FLA-FLU PELA SEMIFINAL DO CARIOCA

 

Equipes se enfrentam neste sábado (06), às 19h, no Maracanã

 

C:\Users\Carla\Downloads\47543453831_3e3cb81207_o.jpg

(Foto de Lucas Merçon)

 

O elenco Tricolor fez o último treino no CT da Barra da Tijuca antes do duelo na manhã desta sexta (05) e recebeu a visita de componentes da Torcida Young Flu, que acompanharam os trabalhos. A intenção da organizada foi levar apoio ao grupo e reafirmar o desejo imenso em sair da partida com a vitória e a vaga para a final. Os torcedores prometeram cantar sem parar durante os noventa minutos para incentivar o time.

A pergunta agora é como será que Fernando Diniz vai montar seu esquema tático diante de alguns desfalques bastante importantes, como o do meia Ganso, que cumpre suspensão pelo cartão vermelho recebido no último clássico. O volante Airton continua em tratamento intensivo por conta de uma lesão muscular na parte posterior da coxa esquerda sofrida no mesmo jogo.

O técnico pode repetir a escalação usada contra o Luverdense e colocar Ezequiel na lateral-esquerda e Caio Henrique no meio, sua posição original e onde rende melhor. Possível que use outra equipe? Tudo pode acontecer e ele evitou comentar sobre o assunto com a imprensa.

C:\Users\Carla\Downloads\46819779664_004b4885ff_o.jpg

Fernando Diniz conversa com os jogadores durante treino

(Foto de Lucas Merçon)

O jogo tem tudo para se disputado ao extremo por ambos os lados e como conquistou a Taça Rio, o rival tem a vantagem do empate. O goleiro Rodolfo conversou com os jornalistas e fez sua análise.

“Esse jogo vai ser no mesmo clima de todos os Fla-Flus que jogamos atá agora no ano e pela tensão do último, tende a ser complicado. Vamos entrar para ganhar. Como o Flamengo tem pontos vulneráveis, estamos estudando eles. Temos que tentar impor nosso jogo, sair jogando na área, a gente tem que fazer o nosso jogo e tentar sair com a vitória”, comentou.

Rodolfo também comentou sobre o desempenho dos times no Carioca e sobre a ausência de Ganso.

“Bate um cansaço no fim do jogo, os times se desgastam muito, bate aquela desatenção. Nosso time tem que estar atento os 95, 96 minutos de jogo, isso tem que acontecer sempre, porque no final dos jogos, se ficar desatento pode tomar um gol, ainda mais num clássico. Sobre o Ganso, ele é um excepcional jogador e nos ajuda muito na criação do meio-campo. Vem evoluindo na marcação também, é uma perda grande, mas quem entrar no lugar dele vai dar conta do recado e fazer o que o Diniz pede”, frisou.

 

Por Carla Andrade