DANRLEI DE DEUS... DO GRÊMIO... DA ALMA TRICOLOR!

O ano era 1973. Para os torcedores gremistas, aquela temporada não vinha sendo das melhores. Todos viram o rival colorado conquistar o Campeonato Gaúcho daquele ano, enquanto a campanha no Brasileiro também não teve êxito Tricolor. Mas algo de muito especial acontecia naquele ano para a nação gremista: em 18 de abril de 1973, nascia na cidade de Crissiumal (RS) o futuro goleiro que faria história no time de Porto Alegre. Danrlei de Deus Hinterholz chegou ao Grêmio em 1987 nas categorias de base, e estreou na equipe profissional em 1993 no auge de seus 20 anos.

A história de Danrlei como profissional no futebol se confunde com uma geração vitoriosa do Grêmio. É impossível explanar sobre a gloriosa década de 90 sem relacionar à atuação de Danrlei ao longo desses anos. Ao todo, foram 594 jogos defendendo o gol Tricolor, de 1993 a 2003. Dentre os mais diversos desafios que o atleta viveu ao longo dessa história, pode-se dizer que os clássicos realizados contra o Internacional dos quais Danrlei participou foram, por vezes, marcados por ele.

(Foto: Site Futebol Gaúcho em Imagens)

Analisando estatisticamente, o desempenho Tricolor em clássicos com o goleiro em questão em campo foi equilibrado. Dos 28 Gre-nais que Danrlei atuou, o jogador saiu de campo 9 vezes com vitória, 10 vezes empatando e 9 vezes com derrota. Entretanto, em algumas partidas o atleta teve participações decisivas. Mas por vezes o destaque vinha de fora de campo, como no que diz respeito a declarações polêmicas. Uma coisa é certa, Danrlei foi o “Homem Gre-nal” da sua geração. Sua postura desafiadora deixava o clássico com ares ainda mais carregados de rivalidade, e levava consigo uma torcida Tricolor inteira como apoio.

Descrever o que foram os anos 90 para o Grêmio significa abrir um leque de conquistas que o clube teve com a presença do goleiro “de Deus”. Em 1994, o jogador ajudou na segunda conquista do Grêmio na história da Copa do Brasil. Esse título garantiu vaga para o time na Libertadores de 1995, a qual seria conquistada pelo Tricolor. No que diz respeito à Copa do Brasil, Danrlei ainda esteve presente em mais duas conquistas do torneio, em 1997 e em 2001. E já que o primeiro título citado nesse texto trouxe à tona a competição continental tão almejada por tantos clubes, nada melhor do que comentar sobre a Libertadores de 95.

É difícil encontrar algum gremista que não se emocione ao lembrar-se daquela temporada de 1995. Naquele ano, o Grêmio não pôde montar um elenco com estrelas. Pelo contrário, a maioria dos jogadores que chegaram a Porto Alegre no início daquela temporada era desconhecida da torcida Tricolor. Entretanto, foi esse time “pouco glamouroso” que protagonizou uma campanha avassaladora naquela Libertadores. Os nomes a serem lembrados são muitos, mas personagens como Jardel, Dinho, Paulo Nunes, Adílson Batista, Roger e Danrlei são os mais citados. A raça incorporada do estilo do técnico Luiz Felipe Scolari levou essa equipe a realizar feitos inacreditáveis.

(Foto: Site ANJ)

Nesse sentido, o atleta tema desse texto teve seus momentos de destaque também. Além de proteger o gol Tricolor na primeira partida das quartas de final contra o Palmeiras no Olímpico, com vitória por 5 a 0, Danrlei chamou a atenção ao sair de campo com o jogo em andamento para “acertar contas” com o palmeirense Válber, que havia sido expulso junto com o gremista Dinho. A ousadia do goleiro levou a torcida à loucura, o que firmava ainda mais Danrlei na figura de ídolo, pela entrega incondicional ao time que representava.

O título da Libertadores veio pela segunda vez para o Tricolor em 1995. Uma conquista mais do que merecida para uma equipe que trabalhou de forma intensa e se entregou de forma tão plena a um objetivo. Já no Mundial daquele ano, a equipe de Danrlei encarou o Ajax, base da seleção holandesa, na final. O adversário do Tricolor estava invicto na temporada, e acabou vencendo apenas nos pênaltis.

Mas se Danrlei voltou do Japão no final de 1995 sem o bicampeonato Mundial, em 1996 ele estaria no foco de mais conquistas no Grêmio e também na sua carreira. Foi em 1996 que Danrlei teve a convocação para a Seleção Brasileira que disputou as Olimpíadas.  No time de Porto Alegre, vieram o segundo título Brasileiro e a conquista da Recopa Sul-Americana. No torneio nacional, Danrlei foi um personagem fundamental na vitória final contra a Portuguesa. O Grêmio precisava vencer por no mínimo 2 a 0 em casa na segunda partida da decisão. Após ver seu time abrir o placar, mas ao mesmo tempo levar sustos de contra ataques, Danrlei fez uma devolução de bola ruim e entregou para a composição de um ataque da Portuguesa. O que se desenhava como o empate da Lusa, acabou em uma defesa difícil e salvadora do goleiro ídolo. A partir daí, o Tricolor ampliou e fez a festa em sua casa.

(Foto: Site Almanaque Esportivo)

A história repleta de conquistas de Danrlei no clube ainda contou com cinco títulos estaduais ao longo de sua passagem no Grêmio. Após deixar o Tricolor em 2003, o goleiro teve participações em times nacionais e também no exterior. O atleta iniciou a temporada de 2004 no Fluminense, mas sem muitas chances de titularidade, acabou aceitando o convite do Atlético-MG para disputar o Campeonato Brasileiro no mesmo ano. Permaneceu na equipe mineira por dois anos, de onde saiu para atuar no Beira-Mar, de Portugal. O goleiro ainda teria passagem pelo Remo, mas vale ressaltar dois clubes em especial pelos quais Danrlei passou na era “pós Grêmio”: São José e Brasil de Pelotas.

Um dos episódios mais emocionantes e admiráveis protagonizados pela apaixonada torcida gremista ocorreu em uma partida no dia 3 de março de 2007. Naquela partida do Gauchão, Danrlei de Deus entrava em campo no Estádio Olímpico. A diferença estava no fato de que, ao contrário do que aconteceu por centenas de vezes, naquele dia o ídolo Tricolor vestia a camisa do São José. Mas não era isso que parecia quando Danrlei entrou em campo, já que foi ovacionado por todos os gremistas que foram acompanhar o jogo. O Grêmio não teve vida fácil nas tentativas de ultrapassar a meta muito bem protegida por Danrlei. Nem mesmo o gol que definiu a vitória gremista por 1 a 0 foi tão comemorado a ponto de superar a festa que os Tricolores fizeram para saudar aquele que sempre se dedicou tanto para levar alegria a uma torcida.

Infelizmente, o atleta também estava presente em um dos episódios mais tristes da história esportiva do Rio Grande do Sul. No dia 16 de janeiro de 2009, o ônibus que levava a delegação do Brasil de Pelotas, time de Danrlei na época, sofreu um acidente que tirou a vida de dois jogadores e do treinador de goleiros, além de deixar 10 feridos. Danrlei havia estreado com boa atuação no jogo que antecedeu a viagem do acidente. Porém, seus esforços finais naquele dia foram para tentar ajudar os companheiros em meio ao caos e ao desespero. Após o fato, a aposentadoria dos gramados, que já havia sido postergada, enfim veio. Mas não sem antes uma despedida digna de um ídolo.

No dia 12 de dezembro de 2009, aconteceu no Estádio Olímpico uma verdadeira celebração de agradecimento de uma torcida para uma figura histórica do time do coração. Na tarde daquele sábado, cerca de 32 mil pessoas estiveram presentes no jogo organizado por Danrlei, que contou com figuras das conquistas do Mundial de 1983 e do Bi da Libertadores. Mesmo com o status de um jogo comemorativo, cada lance era extremamente comemorado e os amigos de Danrlei eram embalados pelo Monumental pulsante de sempre.

(Foto: Divulgação Grêmio FBPA)

Não poderia ser diferente. A despedida de um verdadeiro ídolo não deveria (nunca!) ser diferente. É difícil tentar mensurar a quantidade de famílias que tiveram noites e fins de semana de comemoração assistindo Danrlei em campo. Com certeza, há uma geração de torcedores gremistas que tem o goleiro nas suas primeiras lembranças de Grêmio. E uma forma de tentar recompensar tamanha dedicação de um atleta ao longo de tantos anos é a admiração, respeito e homenagem ao ídolo.

Obrigada Danrlei! Pelas defesas, raça, dedicação, entrega e, principalmente, pelo amor ao Grêmio! Certamente, tua passagem por este clube influenciou uma infinidade de gremistas a amar esse time de forma ainda mais incondicional que o normal.

O Grêmio quando teve Danrlei fez história. E a história de Danrlei, exemplo do que é ter uma alma Tricolor, jamais será apagada para aqueles gremistas que tanto te admiram...

Cintia Menzomo