DUELO DE TITÃS

O dia do desafio mais importante e esperado do São Paulo nessa temporada está chegando, e a missão é vencer ou vencer. Não há outras possibilidades e somente a vitória interessa.

Às 21h45 (Brasília) dessa quarta-feira (13), o Tricolor receberá o River Plate (ARG) no Morumbi, em jogo válido pela 5ª rodada da fase de grupos da Copa Libertadores da América.

(Imagem: saopaulofc.com.br) 

Com 5 pontos em 4 jogos, a equipe de Bauza segue viva na competição, mas precisa vencer as duas partidas restantes para conseguir a classificação. Uma delas é justamente o confronto com o time argentino, que ocupa o 1º lugar da tabela, com 8 pontos.

No fim de semana todos esperavam que o São Paulo fizesse um jogo convincente e bom o suficiente para garantir os 3 pontos contra o São Bento. Além disso, o mando de campo da quarta de final do Paulistão, que será realizada contra o Audax no próximo domingo (17), também estava em jogo.

Apesar da escalação ter sido com a maioria dos reservas, o que se viu foi uma equipe que estava lá para vencer, mas que se perdeu em campo, não aproveitando as oportunidades e passando a ser dominado pelos anfitriões. E deu no que deu. Bentão 1 a 0, e mais uma derrota como visitante na conta do Tricolor.

A vitória seria importantíssima, e faria a equipe seguir confiante para o compromisso dessa quarta. Mas não... O revés foi um balde de água fria nos são-paulinos, que felizmente, pelo menos a maioria, acreditam no Clube da Fé com muito otimismo.

Buscando acertar o time, Bauza e seus comandados se reuniram nesta segunda-feira (11), às 9h (Brasília), no CCT da Barra Funda. As atividades duraram quase duas horas, e a imprensa foi liberada para acompanhar a equipe somente depois de 30 minutos do início do treino.

Após quase 20 minutos de conversa, o técnico argentino seguiu para o campo principal acompanhado por 15 jogadores de linha, enquanto Michel Bastos e alguns outros que foram titulares no jogo de domingo, seguiram para o Reffis e realizaram exercícios regenerativos.

(Imagem: Érico Leonan / saopaulofc.net) 

No campo, Bauza organizou uma atividade tática, onde dividiu a equipe em dois grupos. De um lado, 7 atletas atacando, e do outro, 8 atletas defendendo. Os jogadores iniciavam as jogadas no meio de campo, passando por Calleri ou Paulo Henrique Ganso, chegavam nos pontas e voltavam para a área.

Quase no término do treino, o auxiliar do técnico tricolor levou Calleri e Rogério para trabalharem finalizações. Em seguida, João Schmidt integrou as atividades com os companheiros.

Já no fim da tarde desta terça-feira, Bauza comandou o último treino antes do duelo contra o River. As atividades foram no Morumbi, e o técnico aproveitou para, além de simular jogadas e aprimorar escanteios e cobranças de faltas, apontar possíveis pontos importantes do adversário.

No término do coletivo, os atletas treinaram finalizações, em cabeceios após cruzamentos, e também em chutes frontais.

Sem a presença do zagueiro Breno (tendinite no joelho direito), Carlinhos (estiramento muscular na coxa direita) e o meia Daniel (dores no joelho esquerdo), a escalação do São Paulo provavelmente será a mesma que goleou o Trujillanos (VEN) na terça-feira (05), composta por Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, João Schmidt, Kelvin, Paulo Henrique Ganso e Michel Bastos; e Calleri.

Já pelo lado dos argentinos, caso Marcelo Gallardo mantenha a equipe que treinou antes da viagem, poderão ir a campo: Barovero; Mercado (Casco), Mammana (Mercado), Balanta e Vangioni; Mayada, Domingo Nacho Fernández e D’Alessandro; Rodrigo Mora e Alario.

O trio de arbitragem será composto pelos uruguaios Andres Cunha, auxiliado pelos assistentes 1 e 2, Carlos Pastorino e Nicolas Taran, respectivamente.

Os jogadores estão animados e confiantes para a partida, e anseiam por um resultado positivo que os faça seguirem em busca dos pontos necessários para continuarem na competição.

O atacante Jonathan Calleri falou a respeito.

“É uma partida importante para a gente. Vamos jogar a nossa classificação, e temos gana para seguir adiante. Claro, precisamos melhorar em alguns aspectos, mas com gana e atitude podemos vencer o River e buscar a classificação. Temos que ter tranquilidade, porque uma vitória nos deixará perto da vaga. Depois, vamos para a Bolívia na rodada final e decidir o nosso futuro em busca das oitavas de final”, destacou o argentino.

(Imagem: Rubens Chiri / saopaulofc.net) 

O uruguaio, Diego Lugano, também falou sobre a partida contra os argentinos.

“Será um jogo especial e decisivo, com a cara do São Paulo. Daqui para a frente todas as partidas serão assim. Será vida ou morte. Voltei para isso, essas noites de Libertadores com estádio lotado. Estamos prontos para nosso objetivo diante do campeão da América. É a cara do clube”, afirmou o zagueiro.

O jogo não será fácil, e sabe-se que não estará em campo apenas a chance do São Paulo seguir em frente na competição, mas também a história de grandes potências do futebol mundial.

Nessa ‘grande final’ estarão em campo 6 títulos da Libertadores e 4 Mundiais. Estarão em campo 12 partidas oficiais, onde se tem 4 triunfos para cada equipe, além de 4 empates. Estarão em campo 19 gols são-paulinos, contra 18 dos argentinos.

Na noite desse 13 de abril estarão em campo 11 jogadores vestidos com as cores soberanas, empurrados pelas mais de 50 mil vozes que cantarão e aplaudirão, torcendo para que nesse “duelo de titãs” o São Paulo Futebol Clube seja campeão!

 

Renata Chagas