Com sequencias de erros Flamengo perde a segunda partida seguida e sai do G4

Errar é humano, diz o ditado, mas ele também diz que permanecer no erro é burrice. Parafraseando a famosa citação, errar é humano, é normal, mas a sequência de erros do Flamengo no jogo de domingo (20), contra o Atlético Mineiro, no Independência acabou tendo consequências grandes. Pelo menos três erros graves resultaram em quatro gols tomados, uma derrota, a sexta colocação e consequentemente a permanência fora do G-4.

 

1. O pênalti perdido: Os oito minutos de jogo, quando a partida estava 0 a 0, o juiz assinalou pêalti para o Flamengo após Victor derrubar Marcelo Cirino em uma jogada de velocidade. Alan Patrick poderia ter feito aquele que poderia ser o primeiro gol da partida e conter um pouco do ímpeto dos donos da casa, mas a oportunidade foi desperdiçada e Victor acabou defendendo o penal. E relembrando outra famosa frase, um famoso provérbio do futebol que diz que “a bola pune” a bola puniu. O Independência incendiou, o time do Atlético começou a ganhar confiança, mas o primeiro gol do Galo veio em um outro erro.

 

2. Falha da zaga A zaga do Flamengo tem voltado a cometer erros que haviam praticamente desaparecido em outras rodadas. Um desses erros é o o bote quando uma boa chega na área. Esses erros só faltam matar a torcida rubro-negra do coração. Ou a zaga afasta a bola com um totó pra fora da área, que geralmente acaba nos pés do adversário. Ou, como aconteceu aos 16 minutos do primeiro tempo, Marcelo afastou a bola para o lado errado e acabou marcando contra. Paulinho respondeu aos 18 minutos após Canteros dominar com tranquilidade e passar para Paulinho, que vinha chegando de trás e mandou de primeira.

 

Obs. O Flamengo é o time que mais atentou contra o próprio patrimônio neste brasileiro. Foram quatro gols contra e, coincidência ou não, no primeiro turno, contra o mesmo Atlético, o primeiro gol do Galo também foi contra, mas naquela ocasião Samir foi o autor da proeza.

 

3.O terror das bolas aéreas cruzadas na área voltou! Mais assustador do que filmes de terror, são as bolas aéreas pingadas na área flamenguista. E o problema, que parecia ter sido consertado por Oswaldo de Oliveira voltou a aparecer neste jogo. Aos 25 minutos do primeiro tempo, Dátolo cobrou fata com categoria e cruzou na área, Jemerson subiu mais alto do que a defesa e mandou para o gol de Paulo Victor. Detalhe é que, Samir estava próximo ao jogador do Atlético, mas ele sequer tirou os pés do chão. O terceiro gol do Galo aos nove minutos do segundo tempo também saiu de bola parada. Dátolo cobrou escanteio e Jemerson SOZINHO, com quatro flamenguistas perto dele, cabeceou para o gol.

 

O gol de Dátolo, aos 25 minutos do segundo tempo, foi uma pintura. Mostrou a habilidade do jogador que dominou a bola, deu uma caneta em Pará e bateu colocado de fora da área. Não dá para apontar erros da zaga. Foi um golaço e não tem o que se discutir. No mais, o jogo em termos de posse de bola foi equilibrado, mas os erros do Flamengo acabaram influenciando o resultado final do jogo. E se não cuidar de ajeitar os erros, o time de Oswaldo, irá padecer cada vez mais e o preço por isso poderá ser mais quedas na tabela.

 

Camila Leonel