado pelo Grêmio e sua sequência vitoriosa permaneceu.

 

 

Fontes: Jornal Pioneiro, Zero Hora, Esporte Espetacular, Agência RBS.

 

Francielle Fabro