COPA WIANEY CARLET: SERIA A COROAÇÃO DE UM 2018 QUE JÁ TROUXE TANTA COISA BOA?

 

(Foto: Sabrina Heming)

 

Novato na competição, primeira vez em atividade o ano todo, mas jamais como franco atirador. Esse era o Esporte Clube Avenida chegando na Copa Wianey Carlet lá em meados de agosto, mas 14 rodadas depois a realidade que se mostrou foi o time com a melhor campanha geral, aproveitamento de 77,8%, segundo melhor ataque, quarta melhor defesa e único clube invicto da competição.

Nas entrelinhas, um grupo unido que mostrou poder de reação quando saiu atrás no marcador. Aquele velho Avenida com raça, que vai até o final e busca a virada no último lance. Aquele Avenida que faz com que o torcedor acredite, porque sabe que está em boas mãos e é capaz de grandes feitos.

 

(Foto: Sabrina Heming)

 

A camisa tem que pesar, tem que pesar quando goleia a equipe de transição fora de casa. Quando é capaz de virar dois jogos diante do Inter SM. Quando encontra campo pesado, duro, e mesmo assim vai lá e faz a lição de casa e de visitante. Ela pesa quando o jogador entra com o filho em campo e sabe que tem que dar seu melhor pro seu pequeno olhar da arquibancada e sentir orgulho. Ela tem que pesar quando o adversário sabe que está enfrentando a quarta melhor equipe do estadual no ano. Ela pesa quando se tem uma comissão há dois anos e meio, desde então mostrando um trabalho sério colhendo bons resultados. Ela pesa quando, mesmo já classificados há algumas rodadas se vai para um clássico regional na última rodada e elimina o rival na casa dele. Ela pesa porque é o único clube dos Vales na elite e com um ano fenomenal dentro de campo. Ela pesa porque é o Avenida.

 

(Foto: Sabrina Heming)

 

Agora são oito jogos até o título. Sim, é no título que se pensa. Acabaram os jogos classificatórios e existe um novo campeonato dentro da mesma competição. Agora são os matas. A nova caminhada inicia nesta quarta-feira (31) longe de casa, bem longe. O primeiro adversário é o São Borja em dois jogos, definimos a passagem para as quartas de final em casa, no final de semana, como vai acontecer até a final (porque vamos estar nela), em função da melhor campanha geral.

Eu, sempre fiel torcedora, também assessora do clube, não posso definir tudo isso a não ser como orgulho. Orgulho pelo projeto, pelo trabalho, pelos resultados, pelo Avenida.

 

Por: Sabrina Heming