Finalmente a vitória foi do Tricolor do Sul!

Faz pouco mais de um ano que Roger Machado assumiu o comando técnico do Grêmio, mas nesse limitado espaço de tempo já vimos o jovem treinador orientar sua equipe em algumas quebras de “tabus”. Talvez uma das mais marcantes seja a vitória por 2 a 0 sobre o Atlético-MG ainda no Brasileirão do ano passado. Naquele jogo os gaúchos tiveram êxito em um Mineirão com quase 50 mil torcedores adversários que viram, após cinco anos, o Tricolor triunfar sobre o Galo em território mineiro. Recentemente, outra vitória que encerrou um incômodo ciclo para os gremistas foi sobre o Internacional no “Gre-nal do Trator”. No início do mês de julho, o elenco orientado por Roger venceu um clássico na casa do maior rival após um jejum de quatro anos sem conseguir o feito.

No último domingo (24/07), o Tricolor tinha um reencontro com uma equipe que também lhe trazia uma constatação desagradável. Desde a mudança para sua nova Arena o Grêmio ainda não havia conseguido superar o São Paulo como mandante. Para deixar a partida válida pela 16ª rodada do Brasileiro com um clima ainda mais intenso, os donos da casa vinham de uma derrota para o Sport, não poderiam contar com Giuliano vendido para o futebol russo e a expectativa de público na Arena era grande. Este último fator era, de certa forma, motivo de apreensão porque em 2015 o encontro das duas equipes coincidiu com o recorde de público gremista na temporada. Perdemos aquele jogo por 2 a 1. Enfim, o momento era de focar na busca pelo bom resultado que colocaria o Grêmio de volta no páreo pela liderança, pois os resultados paralelos de Corinthians e Palmeiras influenciaram positivamente as chances gremistas.

Para aqueles que questionaram a escolha de Roger na substituição de Giuliano, a resposta veio logo nas primeiras impressões da atuação de Negueba. O escolhido se mostrou agudo, veloz e incisivo na pressão imposta pelos donos da casa desde o início da partida. Outro substituto que se mostrou bastante a fim de jogo foi Miller Bolaños, que ocupou o lugar de Luan no time principal. O equatoriano apresentou um volume de jogo muito interessante e contribuiu na armação de jogadas com a qualidade que todos tanto esperam dele. A dupla de volantes Jaílson e Maicon também foi de encher os olhos dos 37 mil torcedores que vestiram azul para apoiar o time. O capitão fez aquela que pode ser considerada uma de suas melhores atuações no ano, enquanto seu jovem companheiro mais uma vez correspondeu com uma partida executada de forma excelente.

Mas se o Grêmio criava e, ao mesmo tempo, pouco via o adversário investir contra sua defesa, a falta do gol já começava a causar inquietação de todos aqueles que enxergavam que um placar favorável aos gaúchos seria algo mais do que natural na partida em Porto Alegre. O goleiro Denis foi dono de uma atuação de gala. Foram incontáveis as vezes nas quais o defensor paulista salvou seu time das investidas do Grêmio. Desde as defesas mais simples até as mais complexas, Denis foi o melhor jogador do seu time neste domingo. Entretanto, ao defender o chute diagonal de Maicon no início do segundo tempo, o goleiro lançou a bola em direção a Douglas e o Camisa 10 não perdoou. Fez o gol da vitória dos gaúchos e seu quarto gol no Brasileirão (sendo que todos os quatro foram originados em rebotes).

FOTO: Site ducker.com.br

Quando o apito final foi ouvido, os quase quarenta mil gremistas que fizeram uma festa linda em sua casa comemoraram a ótima atuação de seu time e, consequentemente, os 30 pontos que o garantiram na terceira posição ao final da rodada. Esses mesmos torcedores também comemoraram mais um tabu quebrado pelo Grêmio de Roger. Pode parecer simples, mas esses pequenos triunfos devem ser valorizados. Quem sabe eles sejam as peças necessárias para a construção de uma conquista maior, algo que tanto almejamos.

Por Cintia Menzomo