Final cheia de sentimento.

 

Nesta quarta (6) será a primeira partida da final da Sul-americana e o Clube de Regatas do Flamengo entrará no campo Libertadores da América para enfrentar Independiente, na casa do rival, às 21h45. É o jogo deve ser eletrizante, afinal agora está em jogo, literalmente, a taça de campeão. Se vale diminuir a pressão, o rubro-negro conseguiu garantir a vaga na Libertadores do ano que vem, mas final é expectativa pura, né? E esse caneco não é só um campeonato, é a redenção desse elenco para Nação, depois dessa temporada feia diante de tanta irregularidade.

 

Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

 

Há menos duas semanas o time se viu na incerteza e na angústia, quando Diego Alves fraturou a clavícula. Entrou Muralha que ainda na má fase tomou o gol, mas conseguimos a virada, diante da nossa torcida. Veio o domingo e Alex como titular novamente falhou bruscamente e ali decretou sua sentença de fim. Há quase uma semana o terceiro goleiro, cria do clube, se viu no papel de salvador da pátria rubro-negra. Era o jogo da classificação nas mãos dele, na verdade era a partida da temporada. Muita pressão que ele conseguiu administrar e segurar muito bem.

 

Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

 

Para esse confronto tem um detalhe muito importante: desgaste. O carioca jogou 82 jogos e terminará o ano com 84. Foi o time que mais jogou e esse final de temporada está sendo puxado, basicamente, tendo apenas partidas decisivas que influenciariam já na próxima.

O ano nem acabou e já tem planos, sonhos e expectativas para o seguinte. Agora depois de tanta dificuldade em se encontrar, terminamos o ano numa final internacional após dezoito anos. Verdade seja dita, esse caneco nem estava no nosso radar, mas por obra do destino, divindade ou outra coisa, chegamos aqui. E estamos muito felizes de poder se redimir de um jeito tão especial.

Como todo fim de temporada, já começa as especulações e dessa vez Alex Muralha está sendo cotado para jogar no Japão ou no México, mas independente disso já estava praticamente sacramentado o fim desse relacionamento com o Mengão, né? Agora a expectativa é se na zaga haverá a volta de Réver e se Everton conseguirá jogar. Rueda já disse na coletiva que as vagas estão em abertos. E Paolo Guerrero, não poderá jogar nem o segundo jogo, já que tinha sido estendida a suspensão mais dez dias e agora em vinte dias. Haja coração né? Ainda bem que o time do povo está indo contra o ditado popular, afinal quem disse que em casa de ferreiro, espeto de pau? Nossos meninos estão fazendo o seu melhor, ironicamente depois de tantas contratações de peso.

Um jogo que mexe com a emoção em muitos aspectos. Mancuello enfrentará o time do coração e admitiu que apesar de querer fazer gol não irá comemorar. Será a primeira final que terá bola rolando em dois anos, pois ano passado a tragédia da Chapecoense inviabilizou as partidas, e ela foi nomeada campeã. Quis o destino que mais uma vez um brasileiro estivesse disputando esse campeonato, que o treinador rubro-negro estivesse novamente em uma final, só que do lado brazuca. É, não tem como não relembrar tudo aquilo.

 

Elenco finalista

Foto: Reprodução

 

O elenco fez um treino no CT do Boca Junior ontem (5) à tarde, um do mais importante clube argentino. E pensar que iremos jogar num estádio que tem o nome do maior torneio das Américas, e pensar em quanta coisa passamos no ano. É olhar para o atual campeão do torneio e ver como eles conseguiram se reerguer do zero e irem mais longe do que antes. Nós os eliminamos lá trás e no fundo tem aquele sentimento por esse clube que fez o impensável e conquistou o mundo. No meu coração também será por eles. Assim como por nós. Que seja a nossa redenção também e mesmo que seja em situações completamente diferentes, a gente precisa provar nosso valor, que a gente mostre que isso aqui é FLAMENGO, que tem raça, amor e paixão! Chegamos a essa final por méritos, lutando para salvar nosso ano, então vem taça, faltam apenas mais que 180 minutos!

“Vamos, Flamengo

Vamos, vamos Chape

 

- Possível Escalação: Cesar, Pará, Réver, Juan, Miguel Trauco, Gustavo Cuellar, William Arão, Éverton Ribeiro, Diego, Frederico Mancuello e Felipe Vizeu.

- Arbitragem:  Mario Diaz De Vivar (Árbitro), Milciades Saldivar (Árb. Assist. 1), Dario Gaona (Árb. Assist.2), Eber Aquino (4to. Árbitro), Enrique Cáceres (VAR), Roddy Zambrano (AVAR) e Eduardo Cardozo (VAR 2).

 

Por Paula Barcellos