CLASSIFICAÇÃO NA RAÇA!


 

(Foto: Twitter/Flamengo Oficial)


 

Em uma noite de pura adrenalina, muita emoção e Maraca lotado, depois de 10 anos sem conseguir  avançar para as quartas de final da Libertadores, o Flamengo, diante 68 mil torcedores, consegue o feito e avança para as quartas e pega o Internacional de Paolo Guerrero. 

 

Com sinalizadores e bandeiras, a Nação Rubro-Negra fez as famosas "ruas de fogo" para recepcionar o elenco no Maracanã, com os torcedores cantando: Vamos virar Mengô! 



 

(Foto: Reprodução/Internet)



 

No jogo de ida, no Equador, fomos derrotados por 2x0 para o Emelec. O Flamengo entrou em campo com a missão de reverter a desvantagem. O Mengão contava com o Maracanã pulsando, os torcedores empurrando o time com a festa na arquibancada, e a seguinte frase escrita no mosaico: Jogaremos juntos. 




 

(Foto: Twitter/Flamengo Oficial)



 

No tempo regulamentar fizemos dois gols antes dos vinte minutos do primeiro tempo, um de pênalti e um com passe de Bruno Henrique, os dois gols vindo dos pés do nosso artilheiro na temporada, Gabigol, o protagonista da vitória.  Mas quem esperava uma classificação nos 90 minutos, se enganou. Chance de ampliar o placar? Tivemos, mas todas desperdiçadas. Vimos no segundo tempo um Emelec valente em busca de um gol. 

E com o passar dos minutos, o drama só aumentava: Gabigol sentiu a posterior da perna esquerda e teve que sair;  Reinier, da base, com 17 anos entrou no lugar do camisa 9 e jogou parecendo veterano.

O relógio girava, o tempo voava e nada de gol. Por fim, revivemos na noite desta quarta o pesadelo de 15 dias atrás na Copa do Brasil: PÊNALTIS. E olha, foi teste para cardíaco dos pesados. 

 

O clima de tensão era nítido. Mas havia confiança. Diferente do que aconteceu contra o Athlético Paranaense na Copa do Brasil, os batedores do Flamengo (Arrascaeta, Bruno Henrique, Renê e Rafinha) fizeram. O goleiro Diego Alves defendeu um pênalti de Arroyo e ainda viu Queiroz acertar o travessão. O mesmo Diego Alves que domingo foi vaiado, e na quarta terminou a partida ovacionado pela Nação Rubro-Negra. Enfim, classificados para as quartas. Ufa

 

E como já diz o hino: "Na regata, ele me mata, me maltrata, me arrebata que emoção no coração..." - Foi sofrido, foi suado, foi nos pênaltis mas após nove anos estamos de volta às quartas de finais da Copa Libertadores. 

 

Em um jogo que fomos sem Vitinho, Diego, Rodrigo Caio e com Arrascaeta e Everton Ribeiro no sacrifício, aos trancos e barrancos, conseguimos a classificação com o coração na ponta da chuteira, com a camisa pesando, e com a torcida jogando junto.

 

Ao final do jogo, Jorge Jesus, que refugiou-se no banco enquanto os jogadores comemoravam deixou o recado:

"Quero agradecer a torcida do Flamengo pela forma apaixonante e vibrante que encarou está eliminatória, que era muito importante para continuamos. Dou meu muito obrigado para  torcida pela confiança e aos jogadores, que fizeram um jogo muito inteligente".

 

Foi na raça, na emoção! 

Tenso e aliviante! 

Vibrante e emocionante!  

Foi no sofrimento e empolgação! 

Foi Flamengo! 

Flamengo é isso, é meu, é teu, é nosso! 

Isso aqui é Flamengo! 

 

TUA GLÓRIA É LUTAR! 


 

Por Rhayanne Athyrssa