Contra tudo e Contra todos

Libertadores o torneio mais cobiçado das Américas

 

                    Felipe Melo: o alvo dos uruguaios após o apito final.  

Foto: uol

 

Palmeiras x Peñarol se enfrentaram nesta quarta (26) às 21h45 pela 4ª rodada da fase de grupos na qual o palmeiras lidera com a melhor campanha com 10 pontos, o primeiro jogo contra o Peñarol foi marcado com tensão e muita cera e sabíamos que no próximo confronto não seria diferente.

 

Uma vitória do palmeiras praticamente nos classificaria, em uma semana marcada por polêmicas sobre grupo rachado, a discussão de Felipe melo e Roger Guedes, uma suposta briga entre Eduardo Baptista e o colombiano Borja, e a inacreditável eliminação no Campeonato Paulista por uma fatalidade em Campinas, foi assim que o Palmeiras foi em Montevidéu no Uruguai enfrentar o Peñarol, os uruguaios até então irritados com a declaração de Felipe melo sobre o "dar tapa na cara de uruguaio" e principalmente pelo primeiro jogo com o gol heroico nos minutos finais em um acréscimo justo, pois quem assistiu ao jogo viu a catimba que o Peñarol fez quando o jogo ainda estava 2x2.

 

Extraída da Internet

 

Libertadores é diferente, sempre acordamos cedo ou ficamos contando as horas para finalmente chegar às 21h45, esperando por um jogo épico, (e sem contar que quase sempre após as partidas do Verdão eu sempre demoro para pegar no sono.)

Eduardo sempre fora questionado em relação a escalação do time, dessa vez ele ousou montou o time com 3 zagueiros coisa que nunca tinha feito ou treinado antes.

 

Primeiro tempo

 

E foi um primeiro tempo confuso, Borja ficou praticamente isolado, muitos chutes para frente, o time não conseguia chegar ao ataque e por consequência disso aos 12 minutos do primeiro tempo cruzamento na área do palmeiras, Mina foi claramente empurrado o juiz não deu falta, e Afonso só empurrou para as redes, 1x0 peñarol... Muitos assim como eu estávamos nos perguntando o que estava acontecendo, o esquema de três zagueiros não deu certo, mais Eduardo não mudou o time na etapa inicial, o peñarol dominava o jogo, tanto que eles tiveram 68 % de posse de bola, o tempo todo, não demorou para o 2º gol, aos 38 minutos do primeiro tempo saiu, em mais um cruzamento na área do palmeiras eles conseguiram envolver nossa defesa, Edu Dracena tentou tirar a bola da área, Mina também tentou mas a bola sobrou para Júnior árias que tocou para as redes, 2x0 para o peñarol... Nesse momento questionava o tal do esquema com 3 zagueiros pois deveríamos ganhar a 2º bola, coisa que não estava acontecendo, algo precisava ser feito e assim terminou o primeiro tempo com um palmeiras irreconhecível... Cheguei a lembrar do péssimo jogo de campinas, no intervalo de jogo, as redes sociais bombeavam o alvo: Eduardo Baptista.

 

Fonte: Lance

Segundo tempo

Depois de um primeiro tempo ruim, ansiávamos por mudanças, quem Eduardo colocaria no segundo tempo?! na volta para o jogo Eduardo trocou William bigode e Tchê Tchê nos lugares de Victor Hugo e Egídio ou seja 3 zagueiros era totalmente desnecessário, felizmente a mudança deu certo e voltamos a ver nosso palmeirasem campo e com apenas 4 minutos de jogo o verdão diminuiu o placar após cruzamento de Jean para borja que disputou com Quintana, a bola sobrou para William que dominou e acertou um belo chute no ângulo. 2x1.

 

Fonte: Lance

As coisas estavam fluindo eu pensava: “com esse gol nos minutos iniciais podemos empatar e até virar o jogo”

Dominamos o jogo, com exceção de alguns sustos como um aos 8 minutos do 2º tempo, em uma bola chutada por Nandez que Prass só acompanhou, juro que nessa hora o coração foi na boca e voltou, mas aos 11’ Jean cruzou para Roger Guedes que de frente perdeu um gol feito. “Espero que esse gol não faça falta” - pensei por um instante. E não demorou para o empate vim, aos 17’ do tempo complementar, Jean mais uma vez cruzou para Mina que aproveitou a falha da zaga e sozinho cabeceou para empatar o jogo, 2x2.

 

Como eu havia pensado era sim possível virar o jogo mesmo que o empate fosse um bom resultado ainda mais se tratando de Libertadores, e aos 27’ Michael Bastos (que estava de lateral que por sinal foi muito bem), fez uma bela jogada pela esquerda, tabelou com Tchê Tchê, que tocou para Guerra, que bateu de fora, Guruceaga espalmou e a bola sobrou para William. 2x3.

Sim viramos o jogo! Nesse momento o celular não parava de receber notificações, com a virada a torcida foi a loucura, e Eduardo Baptista foi de vilão a herói. A cada instante que se passavam eu já pensava no fim do jogo, o árbitro deu 3 minutos de acréscimo, esses 3 minutos que dependendo do jogo demoram uma eternidade para se passar, o Peñarol chegou a assustar nos minutos finais com 2 escanteios seguidos, mais nossa defesa tirava cada bola que era alçada na área e ganhava cada dividida.

Fim de jogo

 

Ganhamos o segundo jogo do mesmo time, com o mesmo placar, alcançamos os 10 pontos, líder do grupo e invicto, mais não acabou por ai, os uruguaios estavam mordidos com a declaração de Felipe Melo, (que por legítima defesa não só deu tapa na cara de “uruguaio” mais sim um soco.) que foi o alvo de um acontecimento absurdo ao fim da partida, todos partiram para cima dos jogadores, Prass foi covardemente cercado por 4 jogadores do Peñarol, a torcida adversária brigava contra a nossa, e até a própria imprensa de Montevidéu partiu para cima de nossos jogadores. Os portões foram fechados impedindo a saída dos jogadores. O que seria só mais um jogo, quase terminou em tragédia. E não é de hoje que isso acontece, o Peñarol já protagonizou outras situações como essa, infelizmente esses Uruguaios não aceitam perder....

Isso não é Libertadores.

Fonte: Extraída da Internet

 

E mais uma vez ganhamos na raça, na bola e na mão. Nessa Libertadores vamos até o apito final, até o gol sair, até a vitória.

Contra tudo e contra todos”.

 

Ah palmeiras se é para morrer do coração, por você morrerei feliz.

 

Escrita por: Marian santos a.k.a Ashley.