Fluminense empata com Criciúma pela Copa do Brasil

Resultado garante vantagem na partida de volta

 

 

O time Tricolor foi até Santa Catarina e fez seu dever de casa ao empatar, por 1 x 1, com o Criciúma em partida, realizada na noite de ontem (9), válida pela terceira fase da competição. Como pelo novo regulamento o gol do visitante é vantagem, a equipe carioca só precisa do mesmo resultado no segundo confronto entre ambos, no dia 15, às 19h30, no Giulitte Coutinho, para selar a classificação.

 

Foto: Globo Esporte

 

 

O Fluminense teve tudo para vencer. E depois daquela partida perfeita contra o Flamengo, o torcedor ansiava por outra apresentação nos mesmos moldes. Não foi isso que viu. Faz-se necessário ressaltar um detalhe deveras relevante. O excesso de viagens influencia na forma física do grupo. Disputando várias competições, o elenco é mais exigido e como as folgas são mínimas, é natural que o desgaste seja maior e, com isso, o padrão de jogo não seja linear.

 

A equipe carioca optou por tocar a bola em busca de espaços para a criação de suas jogadas, sem fazer marcação forte. E a tática funcionou. Não foi difícil achar buracos dentro da formação da equipe adversária, que tem a pior defesa do Campeonato Catarinense com 16 gols. E logo aos 15 minutos, Richarlison aproveitou uma falha da zaga, roubou a bola e a colocou bem no meio da área, nos pés de Wellington Silva que a mandou direto para a rede e abriu o placar.

 

Outras boas oportunidades teve o Fluminense. No entanto, aos 34, o Criciúma chegou ao empate numa jogada inteligente de Andrew que, na disparada, fugiu da marcação de Orejuela e colocou a bola nos pés de Alex Maranhão. Foi uma bola bem chutada e sem defesa para Júlio César.

 

Depois do empate, o time catarinense se fechou e fez de tudo para manter o resultado. Para isso apertou na marcação, em algumas vezes com um toque de violência desnecessário, com o intuito de dificultar as tentativas de entrada pelo meio do time Tricolor. Até que, dentro dos acréscimos, o árbitro marcou uma falta em cima de Henrique Dourado que foi muito bem batida por Richarlison. A bola por pouco não entrou.

 

Foto: Globo Esporte

 

O segundo tempo começou morno. O jogo ficou meio cansativo de se ver, inclusive, pela confusão constante no meio campo e pelas bolas aéreas que não iam a lugar nenhum. O Tigre manteve a postura defensiva e o panorama do jogo só mudou um pouco com a entrada de Pedro, que fez sua primeira partida depois de um tempo afastado do elenco para a recuperação de torção. Ele entrou no lugar de Henrique Dourado que teve uma participação bem discreta na partida, marcando mais do que cumprindo sua função.

 

Pedro entrou com disposição. No entanto, logo foi atingido pelos pés de Rafael Silva, bastante animado para fazer faltas, e sentiu o tranco. Ele começou a mancar e, por alguns minutos, foi motivo de preocupação para Abel Braga. Ainda bem que foi um susto e o jogador permaneceu em campo. E ele deu trabalho. Aos 33 perdeu uma grande chance de reverter o placar. Num vacilo, Edson perdeu a bola para Richarlison que deu um toque perfeito que o colocou de cara para o gol. Ele chutou para fora. O atacante foi, sem dúvidas, o nome do jogo. Ele correu o tempo todo, buscou espaços para fazer suas jogadas e estava sempre muito bem colocado. Um dos grandes trunfos de Abel Braga.

 

Pouco depois, Henrique deu um susto na defesa Tricolor e quase fez gol contra na tentativa de tirar uma bola que veio batida do escanteio. A essa altura, o Fluminense apertou o ritmo e partiu para cima do Tigre com a criação de boas jogadas para ampliar o placar. Quase no final do jogo, Léo ficou cara a cara com o goleiro do Criciúma mais também chutou a bola para fora.

 

O jogo teve o maior público do estádio este ano. Foram 5.598 pagantes.

 

O próximo compromisso do Fluminense é o jogo contra o Boa Vista, pelo Campeonato Carioca, no próximo domingo (12).

 

 

Carla Andrade