EM TERRA DE ÍNDIO, RAPOSA VIRA PETISCO

Em um jogo entre extremos na tabela de classificação, uma luz no fim do túnel reacende e mantém viva a esperança do torcedor alviverde.

Uma partida que contou com atrasos, gol irregular e muita confusão, com direito a ketchup dando uma de drone sobre a área norte da Arena Condá, o Verdão do Oeste fez uma partida convincente para o torcedor e flechou a raposa por 2 a 0.

O jogo entre Chapecoense e Cruzeiro aconteceu na noite de sábado (09/06) com 1h20min de atraso para o início da partida, isso porque uma das torres de energia da Arena Condá se apagou durante a execução do Hino Nacional; em acordo com os capitães e goleiros de ambas as equipes, o árbitro da partida Grazianni Maciel Rocha informou que aguardariam a resolução do problema para retornar ao início do jogo.

Para os torcedores presentes o apagão de uma das torres não interferiria em nada o jogo, já que as outras 3 torres iluminavam como um todo a Arena Condá; porém para quem estava a nível do campo, a informação era de que o dano em uma das torres poderia interferir sim no andamento da partida, já que prejudicava a visibilidade em determinados ângulos, e foi essa uma das justificativas para adiar o início do jogo, ambas as equipes entraram em acordo para aguardar a resolução do problema até às 20h15min, caso contrário a partida teria que ser adiada. Para alívio de todos, a torre foi consertada a tempo e apesar do cansaço, os torcedores permaneceram para ver a bola rolar na Arena Condá.

 

(Foto: Márcio Cunha / Especial / Especial)

 

ESCALAÇÃO CHAPECOENSE:

Para esta partida o técnico Gilson Kleina retorna à beira do campo, após cumprir suspensão no jogo contra o Vitória, pela expulsão sofrida no jogo contra o Atlético-MG. Após a derrota e as cobranças durante a semana e o terror do Z4 assombrando a equipe alviverde, mudanças foram necessárias e a postura do time dentro de campo também mudou. Para essa disputa Gilson Kleina contou com:

Jandrei, Apodi (substituído aos 37’ do 2° tempo para a entrada de Eduardo), Douglas, Rafael Thyere, Bruno Pacheco, Márcio Araújo, Elicarlos (cartão amarelo aos 29’ do 2° tempo), Canteros, Leandro Pereira, Arthur Caike  (cartão amarelo aos 03’ do 2° tempo, desfalca a equipe alviverde na próxima rodada, e substituído aos 30’ do 2° tempo para a entrada de Bruno Silva) e o capitão Wellington Paulista (substituído aos 16’ do 2° tempo para a entrada de Luiz Antônio).

 

SOBRE A PARTIDA:

Após uma paralisação de pouco mais de uma hora para iniciar a partida, ambas as equipes entraram em campo com determinação e dispostas a fazer um bom jogo. Os donos da casa iniciaram avançando para o campo de ataque, porém a melhor defesa do campeonato não deixava a equipe alviverde finalizar as jogadas. O 1° tempo em si foi extremamente disputado e com equilíbrio entre as equipes, porém nenhuma delas levou perigo real ao gol.

Na volta do intervalo o equilíbrio entre as equipes permaneceu evidente. Diferentemente da partida anterior, o Verdão do Oeste entrou em campo com sede de vitória, fez um bom jogo e queria o resultado positivo. O torcedor que já aparentava estar cansado de falsas esperanças, apesar da irregularidade no campeonato compareceu em grande número e com o atraso para o início da partida, só ganhou fôlego para vibrar com o time após os 26’ de partida, momento em que é realizada a homenagem as 71 vítimas da tragédia de 29 de novembro de 2016; logo na sequência, Kleina fez a segunda mudança na equipe verde e branca, que gerou resultados imediatos, Arthur Caike saiu para a entrada de Bruno Silva, uma das promessas da categoria de base da Chapecoense.

Em um lance polêmico, Bruno Silva que acabava de entrar em campo recebeu um cruzamento de Apodi em frente ao gol adversário e com a ajuda do braço esquerdo aos 35’ do 2° tempo, colocou a bola no fundo da rede da raposa. A arbitragem marcou lance legal, os jogadores comemoraram e a torcida se animou e soltou o grito de gol.

Após o lance, jogadores foram protestar contra o 4° árbitro que estava em cima do lance, alegaram que o gol foi ilegítimo e nisso foram alguns minutos  de reclamação, a arbitragem não cedeu e a Chape agora estava à frente do placar. Com a confusão próximo a área norte, torcedores da Chape em meio ao fervo da comemoração ficaram indignados com a reação dos jogadores do Cruzeiro, nisso, em uma atitude ridícula e sem o menor cabimento, uma torcedora da Chape, sim, uma torcedora do time mandante, atirou um sachê de ketchup na direção dos jogadores, como quem pensou: “vou atirar esse molhinho aqui porque acho que estou certa e ninguém vai saber que fui eu!!!”. Bem, enganou-se a torcedora que deve ter pensado que tal atitude não daria em nada, o sachê não atingiu ninguém, mas nem por isso foi ignorado. O fato foi constado na súmula da partida, a infratora foi identificada e encaminhada para realizar o boletim de ocorrência.

Fora os percalços da partida, por conta da paralisação do jogo após o gol irregular de Bruno Silva, a arbitragem achou por bem dar 7 minutos de acréscimo, isso mesmo, 7 minutos a mais de jogo, e apesar de estar a frente no placar, o torcedor presente na Arena foi a loucura. Depois do erro de arbitragem a nosso favor, o mínimo que o torcedor pensou foi: “eles querem o empate, esse juiz tá louco pra que saia o empate”.

Porém, para o delírio do torcedor chapecoense, o gol realmente saiu, mas foi a nosso favor, após tentativas e erros na área do Cruzeiro, Dedé falhou na tentativa de afastar a bola e ela sobrou para Elicarlos que de fora da área largou um chute indefensável para o goleiro cruzeirense. Aos 49’ do 2° tempo, em uma noite que tinha tudo pra dar errado, o Índio fechou a Raposa e deixou novamente o torcedor alviderde esperançoso.

 

(Foto: Reprodução/ Twitter/ Chapecoense)

 

Após o fim da partida, a colunista da Chapecoense Larissa Dal Berto teve esteve presente na coletiva de imprensa e pode acompanhar algumas declarações do técnico Gilson Kleina sobre a partida contra o Cruzeiro e a equipe alviverde no campeonato:

 

"Nós aumentamos as finalizações no segundo tempo.[...] A gente fez um grande resultado com uma vitória convincente. [...] Nós precisávamos mudar o ritmo, o Bruno entrou e mudou o jogo. Nos deu o início da Vitória. Agora vamos avaliar a saída do Arthur, se mantemos o 4-4-2. Vamos pensar de que maneira vamos enfrentar o América. [...] Grande desafio é manter o nível de desempenho fora de casa, assim como fizemos com o Atlético-MG. E eu vou bater em cima dessa tecla, pra gente ser competente em cima do América. [...] A parada da copa será boa. Convivemos com muitas lesões nesse semestre, por conta do número de jogos. Disputamos liberta, copa do Brasil, campeonato Brasileiro. Vamos poder zerar muita coisa nessa parada. Baixar bem a carga dos atletas."

 

(Foto: Larissa Dal Berto)

 

A vitória contra uma das equipes que estão na parte de cima da tabela, mostra o porquê de tanta cobrança por parte dos torcedores, se jogamos bem e fazemos uma excelente partida, porque não mostrar esse futebol contra equipes menores e/ou iguais a nossa?? Se temos competência para vencer porque nos contentamos em ganhar apenas quando o calo aperta e a cobrança é maior?? Sabemos a força que essa camisa tem, e é esse time que queremos ver em campo, se a vitória por vezes não vir, pelo menos podemos dizer que lutamos e tentamos.

Essa é a terceira vitória da Chapecoense no Campeonato Brasileiro e com o saldo positivo, ocupa atualmente a 14° posição na tabela com 13 pontos e para a alegria do torcedor verde e branco, fora da zona do rebaixamento.


 

Somos mais que 11... Somos #CHAPE

Ana Carolina Teixeira