EMPATE AMARGO

Na última quarta-feira (28), o São Paulo recebeu o Santos no Morumbi, em jogo válido pela ida das quartas de final do Brasileirão Feminino, e a partida terminou empatada em 0 a 0. Agora, as sereias levam a decisão para “casa”.


 

Foto: Pedro Ernesto


 

A expectativa para esse jogo era grande, aliás, o tricolor vinha aplicando grandes goleadas no Campeonato Paulista: ganhou de 29x0 do time do Taboão da Serra e 14x0 do Realidade Jovem. Já o time do Santos deu um tropeço contra o Corinthians perdendo de 3x1, mas se recuperou contra a Juventus, goleando por 4x0. Então, o público acreditava que seria um jogo de bastante gols. 

 

Foto: Pedro Ernesto 

 

As donas da casa buscaram mais o jogo e tiveram as melhores oportunidades durante o primeiro tempo. O Santos buscou se fechar e esperar um vacilo das rivais para sair no contra-ataque. A atacante Glaucia foi a melhor em campo pelo lado do São Paulo, tentando fazer com que a única lei que funciona nesse país entrasse em vigor, a famigerada “lei do ex”. 

Mas, pelo lado das sereias, Ketlen e Cristiane (que também queria aplicar a lei), foram os destaques e buscavam o gol de vantagem. Quando Cristiane foi substituída, as sereias perderam todo o seu poder ofensivo e não conseguiram chegar no ataque. É impressionante o quanto o fator Cristiane muda completamente a postura do time. 

 

Foto: Pedro Ernesto

 

No final das contas, o jogo não saiu do 0x0 e isso poderia ser vantagem para o Santos se fosse decidido na Vila, porém, as sereias foram prejudicadas nesse quesito e tiveram que transferir o jogo de volta para a Arena Barueri. Tudo porque a CBF adiou o jogo do Santos x Bahia (pelo Campeonato Brasileiro masculino), que ocorreria no sábado (31), na Vila Belmiro, para o domingo (1), prejudicando o feminino. O Santos será o único time que não decidirá em sua casa. LAMENTÁVEL! 

Anotem aí na agenda: Próximo domingo (1), às 16h (horário de Brasília), na Arena Barueri teremos o jogo de volta desse SanSão. Haja coração. 

 

VAI PRA CIMA DELAS, SANTOS! 

 

Carla Sobrinho

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Portal Mulheres em Campo.