Demorou, mas o Periquito voou

 

 

O domingo amanheceu cinza em Santa Cruz do Sul, mas não demorou para que o sol fosse aparecendo e dando as caras de um dia que terminaria lindo pelos lados da rua São José. O horário do jogo se aproximava e as arquibancadas iam lotando com os alviverdes e alvinegros da cidade. Prenúncio de que a hora do clássico estava chegando.

 

Com a bola rolando, não demorou mais de cinco minutos até o Avenida balançar a rede do rival. Mas o auxiliar Rodrigo Silveira Vargas estava atento no lance e assinalou impedimento. Porém, essa era a prévia de que aquele velho tabu estava prestes a ser quebrado, e com maestria. O Galo tentou incomodar, quando aos onze minutos, Catatau balançou a rede alviverde, mas também estava impedido e teve seu gol anulado pelo auxiliar Fabiano Escobar.

 

Mostrando que quem manda no seu ninho é o Periquito, o Avenida foi pra cima e aos 16 minutos, após cobrança de escanteio, ele um dos goleadores da Divisão de Acesso, Hyantony, balançou a rede e correu pro abraço. No lance seguinte, Catatau irritadinho deu uma cotovelada em Rogélio, sem bola e foi pro banho mais cedo, quando o homem do apito, Antônio Barreto, vermelhou a vida dele.

 

Com o famoso EMPOLGOU, o Avenida tomou conta do primeiro tempo, dando um apavoro na defesa carijó. Foi defesa do arqueiro Fernando, Marciel salvando o segundo gol, Maurício explodindo o travessão carijó. Os visitantes tentaram reação apenas aos 45 jogados, com cabeceio perigoso de Sapé, mas em nada mudou e o primeiro tempo acabou em 1 x 0 para o Avenida.

 

 

unnamed.jpg

Foto: Assessoria de imprensa do clube

 

 

Enquanto o pessoal voltava para seus acentos pós intervalo, as equipes voltavam com a mesma formação para a etapa final. A segunda etapa voltou mais morna que água de açude, e ninguém avançava muito, até que aos 12 minutos de bola rolando, Rogélio o zagueiro de nome moralizador, recebeu cruzamento de Itaqui e cabeceou sem chances de defesa. Hyantony mal havia mostrado para quem quisesse ver que aqui quem manda somos nós, quando Willian Ribeiro deu uma arrancada espetacular, e cruzou para Hyantony balançar o barbante mais uma vez. 15 minutos do segundo tempo, o placar estava em 3 x 0 e as arquibancadas estremeciam aos gritos de OLÉ que começaram ser entoados aos 22 minutos da segunda etapa.

 

Com o jogo praticamente definido, as equipes começaram as alterações. No Avenida, saindo muito aplaudido, Willian Ribeiro deu lugar a Feliphe e Itaqui saiu para que Thiago Bocão adentrasse. Já no Santa Cruz, Saraçol saiu para entrada de Guilherme Santos e Arthur Santos entrou na vaga de David. Queimando a última substituição dos donos da casa, Daitx colocou o eterno Alexandre no lugar de Toto. O jogo no segundo tempo seguiu muito calmo. O alvinegro estava sem forças para reação, retrancado para não aumentar a sacola de gols que estava levando e o Avenida tocava bola, esperando o tempo passar e ouvir os OLÉ da torcida, que seguiram até o fim.

 

Ao som de “ai ai ai ai está chegando a hora...”, Antônio Barreto apitou pela última vez no clássico e aí foi só correr pro abraço. O tabu estava quebrado e de maneira inigualável. Lágrimas escorreram de torcedores (não disse quem fui) após anos de “Avenida não ganha clássico” e a alma estava lavada.

 

Após o jogo, em entrevista para a imprensa, o técnico deixou claro “Não foi apenas uma vitória no campeonato, não foi uma vitória em clássico, foi um jogo pra mostrar que aqui quem manda somos nós, e não vai ser fácil nos desbancarem nos Eucaliptos”, disse Fabiano Daitx.

 

Muitos, como eu, estavam olhando para a festa e pensando “isso é pegadinha, né?”. Mas o que se viu nas arquibancadas, foi uma coisa que há tempos não se via. Uma arquibancada lotada de pessoas de todas as idades, o pessoal que nunca havia visto uma vitória em clássico, ao lado dos senhores de cabeça branca, que viveram inclusive a fusão dos clubes. Todos juntos, comemorando em coro a vitória sobre o maior rival. Todos juntos, soltando o grito que estava entalado na garganta há anos. Todos juntos, vendo a equipe que a gente quer ver em todos os jogos. Aquela equipe que chega sem medo de colocar o pé, que vibra com o torcedor e mostra que aqui não é a casa da sogra.

 

 

unnamed (2).jpg

Foto: Assessoria de imprensa do clube

 

 

Passada a euforia do clássico (mentira), o Avenida pensa agora nas próximas duas rodadas, ambas longe de casa. No meio da semana, o Periquito encara o São Gabriel e no domingo, o Inter SM.

 

 

 

GAÚCHO – SÉRIE A2 – 4ª RODADA

AVENIDA x SANTA CRUZ

 

Data e hora: 19 de março, domingo, 17 horas

Local: Eucaliptos, em Santa Cruz do Sul

Árbitro: Antônio Barreto

Cartões amarelos: Toto e Thiago Bocão (Avenida); David e Arthur Santos (Santa Cruz)

Cartão vermelho: Anderson Catatau (Santa Cruz)

Gols: Avenida - Hyantony (16/1ºT e 15/2ºT), Avenida - Rogélio (12/2ºT)

 

 

AVENIDA

Rodrigo; Itaqui (Thiago Bocão), Luís Henrique, Rogélio e Roger; Toto (Alexandre), Moisés Baiano, Márcio Reis, Willian Ribeiro (Felipe) e Maurício; Hyantony

Técnico: Fabiano Daitx

 

SANTA CRUZ

Fernando Costa; Guilherme Sapé, Caio, Marciel e Allan Cristian; David (Arthur Santos), Elias, Thiago Saraçol (Guilherme Santos) e Rafinha; Juliano Fogaça (Marquinhos) e Anderson Catatau

Técnico: Lúcio Collet

 

 

Acreditando sempre,

Sabrina Heming