Classificação não é sinônimo de bom futebol

 

 

Abel disse que partida tirou seu sono e promete conversa séria com o grupo.

 
 


Henrique Dourado converteu o pênalti a favor do Fluminense – Foto: Nelson Perez

 

 

 

O Fluminense entrou em campo, na noite da última quarta (15), com a vantagem de um empate em cima do Criciúma para garantir sua permanência na próxima fase da Copa do Brasil. No entanto, o time deixou a desejar e passou um aperto para vencer a equipe catarinense, o que não estava nos planos de Abel Braga.

 

Em coletiva concedida depois do jogo, o técnico deixou claro seu descontentamento com a atuação do elenco e disse não esperar por tantos erros.

 

 

“O time esteve muito abaixo. E tudo desandou quando tomamos um gol feito com uma jogada que nós mesmos usamos. Não encaixamos no primeiro tempo e isso só aconteceu no segundo. Tivemos chances de fazer mais gols e acabamos o jogo assim, com o coração na mão”, analisou.

 

 

Abel Braga em coletiva - Foto: Mailson Santana

 

 

O técnico garantiu que o grupo sabe que ele não aprovou o futebol mostrado em campo e disse que terá uma conversa séria com os jogadores quando eles estiverem a sós, sem a presença de todo o staff.

 

A vitória, por 3 x 2, garantiu a tão sonhada classificação. No entanto, Abel foi cirúrgico sobre o assunto.

 

 

“Passamos. Poderíamos ter liquidado de forma mais tranquila, mas não sei se a vitória foi merecida”, enfatizou.

 

 

Indiscutível a qualidade do trabalho realizado por ele durante a temporada. O comandante conseguiu “tirar leite de pedra”, em caso de alguns dos atletas, sempre com um discurso otimista para reafirmar a confiança do grupo. Mesmo assim, as atuações dos últimos jogos não são satisfatórias.

 

De acordo com informações da Footstats, o Fluminense teve apenas 39% de posse de bola contra 61% do Criciúma; acertou 218 passes e o rival 362 e errou 38 enquanto o time catarinense 29. São fundamentos importantes e que refletem a deficiência da equipe Tricolor durante a partida.

 

Com o pensamento no futuro, a pergunta que se faz necessária é: o Fluminense tem elenco para fazer uma boa campanha no Campeonato Brasileiro de 2017?

 

Cabe lembrar a todos que a janela para transferência para os clubes europeus, que se abrirá no meio do ano, pode significar a venda de alguns nomes do elenco e, com isso, um desmanche do grupo. A diretoria já afirmou inúmeras vezes que não é possível contratar novos nomes e precisa arcar com dívidas. Para bom entendedor, um pingo é letra.

 

As deficiências são notórias. A zaga é um dos pontos mais sensíveis do grupo e que Abel tenta resolver desde que assumiu. Ele também tem que administrar a pouca criatividade dos laterais (esquerdos e direitos), além de não contar com um banco a altura do Fluminense. Sem falar na ausência de Gustavo Scarpa por dois meses. A contratação de mais um atacante seria providencial. Na coletiva, o comandante afirmou que o time “precisa aprender a jogar sem Scarpa”.

 

 

Leo tenta fugir da marcação do Criciúma – Foto: Nelson Perez

 


Vamos acompanhar as cenas dos próximos capítulos. O Tricolor aguarda sorteio que definirá os confrontos da quarta fase da Copa do Brasil. O grupo volta a campo no domingo (19) e enfrenta o Nova Iguaçu, pela segunda rodada da Taça Rio, no Estádio Giulite Coutinho.

 

 

Carla Andrade