E MAIS UMA VEZ “ERA UMA VEZ”...

A noite de quinta-feira não foi a das melhores para o torcedor tricolor que apesar de tudo, ainda buscava ter um pouco de esperança e fé para acreditar que o milagre aconteceria no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul.

Mas o São Paulo não foi bom o suficiente para conseguir ficar com a vaga e avançar para a próxima fase, e sinceramente talvez nem merecesse, já que o Juventude foi superior na vontade de permanecer na competição.

 

Imagem: Pedro H. Tesch/Eleven/Folhapress

 

O JOGO

 

Sem poder contar com algumas peças, uma delas importantíssima como o Maicon, Ricardo Gomes escalou o time com Denis; Bruno, Lugano, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes e Wesley; Cueva, Kelvin e Chávez.

A pressão imposta pelos anfitriões foi percebida logo nos primeiros instantes da partida. Aos 11 minutos, Roberson (o mesmo que fez a diferença no jogo de ida) acertou um chute na trave de Denis, quase abrindo o placar.

Depois, quando o Tricolor tentou reagir, a arbitragem anulou de maneira equivocada dois lances, e o jogo seguiu. Aos 26, o goleiro do Juventude fez boa defesa, após chute de Cueva por cima da barreira.

Mantendo a pressão, o São Paulo ainda teve algumas chances, sem sucesso. E para completar o desespero dos são-paulinos, Roberson balançou a rede aos 36, mas por estar em posição de impedimento, teve seu gol anulado pelo árbitro.

 

Imagem: Futura Press

 

Na etapa complementar, Ricardo Gomes promoveu a entrada de Gilberto no lugar de Wesley, mas novamente o time gaúcho chegou primeiro, com Denis evitando o gol.

Como ultimamente o São Paulo está com “sorte no azar”, logo aos 4 minutos Kelvin precisou ser substituído, dando lugar a Luiz Araújo.

Chávez teve boa chance aos 12, quando tentou o toque por cobertura, mas não deu.

Com o volume de jogo maior que os donos da casa, o Tricolor conseguiu abrir o placar aos 23 minutos, com Rodrigo Caio, que apareceu como elemento surpresa na área e mandou de cabeça para o fundo do gol, após assistência de Bruno.

 

Imagem: saopaulofc.com.br

 

Minutos depois, Mena saiu e Carlinhos ocupou sua vaga, e a equipe paulista manteve a pressão, deixando os anfitriões que já estavam cansados por conta do desgaste físico, acuados.

E os comandados de Ricardo Gomes tentaram e tentaram até o fim da partida, mas o gol solitário do zagueiro tricolor não foi o suficiente, e assim os gaúchos garantiram a vaga para as quartas, após conseguirem manter a vantagem no placar agregado, mesmo com a vitória do São Paulo.

 

OPINIÃO DA COLUNISTA

 

Mais uma vez acabou o sonho de conquistarmos o único título que nos falta. Mas assim como esse título nos falta, está faltando ao time a vontade de voltar a ser aquele São Paulo que por tantas vezes vimos ser CAMPEÃO.

Nos faz falta ver em campo um time com alma, garra, força de vontade, coragem. Nos faz falta sentir a emoção de torcer sabendo que o mínimo que receberíamos por isso seria a vitória, regada de taças e troféus.

Nos faz falta o nosso São Paulo Futebol Clube de outrora, o nosso “amado clube brasileiro”, que por tantos anos foi “forte” e “grande”, mas que simplesmente hoje no tempo estagnou.


Renata Chagas