DUELO ENTRE AS LEOAS LARANJAS E JAPONESAS

Equipes se enfrentam na terça (25), às 16hs, em Rennes e lutam por uma vaga nas quartas de final da competição

 

https://img.fifa.com/image/upload/t_l3/dfdoskipckfoq9ftllsz.jpg

Foto: Getty Images - FIFA

O confronto tem tudo para ser emocionante e bastante disputado, entre  as equipes que chegaram até aqui com muita garra. As disputas entre Japão e Holanda têm média de quase quatro gols por jogo, assim em oito embates 30 tentos foram marcados. O Japão venceu cinco e a Holanda três, não houveram empates. O jogo da Taça do Algarve, em 2018, foi o encontro mais recente, que terminou com uma vitória por 6 x 2 para as holandesas. 

Esta partida das oitavas de final contra o Japão será muito familiar para algumas jogadoras do atual plantel das Leoas Laranjas. Há quase quatro anos, em 2015, as equipes também se enfrentaram em outras oitavas da Copa do Mundo. Nada menos que nove jogadoras que estavam na formação inicial holandesa para esse jogo, também fazem parte do atual plantel. A partida terminou com uma derrota por 2 x 1 para a Holanda e a meio-campista Sherida Spitse, presente na disputa, não quer comparar as duas situações. 

"Claro, o país que estamos enfrentando nas oitavas de final é o mesmo, mas tudo o mais é diferente. Eu não posso esperar para mostrar ao mundo o quanto conquistamos e melhoramos nesses últimos quatro anos”, declarou. 

A Seleção Holandesa ganhou todos os jogos que disputou até agora e chega até as oitavas com 100% de aproveitamento. No último treino, a técnica Sarina Wiegman teve todas as 23 jogadoras à disposição e, depois dos trabalhos, concedeu entrevista coletiva e comentou sobre o encontro:

"Ainda temos muito pela frente. O nosso foco total agora é o Japão. Nós temos péssimas lembranças delas e queremos apagar isso de uma vez”, afirmou a treinadora. 

 

https://img.fifa.com/image/upload/t_l3/fdtf9khwco7hhfkrwghf.jpg

O último duelo entre as equipes

Foto: Getty Images - FIFA

Algumas jogadoras holandesas também deram declarações otimistas para o duelo contra o Japão, como a atacante Lieke Martens, que em 2017 recebeu o prêmio de Melhor Jogadora do Mundo pela FIFA. 

"O Japão já está há anos no topo, mas o resto das nações se desenvolveu bem. Será um adversário duro, mas confio muito que podemos mostrar algo bom”, ressaltou. 

De acordo com as informações da imprensa, mais de 25.000 ingressos já foram vendidos. O grupo laranja não será tão grande, quanto durante os jogos do grupo, já que Rennes está mais longe da fronteira holandesa do que as cidades anteriores em que a seleção atuou. Mas não há dúvida de que mais de 2.000 torcedores holandeses presentes amanhã farão muito barulho para torcer pelo time. 

https://img.fifa.com/image/upload/t_l4/enjxiewbphpfsblnisge.jpg

A seleção do Japão

Foto: Getty Images - Fifa

Capacidade de lidar com a pressão das Japonesas

O Japão é o time mais jovem da Copa do Mundo da França, com a maioria de seus jogadores participando da competição pela primeira vez. Durante as três partidas do grupo, a destemida Nadeshiko enfrentou os problemas de frente e os resolveu juntos como um time. Para a técnica Asako Takakura sua equipe tem uma enorme força oculta e grande potencial e tudo isso ajudou em seu crescimento dentro da competição. 

O Japão lutou com problemas de lesão antes do torneio, que se intensificaram no acúmulo e depois de sua partida de abertura contra a Argentina. A equipe respondeu com energia e determinação, com jogadoras de terceira e quarta escolha tendo a chance de brilhar. Agora, com suas titulares em perfeitas condições de jogo, as coisas podem melhorar. 

"Estou feliz por não termos construído uma equipe que depende apenas de um jogador", disse Takakura.

A técnica está empolgada com o duelo contra as holandesas e bastante otimista e deseja que suas jogadoras mostrem suas maiores habilidades na partida. 

“Quero que todas levem essa força oculta da equipe para o campo. Eu realmente não quero que o nosso torneio termine com este jogo ou com o próximo jogo. Meu desejo é chegar bem mais longe”, frisou a técnica. 

Um dos destaques da equipe é a defensora que carrega a braçadeira de capitã, Saki Kumagai considerada uma das melhores do mundo. A zagueira é uma formidável líder com nervos de aço, tendo marcado a penalidade vitoriosa na final da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011. Ela também conquistou uma medalha de prata olímpica com o Japão em 2012, além da Copa Asiática Feminina da AFC em 2018, em contar com as três medalhas dos vencedores da Liga dos Campeões da UEFA Feminina.

 

Carla Andrade

Rhayanne Athyrssa