Entre altos e baixos, o que esperar do Flamengo no Brasileirão?

 

Para o Flamengo, o Campeonato Brasileiro começa neste sábado, às 16h (horário de Brasília). O adversário é um rival rubro-negro que tem protagonizado rivalidade com o time desde 1987. Mas o que esperar do Flamengo? O time da Gávea já participou de três campeonatos até aqui: Carioca, Sul-Minas-Rio e Copa do Brasil (campeonato que ainda participa). Foram 23 jogos, 11 vitórias, cinco empates e sete derrotas. Números bons? Nem tanto se considerarmos que em muitos desses jogos o Flamengo deixou a desejar no que diz respeito à futebol.

 

Muricy Ramalho vem insistindo no 4-3-3, usou esse esquema em 19 jogos do Flamengo. Apesar de ter conseguidos alguns triunfos com esta formação, alguns deles não foram convincentes. Mas foram nas derrotas que a forma de Muricy armar o time foi mais cornetada. Os buracos em campo, por vezes ficaram visíveis. O time não tinha ligação no meio campo, a bola não chegava ao ataque mesmo com boas peças no meio como Mancuello e Wilian Arão – este útimo vem sendo um dos destaques do time, um dos poucos jogadores que mantém uma regularidade.

 

Outro fato sobre o Flamengo de 2016 é que ele tem tido trabalho com times nordestinos. Na Copa do Brasil foram dois adversários do nordeste: Confiança, de Sergipe, e Fortaleza, do Ceará. Em três jogos foram duas derrotas e uma vitória (o jogo de volta contra o Fortaleza ainda não aconteceu. No primeiro jogo, o tricolor venceu por 2 a 1).

 

O Flamengo não vem tendo regularidade também – algo importante para se chegar longe em um campeonato de pontos corridos como é o Brasileirão – já chegou a uma sequência de cinco jogos sem vencer, isso falando de Carioca, que é um campeonato com nível técnico inferior ao Brasileiro.

 

Apesar dos contras, é inegável que o plantel tem boas peças. Rodiney vem jogando bem Mancuello tem potencial, fez bons jogos, mas precisa ser mais regular. Marcelo Cirino – que no ano passado chegou bem no Flamengo em 2015 e caiu de rendimento durante o ano passado – é o artilheiro do time. Cuellar vem sido uma das peças fundamentais na defesa e na armação de jogadas. Guerrero, apesar dos altos e baixos ainda é a esperança do torcedor rubro-negro. Willian Arão com boas atuações no meio e, por vezes chegando ao ataque e até fazendo gols, se tornou uma das referências do time.

 

O que deve mudar?

 

Para o Brasileiro, o clube admite que já está atrás de reforços na zaga, setor em que o Flamengo vem padecendo (sofrendo é pouco).  César Martins deve sair no final do próximo mês. Wallace, que recebeu muitas críticas, entregou a faixa de capitão para Juan. O Rubro-negro deve ter a volta de Everton, recuperado de lesão, inclusive ele foi testado na frente junto com Guerrero e Sheik. No treino de quinta-feira, a formação do treino foi com Paulo Victor, Rodinei, Wallace, Juan e Jorge; Márcio Araújo, Cuéllar e Alan Patrick; Marcelo Cirino, Fernandinho e Guerrero.

 

Foto: Foto: Wagner Meier/Lancepress!

 

O Flamengo, definitivamente adotou Volta Redonda como sua casa no Campeoanto. Isso poupa as viagens de que tanto Muricy se queixou nos primeiros meses do ano. Outra mudança é a nova camisa inspirada no uniforme de 1981 (melhor ano para os flamenguistas). Resta saber se o espírito  Raul, Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Andrade Adílio e Zico; Tita, Nunes e Lico irá contagiar os jogadores para que recuperem a principal característica do Flamengo: a raça (vamos combinar que em alguns jogos a apatia do time foi tamanha que não dava para reconhecer o Flamengo da raça amor e paixão).

 

Fica difícil cravar o que vai acontecer, principalmente se tratando de Flamengo, que sempre prepara surpresas ora agradáveis, ora não tão boas assim, o que nos resta é torcer para que o time encaixe, que as desculpas acabem, que os gols saiam e que as coincidências que muita gente vem apontando entre 1992 (ano do penúltimo título Brasileiro) e 2016 acabem com o Mengão levantando a taça de campeão no fim do ano.


por Camila Leonel