Da humilhação ao renascimento Tricolor

As Digitais que Jamais se apagam.

Quando se trata de SANTA CRUZ FUTEBOL CLUBE é quase que impossível falar de apenas um ídolo, pois cada torcedor que cite um diferente, aqueles que passaram e deixaram suas digitas no clube, aqueles ícones folclóricos, que tinham pouca bola nos pés, mas com muito carisma e afinidade com a torcida, de pouca técnica mas que dava do suor ao sangue em cada partida. Qual Tricolor nunca ouviu falar em craques como: Levir Culpe, Givanildo, Birigui, Nunes, Ramon, Ricardo Rocha, Zé Carmo, Tará? 
 

(Foto:asmilcamisas.com.br)

Seria tão fácil chegar e fazer uma um homenagem aqueles que fizeram parte da "SeleSanta" time Aguerrido de 1975, que teve no elenco Ramon, artilheiro da Série A , ano marcante para o Clube, poderia falar de Tará, maior artilheiro do Clube com 207 gols. Poderia falar facilmente dos Folclóricos como: o mago Rosembrick que com sua leveza dançava com a bola em campo, Denis Marques que no pior momento do clube com seus gols trouxe o gosto de que podíamos votar a sonhar com dias melhores, como não lembrar dos Garotões da Base, o Atacante Gilberto, como esquecer do Carrapato do Arruda, Everton Sena que no jogo contra o São Paulo pela copa do Brasil em 2011 Anulou o Atacante Lucas, uma das principais peças da equipe paulista, e como deixar de falar do "Grande" Caça-Rato, o Mito, o CR7 do nordeste.

(Foto:JC online)


Mas é Preferível falar daqueles que viram o Santa Cruz na sua pior Fase, e com ele se Ergueram.

Da Categoria de Base ao time principal, varias vezes começando as partidas no time reserva, mas sempre entrando como peça chave, sua altura não é seu forte, Meia de Origem, mas varias vezes improvisado como lateral, Renato Gonçalves de Lima de 24 anos, nascido em Serra Talhada, Interior de Pernambuco, mais conhecido como Renatinho ou o mascote do Arruda, considerado melhor Lateral-Esquerda do campeonato Pernambucano de 2011 e 2012, quem ver chega até a pensar que sua carreira sempre foi um mar de rosas, mas pelo contrario, de inicio conturbado, o meia chegou ao arruda em 2009 para treinar nas categorias de base, quando o time havia sido eliminado da Serie C e no ano seguinte o mesmo aconteceria, foi "Promovido" para o time principal em 2011. Até 2012, ano que se consolidou no time titular, o meia morou no alojamento do estádio. Com o Arruda literalmente como casa, sentia diretamente na pele a dor de um clube que parecia estar no leito de morte. Hoje o "xodó" da torcida carrega nas costas em 5 anos: 4 estaduais , 4 acessos (Sendo um deles para a elite do futebol) e 1 nacional, entra em campo muitas vezes ovacionado pela torcida e ao canto do "Áh é Renatinho".
 

(Foto: pefutebolclubes.com)

Logo Quando chegou ao clube Renatinho sonhava em ser Ídolo da torcida, e sonhava ainda mais alto, Imaginava-se levando o SANTA CRUZ da Quarta para a Primeira divisão, tudo isso parecia muito distante de acontecer, mas o tempo mostrou que não. Com sentimento de missão cumprida, Renatinho hoje é o único da Equipe a ter participado de todos os acessos e títulos desde o começo da caminhada rumo a Serie A. Com todo esse retrospecto ele pode hoje sonhar com coisas maiores, pois seus anos no clube mostraram que nada é Impossível.
 Ídolo, porque Sim! Ídolo, porque esteve da humilhação ao renascimento. Ídolo, porque sim senhor! Ídolo ''arretado", Ídolo "Cabra da peste"

"Ficou considerado pela massa do Arrudão, respeita o meu Goleiro, o meu goleiro é Paredão".

Essa é uma das homenagens feita pela torcida , que em todos os jogos recebe o Ídolo em campo ao som dessa música.

Tiago Cardoso dos Santos, natural de Altos - PI, tem 31 anos e está na equipe coral desde 2011, um dos principais protagonista do renascimento do clube, Titulo atras de títulos, acesso após acesso, milagre atrás de milagre, Tiago virou Ídolo, Dono incontestável da braceleira de capitão, da camisa 1 e do Coração dessa massa. 

Tiago Inciou sua carreira nas categorias de base do Tiradentes-PI, em 1999, no ano seguinte, se profissionalizou no Juazeiro-CE. Em 2001 com apenas 16 anos teve a oportunidade de vestir a camisa 1 do Ceará, no segundo semestre do mesmo ano foi contratado pelo Atlético Paranaense, onde conquistou seu primeiro titulo nacional. Em 2002 foi emprestado ao Grêmio de Maringá para disputar a serie C, mas logo voltou a equipe atleticana, onde permaneceu até 2007, lá foi campeão paranaense em 2005. Em 2007 foi transferido para o Fortaleza, onde conquistou o bicampeonato cearense 2007/2008. Se consagrou ídolo em 2008, Em uma partida pela segunda fase do primeiro turno do campeonato cearense 2008 num jogo entre Fortaleza e Horizonte, defendeu 3 Pênaltis, sendo 1 no tempo regulamentar e outros 2 na disputa das penalidades máximas. Depois da prorrogação, o Fortaleza venceu por 3 a 1 nos pênaltis, sendo Tiago o melhor jogador em campo. O goleiro também teve passagem pelo ABC-RN em 2009 e pelo Monte Azul em 2010.

No início de 2011, foi contratado pelo Santa Cruz para a disputa do Campeonato Pernambucano, onde foi campeão e eleito o melhor goleiro e craque do campeonato, no mesmo ano foi consagrado pela torcida ao defender um Pênalti batido por Rogério Ceni em uma partida contra o São Paulo pela copa do Brasil.
Em 2012 Foi bi-campeão Pernambucano fazendo grandes defesas na final contra o Sport, mas embora não tenha conseguido o acesso no final do ano , Renovou com o Santa Cruz Até o Final de 2013. Em 2013 foi tri-campeão Pernambucano, repetindo seus feitos anteriores em finais.
 

(Foto: ESPNfc)

Na metade de 2013 , já como capitão e ídolo , Tiago Cardoso anuncia sua permanência no Tricolor do Arruda mesmo com especulações de times de serie A , ele escolheu jogar a Serie C 2013 pelo Tricolor . No inicio de Agosto , no jogo contra o Sampaio Corrêa , completou 100 jogos com a camisa do tricolor pernambucano. No mesmo ano jogando no Arruda com um publico de 60.040 pessoas ele junto com o elenco do Santa Cruz conseguiu um feito que ha seis anos o clube não conseguia: subir para a série B, se tornando um dos heróis da partida por fazer defesas milagrosas no que culminou na vitória sobre o Betim-MG. E em seguida conquistou o título da série Série C de 2013. No dia 21 de novembro de 2015, na 37ª rodada consegue o acesso à elite do futebol brasileiro com o tricolor, depois de 5 anos, chegando na Série D leva o time a Série A, e entrando cada vez mais na história do clube. Após conseguir o acesso, na última rodada leva o Santa Cruz ao vice-campeonato da Série B de 2015. No dia 18 de dezembro de 2015 renova contrato por mais 2 anos com o tricolor, acertando até 2017 e jogando a tão sonhada Série A pelo clube.

Se engana quem pensa que Ídolo é apenas aquele que foi artilheiro, aquele que fez um gol importante num final de campeonato, ou que fechou o gol, aqui no SANTA CRUZ fora das 4 linhas também existem aqueles que se consolidaram Ídolos da Torcida, me digam quem nunca ficou na expectativa quando o Massagista Catatau se armava pra dar sua tipica carreira até a equipe reserva?

Dentro do Santa Cruz, ele vivenciou muitos momentos felizes. Mas também sentiu na pele o drama dos anos mais dramáticos da história do clube. Hoje, o massagista Catatau comemora o retorno do Mais Querido à Série A do Campeonato Brasileiro. Funcionário do clube há mais de 15 anos, ele não gosta nem de lembrar do período em que o time esteve na Quarta Divisão. “Ali era a lama”, resume. Mas agora, a história é outra. O time finalmente conseguiu sair dos patamares mais baixos do futebol nacional. Felicidade comparada aos acessos do time para a Série A em 1999 e 2005. “Essas foram minhas maiores alegrias”, relembra sempre que é questionado.

O fato de um time de massa como o Santa Cruz ter passado três anos na Série D e a mesma quantidade de tempo disputando a C deu a Catatau uma forte dose de angústia. “Era muito difícil, o clube passava muito tempo sem jogar, os jogadores não queriam vir para cá. As coisas passaram a melhorar quando Zé Teodoro e Sandro (Barbosa) chegaram (no final de 2010). O pior ano foi na Série D. Quando conseguimos sair para a Série C já nos deu uma nova esperança. A gente sempre incentivava um ao outro, procurava ajudar o clube também”, diz o massagista.
Segundo Catatau, um dos principais motivos para o erguimento coral é a força vinda das arquibancadas. “Eu sempre falo da importância da nossa torcida. É o amuleto do Santa Cruz. Não tem Flamengo ou Barcelona para superar. Nossa torcida apoia sempre. Ajudar no bom é fácil, difícil é ajudar no ruim”, diz o massagista, que recebe incentivos sempre que dá uma de suas já famosas “carreiras” para socorrer algum atleta machucado. “São 70 mil pessoas me aplaudindo, mas geralmente nem consigo prestar muita atenção, fico mais focado no jogo”.

(Foto: globoesporte.com)
 

Além da função que ocupa no Departamento Físico, ele conta que serve como uma espécie de “terapeuta” dos atletas. “Antes dos jogos, fazemos aquele círculo e conversamos sobre a importância das vitórias. Quando o técnico chama algum jogador que está no aquecimento, procuro sempre passar energia positiva para ele”, diz Catatau.
Além de massagista do Santa Cruz, Catatau tem outro emprego. É enfermeiro do Hospital Maria Lucinda, localizado no bairro do Parnamirim. Ele dá plantão das 19h às 7h da manhã seguinte, dia sim, dia não. Nos dias de jogos do Tricolor que coincidem com sua escala de trabalho no hospital, ele diz que costuma dar um jeito, pois algum colega quebra o galho e dá o plantão em seu lugar.

De Ídolo, estamos bem, podem não ter muita estrela, mas o que falta de estrela sobra de Amor pelo Clube.

Por: Larissa Katyanne