Corinthians x Palmeiras: Um novo capítulo de uma história Centenária!

O maior clássico do mundo, completa 100 anos e para comemorar a data,  duas xarás, uma corinthiana e uma palestrina, se  uniram para exaltar o amor e a rivalidade em torno do Derby!

mmmmm.png

Fonte: Folha de São Paulo

 

Clássico tem um poder absurdo no futebol, capaz de dividir um Estado, em duas cores. A ansiedade toma conta desde o lançamento da tabela do campeonato, e na semana que antecede o confronto é impossível, controlar o nervosismo.

Cada torcedor, tem um rival “preferido”, aquele, que enfrentar, sem dúvida nenhuma, tem um gosto diferente. Para nós, nenhum outro clássico, tem a importância de um Derby!

Em pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, 35% dos entrevistados, consideram o confronto entre Corinthians e Palmeiras, como maior clássico paulista.



Alvinegros e Alviverdes, Gaviões x Mancha,  Barra Funda e Itaquera, Arena Corinthians x Allianz Parque, e a cada novo ano, a disputa vai ganhando novos protagonistas e antagonistas…


Fonte: Folha de São Paulo


 

Visão Corinthiana: Mariana Alves


Fui concebida Corinthiana e por natureza, sou sofredora! Desde o primeiro “tu és orgulho”, senti meu coração palpitar, e a identificação foi imediata.

Aprendi a amar o Derby Paulista, vendo a beleza do Pacaembu, contrastando as duas cores, de ver a festa sendo preparada, da cerveja sendo gelada pra hora do espetáculo!

Cresci sendo ensinada a odiar e ter aversão ao verde, e por vezes até me questionei: porque as plantas não são pretas? Corinthiano que é Corinthiano não usa verde!

Que Corinthiano não tem a história de um clássico contra o rival da Barra Funda pra contar?

Muitos dos meus amigos,  torcem pro Palmeiras, e durante muito tempo ouvi chacotas, sobre a falta do título da Libertadores no hall de troféus alvinegros. Quando conquistamos a América e em seguida, hasteamos nossa bandeira no Mundo, o jogo deu aquela virada, e o rival passou a ser perseguido pela falta de um tal troféu…

Bem, sempre que penso em Corinthians e Palmeiras, lembro do jogo das embaixadinhas do Edilson, no Paulista de 99. Aquele jogo, foi um dos primeiros clássicos que eu realmente acompanhei, ainda muito pequena e até hoje, ambas as torcidas, lembram da confusão generalizada.

Esse sempre será o maior clássico do mundo na minha opinião, por provocar esse sentimento gostoso de rivalidade, e de até mesmo repúdio ao que lembra o rival.


Foto: Meu Timão





Visão Palestrina: Mariana Paiva

 

Herdei o amor pelo futebol de minha mãe, que acompanha até futebol de várzea, não importa qual série seja, qual o horário do jogo, ela está sempre acompanhando na TV ou no rádio. Minha Santa mãe só tem um defeito:corinthiana e de família inteira, Corinthiana.

Eu sempre fui a "ovelha verde" da família! Só eu sei o que passei,o que tive que aguentar até o nosso Alviverde recuperar sua glória e voltar à ser Imponente!

Agora ser Palmeirense é mais uma das coisas que devo ao meu pai. Ele me contagiou com o seu amor pelo Palmeiras de forma inexplicável, hoje sou muito mais apaixonada do que ele!

Falar do Palmeiras pra mim não é fácil.

Eu tenho um orgulho e um Amor inexplicável. "O Palmeiras foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida." disse São Marcos na sua biografia ("Nunca fui Santo ") e eu posso dizer o mesmo, eu vou morrer e não vou ter pago a dívida de gratidão, por tudo que o Palmeiras me fez sentir e viver.

Pensar em Palmeiras e Corinthians, é "sofrer" desde a anunciação da partida, é ter a certeza de que esse é o maior clássico do mundo,é saber que vou receber mensagens da família é me trancar no quarto ou sair de casa, pra fugir da provocação da minha mãe!

E a melhor lembrança pra mim,vai ser sempre:

"PARTIU MARCELINHO,BATEU...E...DEFEEENDEEEEU MARCOS! "

Quem venham mais 100 anos de Derby! AVANTI PALESTRA!


Foto: CBN



O centésimo


Sabendo da importância e da magnitude do confronto, os dois clubes tem trabalhado pesado na divulgação do clássico de número 100.  Os departamentos de marketing dos clubes, tem divulgado uma série de vídeos, fatos e fotos, que marcaram a história, além de um patch, que será usado na camisa dos times.


Patch que será colocada no uniforme das equipes. Foto: Divulgação.


O patch alviverde, faz alusão ao símbolo usado, após a mudança de nome do clube, de Palestra Itália, para Sociedade Esportiva Palmeiras. Já o patch alvinegro, traz o primeiro símbolo do Corinthians, quando apenas as letras C e P, eram usadas.

Além disso, os clubes farão doações de cestas básicas e outras ações sociais, ao longo de 2017. Camisas também serão sorteadas, para os torcedores.

As equipes entram em campo nesta quarta-feira, às 21h45 na Arena Corinthians. Os jogos seguem com torcida única, por determinação do Ministério Público.

Outro ponto curioso do confronto é a presença de dois “vira casaca”. O atacante Willian e o volante Gabriel, que atuaram pelos rivais, declararam que em caso de gol, vão comemorar sim!


“Ter jogado no Corinthians não me preocupou em nenhum momento, outros jogadores já jogaram em rivais. A gente conquista o torcedor com bom futebol, honrando a camisa. Sei da cobrança, da grandeza do Palmeiras, vim aqui para fazer história. Tive essa felicidade de ter feito isso nos outros clubes em que passei”, declarou Willian.


“Olha, eu não quero estabelecer nenhuma comparação com o Felipe Melo nem com o Palmeiras, não. Estou no Corinthians, sou o Gabriel e tenho as minhas qualidades. Vou trabalhar forte para chegar bem no jogo e fazer um grande clássico diante da nossa torcida”, afirmou Gabriel.


Ficha Técnica


Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data e horário: quarta-feira, às 21h45 (de Brasília)


Escalação provável do Corinthians: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel; Romero, Fellipe Bastos, Rodriguinho e Marlone; Jô (Kazim)


Escalação provável do Palmeiras: Fernando Prass; Jean, Yerry Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Felipe Melo; Michel Bastos, Raphael Veiga, Guerra e Dudu; Willian


Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto, auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse



por Mariana Alves e Mariana Paiva, nascidas com o mesmo nome, separadas por dois pavilhões: o Corinthiano e Palmeirense!