Conheça Juninho, a joia da base rubro-negra.

Edmar Ribeiro da Costa Junior, 17 anos, mais conhecido como Juninho. O jogador chegou nas categorias de base do Sport Club do Recife há 10 meses. Natural de Amarante, município que fica a 204km da capital piauiense, Juninho é mais uma joia da base rubro-negra.

Foto: SportImagem

Nesse tempo em Recife, Juninho disputou uma Copa Carpina e um Campeonato Pernambucano, ambos em 2015, no estadual ele terminou a competição como artilheiro com 19 gols.

Destaque do sub-17 leonino, o meia nem sequer passou pelo time sub-20 mas chamou a atenção da comissão técnica e foi chamado para compor um treino na pré-temporada. Após uma baixa de jogadores titulares para um jogo da Copa do Nordeste, Juninho viajou com a delegação para o Piauí, quando saiu a escalação leonina, estava lá a surpresa, ele faria seu primeiro jogo como titular, no estado em que nasceu e com sua família presente na arquibancada.

Os dois não conseguiram segurar a emoção no encontro horas antes do jogo começar. Foto: Sport Club do Recife

A ideia do treinador é manter o jovem de apenas 17 anos no elenco por mais tempo para que ele evolua neste início de carreira.

"- Ele vem trabalhando com a gente há um tempo e está adaptado. É um jogador que briga. Teve algumas dificuldades, mas tem muita qualidade. É muito novo e deve ficar com a gente mais tempo para trabalhar melhor. Ele é o futuro do Sport, assim como Fábio, Everton Felipe e Wallace." Disse o técnico Falcão.

O próximo jogo seria um clássico contra o Náutico na Ilha do Retiro, e lá estava ele entre os titulares novamente.

Juninho está conquistando sua vaga no elenco e tem um contrato de três anos com o time rubro-negro. Cheio de personalidade, ele contou um pouco da sua historia e do momento que está vivendo.

Quando você decidiu ser jogador de futebol?

Desde quando eu me entendo por gente. Eu tenho esse sonho desde criança.

Quais as dificuldades que você enfrentou?

Dificuldade a gente sempre enfrenta, em todo lugar. Mas elas foram feitas para serem superadas. E que possa servir de aprendizado para que eu cresça mais e mais.

Como você lida com a saudade da família?

A saudade dói, as vezes da vontade de largar tudo e ir embora, mas a gente suporta. Hoje eu posso ajudar eles, então fico mais tranquilo.

O que você acha do investimento do Sport na base?

É muito bom, eles se preocupam bastante com a gente, recebemos muitos conselhos.

Qual jogador você mais admira?

Toni Kross

Seu primeiro jogo como titular foi contra o River no estado em que você nasceu. O que você sentiu quando entrou em campo e viu sua família na arquibancada?

Foi uma emoção que eu realmente não consigo explicar.. Não tem palavras para descrever o que eu senti naquele momento.

Qual sua reação quando soube que seria titular novamente no clássico contra o Náutico na Ilha do Retiro?

Normal, só fiquei um pouco surpreso, mas nada que me assustasse.

Algumas pessoas criticaram que não era o momento certo de você subir para o profissional, como você vai lidar com as críticas de agora em diante?

Daqui pra frente é manter a seriedade e trabalhar sério para que as coisas boas venham. Em relação às críticas, eu até gosto quando me criticam.

Qual conselho você dá aos meninos que sonham em ser jogador de futebol?

Não deixe sonhar. Siga em frente que Deus vai ajudar.

 

Beatriz Cunha