CHOQUE-REIvanche

Com torcida única e sem vencer há 10 clássicos, o São Paulo nesse domingo (29) receberá o Palmeiras no Morumbi, às 16h (BSB), pela 4ª rodada do Campeonato Brasileiro, e tentará manter sua hegemonia contra os palmeirenses no Cícero Pompeu de Toledo.

(Imagem: spfconline.com.br)

Com peças diferentes no elenco desde o último confronto entre as duas equipes, o Choque-Rei desse fim de semana servirá como “revanche” para o Tricolor, que ficou com aquele empate amargo engasgado na garganta, após ter sido o melhor em campo e passar o jogo inteiro com a vantagem no placar.

Nas 3 primeiras rodadas do Brasileirão, uma vitória, uma derrota e um empate, sendo os dois últimos jogos acompanhados da lamentação do grupo, que sabe que poderia ter saído com pontos preciosos. Mas 4 pontos fora de casa não é de tanto ruim.

Os preparativos para o clássico começaram na quinta-feira, mesmo sendo feriado de Corpus Christi, após a delegação chegar de viagem e seguir para o CT da Barra Funda.

Os jogadores que foram titulares no Couto Pereira fizeram exercícios regenerativos, enquanto os outros treinaram acompanhados de Edgardo Bauza.

Patón dividiu o grupo em três equipes, onde duas delas se enfrentavam e a terceira realizava exercícios físicos com o preparador Zé Mário Campeiz. O grupo que vencesse disputava com o time fora.

(Imagem: Érico Leonan / saopaulofc.net)

Na sexta, Bauza realizou um dinâmico trabalho técnico com os atletas, num treino que integrou todos que estão à disposição. Além disso, aproveitou as atividades para acertar a pontaria dos jogadores e fortalecer o jogo aéreo.

Separados por setores, os comandados de Patón realizaram exercícios técnicos, e logo após, o treinador fez novo trabalho com bola.

Já nesse sábado (28), Edgardo Bauza finalizou a preparação para o confronto acompanhando os jogadores no Reffis, onde fizeram um trabalho físico, e depois apresentou um vídeo em que ressaltava as principais características do arquirrival, e também os pontos de sua equipe que precisam ser melhorados.

Ao término da reunião no auditório, Patón comandou um treino tático no gramado, ajustando o posicionamento dos atletas e a recomposição após perda da posse, dando atenção à saída de bola, e cobrando troca rápida de passes e volume de jogo.

Além disso, testou variações na equipe, e antes do término do treino, os atacantes fizeram um trabalho de finalização e os defensores trabalharam bolas aéreas.

(Imagem: Felipe Espindola / saopaulofc.net)

Querido pela torcida tricolor após mostrar-se um verdadeiro capitão, Maicon falou a respeito do confronto.

“Tivemos alguns clássicos em que a equipe não se apresentou bem, mas domingo é uma nova chance. Temos de aproveitar as chances que criarmos. Contra Internacional e Coritiba fomos melhores, mas eles não conseguimos vencer”.

Edgardo Bauza também opinou sobre o clássico, analisando a situação das duas equipes.

“É muito cedo para dizer que será uma partida decisiva para a temporada. O que posso dizer é que estamos trabalhando para fazer o melhor possível. O Palmeiras teve 15 dias para fazer pré-temporada, nós não tivemos nem horas para isso. Além disso, temos vários jogadores com problemas musculares”.

Sem poder contar com Breno (cirurgia no joelho direito); Carlinhos (lesão no posterior da coxa esquerda); Wilder (estiramento no adutor da coxa esquerda); Caramelo (trauma na coxa direita); Michel Bastos (estiramento no posterior da coxa direita) e Hudson (estiramento no adutor da coxa esquerda), mais Rodrigo Caio e Mena, que acompanham as Seleções Brasileira e Chilena na Copa América Centenário, Bauza relacionou 23 jogadores para a partida e o São Paulo deverá ir a campo com Denis; Bruno, Lugano, Maicon e Matheus Reis; Thiago Mendes, Wesley e Paulo Henrique Ganso; Kelvin, Alan Kardec e Centurión.

O atacante Jonathan Calleri fez trabalhos de fortalecimento muscular durante os treinos, e poderá entrar no decorrer do jogo.

A arbitragem ficará por conta de Ricardo Marques Ribeiro, auxiliado pelos assistentes 1 e 2, Danilo Ricardo Simon Manis e Anderson José de Moraes Coelho, respectivamente.

Se será uma revanche, ninguém sabe. O que se sabe é que será uma partida difícil, e o São Paulo entrará em campo não somente em busca da vitória e dos 3 pontos, mas da sua própria honra, que foi manchada por seus arquirrivais num passado não muito distante.

Com o espírito de raça e com muita força de vontade, está chegando a hora dos jogadores mostrarem o quão pesada é a camisa que vestem e representam em campo, e que o desejo de vencer dos mais de 18 milhões de são-paulinos torne-se realidade após a bola rolar “pro fundo do gol”!

 

Renata Chagas