DOIS PATINHOS NA LAGOA, FLUTUANDO EM DIREÇÃO À SÉRIE B!

 

 

(Foto: Divulgação/Facebook/Chapecoense)

 

Trigésima primeira rodada, finaleira do Brasileirão, 22 míseros pontinhos somados, e o torcedor já vai se acostumando com seu primeiro rebaixamento da elite do futebol brasileiro.

É meu povo, não importa se é considerado time grande ou pequeno, com milhares de títulos ou nenhum, com jogadores consagrados, não tão conhecidos ou refugos, quando se trata de rebaixamento o sentimento é igual para todos os torcedores: tristeza, raiva, choro contido (ou não), vontade de nem torcer mais (mas só na hora da raiva mesmo).

Infelizmente a Chapecoense tem se afundado cada vez mais na competição, e fazer 23 pontos em 7 partidas se tornou completamente impossível para um time que em 31 jogos conquistou apenas 22. A Série B bate a nossa porta e infelizmente uma hora teremos que abrir. Que triste!

O torcedor fica furioso, e com razão, já que a realidade atual é reflexo de uma péssima, horrível e vergonhosa administração fora de campo. Dá pra perceber que as coisas não estão indo bem, quando quem estava à frente do time, em momento de crise simplesmente abandona o barco e renuncia ao cargo ocupado com desculpas esfarrapadas para mascarar todas as coisas erradas que fez.

Mas de uma coisa o torcedor tem certeza, nada será mantido sob sigilo para sempre, uma hora as máscaras irão cair e as verdades irão aparecer. Quem deixou a nossa Chape nessa situação irá pagar muito caro, e não estamos nos referindo ao rebaixamento, estamos falando da identidade perdida, da garra que foi embora, do comprometimento que nunca mais foi visto, do orgulho em vestir em defender a camisa verde e branca, que simplesmente não existe mais por parte de muitas pessoas que fazem parte do Clube. O mundo dá voltas!

 

Sobre a partida

O time catarinense entrou em campo com uma postura ofensiva e como tem ocorrido nas últimas partidas, abriu o placar e passou o resto do jogo tentando segurar. Apesar das melhorias dentro de campo, a defesa do time alviverde ainda tem muitas falhas e tem sido responsável pelos vários gols sofridos e as vitórias que não vieram.

Como de costume, o Verdão do Oeste teve a menor posse de bola, menor quantidade de chutes a gol, menor número de finalizações, maior quantidade de erros de passe e maior tempo de jogo se defendendo ao invés de atacar, mas, apesar dos vários fatores contra, foi mais eficiente, já que foi quem primeiro abriu o placar na Arena Fonte Nova.

O primeiro gol da partida saiu aos 14 minutos do primeiro tempo, após uma cobrança de falta de Bruno Pacheco; a bola passou pelos pés de Rafael Pereira e de cabeça Douglas deu o passe para Henrique Almeida que estufou a rede adversária. E contrariando as expectativas, a Chape novamente estava à frente do placar e com a vitória parcial até a finaleira do segundo tempo.

A Chape até tentou segurar a vitória, mas novamente a história se repetiu e os 3 pontos não vieram. Após cobrança de escanteio, Marco Antonio empatou a partida e o jogo terminou em 1 a 1.

 

Informações técnicas

A partida aconteceu na quarta-feira, 06 de novembro de 2019, às 21h30 (horário de Brasília), contra a equipe do Bahia, na Arena Fonte Nova, em Salvador, BA; e foi válida pela trigésima primeira rodada do Campeonato Brasileiro 2019.

A Chape entrou em campo com: João Ricardo; Douglas (cartão amarelo aos 9 minutos do primeiro tempo) e Rafael Pereira (substituído aos 50 minutos do primeiro tempo para a entrada de Hiago); Renato (cartão amarelo aos 45 minutos do segundo tempo) e Bruno Pacheco; Amaral, Márcio Araújo, Roberto (cartão amarelo aos 81 minutos do segundo tempo), Vinícius (substituído aos 19 minutos do segundo tempo para a entrada de Augusto) e Henrique Almeida (substituído aos 01 minutos do segundo tempo para a entrada de Dalberto); e Everaldo.

A arbitragem foi de Vinicius Furlan (SP), os assistentes Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Daniel Luis Marques (SP), e arbitro de vídeo Marcio Henrique de Gois (SP).

 

Somos mais que 11... Somos #CHAPE

Ana Carolina Teixeira