EM UMA NOITE FRIA, O JOGO FOI QUENTE: A CHAPECOENSE DESBANCOU O ATLÉTICO-MG!

Em jogo emocionante o Verdão passa para a próxima fase, as quartas de finais da Copa do Brasil 

 

Os últimos 90’ das oitavas de final da Copa do Brasil foram disputados na quarta-feira (16/05) às 19:30 (horário de Brasília) na Arena Condá em Chapecó. A arbitragem ficou por conta de Leandro Bizzio Marinho, os assistentes Rogério Pablos Zanardi e Daniel Luís Marques, e o 4° árbitro Flávio Rodrigues de Souza.

 

Para a partida da volta, Kleina contou com a atuação dos jogadores: Jandrei, Apodi, Douglas, Rafael Thyere, Bruno Pacheco, Márcio Araújo, Amaral, Canteros (substituído aos 41’ do 2° tempo para a entrada de Nadson), Guilherme  (substituído aos 37’ do 2° tempo para a entrada de Luiz Antônio), Arthur Caike (substituído aos 31’ do 2° tempo para a entrada de Bruno Silva) e o capitão Wellington Paulista (cartão amarelo aos 41’ do 1° tempo).

 

Olhando o histórico da Chape, sabemos que nos pênaltis o time sempre se deu bem. Já eliminou o Libertad, o Independiente e Defensa y Justicia e com o time do Atlético-MG não foi diferente. Teve pênalti, teve classificação da Chapecoense.

Depois de um empate na casa do Galo, o Verdão tinha a vantagem de jogar em casa e honrar a torcida.  

 

(Aproximadamente oito mil torcedores foram prestigiar a vitória da Chape. Foto: Victor Martins/UOL Esportes)



 

JOGO

 

Nosso querido clube não decepcionou e fez um belíssimo jogo. A Chape marcou forte, não deu espaço para que o adversário pudesse fazer suas jogadas. Mesmo com um domínio da partida, o Atlético não conseguiu criar grandes chances.

Os goleiros não tiveram muito trabalho durante o tempo normal, mas salvaram as equipes em lances importantes.

No segundo tempo o Verdão soube aproveitar a desorganização e a tensão do time visitante, porém as finalizações não davam certo. O que deixou o jogo mais tenso ainda. Precisando da vitória a Chape tentou chegar na defesa do Galo mas a bola não entrava.

Foi uma disputa de 180 minutos, uma partida que mostrou dois lados distintos do Verdão do Oeste, no jogo da ida a Chape se mostrou mais acanhada, manteve um jogo mais recuado e a expectativa era de não levar gols, fez uma atuação excelente no campo de defesa e os primeiros 90 minutos terminaram sem gols.

Os outros 90 minutos foram disputados na Arena Condá, dentro do nosso território, dentro de nosso templo verde e branco e com a apaixonada torcida alviverde. Diferente da partida anterior a Chape botou pressão no adversário desde o primeiro minuto, criou bons lances, mas a pontaria não estava bem afiada, isso quando a defesa do adversário não marcou forte e cortou o ataque da Chapecoense. Foi um primeiro tempo de jogo excelente, sendo que a equipe dona da casa poderia inclusive ter ido para o intervalo com a vitória.

O que preocupava o torcedor era o retorno ao jogo, relembrando as últimas atuações do Verdão durante o Brasileirão, os primeiros 15’ após o retorno do intervalo tem sido crítico para a equipe alviverde, algumas vitórias escaparam nesse curto espaço de tempo onde a Chape não conseguiu reverter o placar; porém, não foi isso que o torcedor presenciou na noite de quarta-feira,  depois de toda a cobrança e pressão sobre os jogadores durante a semana anterior, após a má fase que vinha se instaurando pelos arredores da Arena Condá, os jogadores finalmente vestiram a camisa e honraram o símbolo que carregavam no peito, com raça e vontade de jogo não se entregaram em nenhum minuto. Correram atrás de um resultado positivo, defenderam quando o ataque adversário tentava avançar ao gol e mostraram que ninguém ali se daria por vencido, a Chapecoense simplesmente dominou o segundo tempo e o gol não saiu por detalhes.

No segundo tempo de partida neste jogo da volta o resultado infelizmente repetiu o que foi visto nos primeiros 90’, Chapecoense 0 x 0 Atlético-MG. Quis o destino que mais uma vez a vaga para a próxima fase de uma competição fosse decidida nos pênaltis.

 

PÊNALTIS

J E S U S A M A D O: Sabemos que disputa de pênaltis só é bom quando não é com nosso time. Mas hoje não seria diferente. Relembramos a época do nosso glorioso goleiro Danilo. Jandrei foi iluminado por ele e defendeu o primeiro pênalti, batido por Ricardo Oliveira. Nessa hora já deu um alívio no coração.

O goleiro Victor  apontou o lado para o capitão Wellington Paulista bater, e ele bateu daquele lado. Foi bola para um lado goleiro para outro, do jeito que a gente gosta. Luiz Antonio (ACF), Leonardo Silva (CAM) e Nadson (ACF) marcaram seus pênaltis.

Já o Róger Guedes mandou a bola para torcida. O que fez a Chape ficar em vantagem mais uma vez.

Nessas horas já não tinha mais unha para roer, se Bruno Pacheco marcasse era vitória do verdão, porém (lê-se com voz triste) Victor defendeu, uma mistura de sentimentos, já que Bruno Pacheco foi um dos ícones desta classificação, é justamente ele teria que ter uma pênalti desperdiçado!??! Mas o torcedor não guarda rancor não, o camisa 6 da Chape fez sua parte durante os últimos 90’ e isso apenas adiou a comemoração. Afinal, o que seria do torcedor sem uma taquicardia básica?!! Na cobrança seguinte, Cazares não desperdiçou e empatou novamente. Mas Rafael Thyere mostrou porque somos gigantes, e fez o pênalti da classificação, mas não sem aquele ar de angústia, antes de entrar a bola raspou no goleiro, bateu na trave e finalmente balançou a rede, o torcedor soltou o grito entalado na garganta e classificação inédita do time do Oeste veio mais que merecidamente.


Pênalti.mp4 (2819879)

 (A emoção tomou conta de todos. Vídeo: Eduardo Mittmann/Torcedor)


 

Pela primeira vez  a Chapecoense avançou para as quartas de finais na competição, o que gerou um prêmio de R$ 3 milhões para o Verdão.  Agora é esperar o sorteio para saber quem será o próximo adversário da equipe alviverde na Copa do Brasil, quando a competição retornar  após o recesso para a Copa do Mundo.

Houve aqueles que profetizaram contra nosso Verdão, houve aqueles que tomaram como base os primeiros 90’ dizendo que time recuado não ganha vaga, houve também aqueles que utilizaram como referência a má fase no início do Brasileirão para dizer que não seríamos capazes. Para os secadores de plantão, só temos a dizer que o jogo só acaba com o apito final do juiz, em casa quem manda é a Chape, chegamos até aqui por merecimento e principalmente, com todo respeito ao excelente adversário, mas o cardápio de hoje será galo frito!!

O Índio flechou o Galo, e com cabeça firme e pés no chão podemos dizer, que venham as quartas de final.

 

Comemoração.mp4 (9612858)

A COMEMORAÇÃO SÓ PODERIA SER ASSIM. VÍDEO: ASSOCIAÇÃO CHAPECOENSE DE FUTEBOL/FACEBOOK)


 

Somos mais que 11... Somos #CHAPE

Pra cima, Verdão!

Ana Carolina Teixeira & Larissa Dal Berto