Fluminense se classifica para a final

Mesmo sem apresentar o seu melhor futebol, o Tricolor disputará o título com o Flamengo

 

Foto: Nelson Perez

 

O Fluminense empatou com o Madureira, por 0 x 0 e conquistou a vaga na final. No fim das contas, fez o que todo o torcedor queria. No entanto, serei crítica ao afirmar que o time que jogou hoje estava longe de ser aquele que se classificou com uma campanha perfeita e a defesa invicta. E olha que o time era o mesmo. E pergunto o que faltou na tarde de hoje ao elenco Tricolor? Acho que a resposta é simples: futebol.

Não jogamos como de costume. Antes do início da partida, Abel Braga fez questão de ressaltar a força do time adversário e disse ao repórter que “o Madureira é um time bem dirigido e perigoso”. Sem falar que fez questão de esquecer a vantagem do empate e que seu time entraria em campo para vencer.

As equipes começaram o jogo valorizando a posse de bola e o Fluminense começou melhor, se lançando no campo de ataque. Isso forçou a equipe do Madureira a se fechar e tentar segurar o ritmo do Tricolor. Eles apertaram a marcação e dificultaram a troca de passes do Fluminense, que apostou muito nas jogadas pelas laterais.

O primeiro tempo foi lento, com poucas criações de jogadas e muitos erros de passes. O Fluminense errou nove, o Madureira oito.

Pouco antes do final do primeiro tempo, Douglas Lima deu uma entrada desleal e desnecessária em Gustavo Scarpa e ele sai de campo mancando. O técnico do Madureira, Paulo César Gusmão pediu desculpas a atleta no intervalo. Ficou a dúvida se ele voltaria no segundo tempo e, infelizmente, não deu mais para o centroavante.

O autor da entrada violenta até que tentou pedir desculpas ao Scarpa, antes de sua saída de campo, mas ele nem quis ouvir e disse: “Não vem falar comigo”. O atleta passará por uma análise médica e fará exames para que a gravidade da lesão seja verificada. Estamos na torcida para que não seja nada grave e que Gustavo possa disputar a final.

O Fluminense iniciou o segundo tempo com duas alterações. Marquinho entrou no lugar de Scarpa e Richarlison assumiu a vaga de Wellington Silva.

Aos oito minutos, Richarlison limpou e bateu para o gol. A bola não entrou por um capricho do destino, já que raspou rentinha na baliza. Uma boa chance.

Para coibir a criatividade dos atletas tricolores, os jogadores do Madureira apostaram na técnica de parar na porrada. Como fez Souza na entrada suja em Orejuela, que foi um dos que mais sofreu com as tentativas insidiosas dos adversários.

Os ânimos estavam alterados dos dois lados. Foram marcadas trinta e cinco faltas até os 25 minutos do segundo tempo. Sem dúvida, um jogo disputado e aguerrido. Neste clima tenso, Douglas é expulso aos 27 minutos e deixa o Fluminense com nove jogadores. Uma vantagem para o Madureira que começou a crescer e tentar, de qualquer jeito, marcar um gol.

 

Foto: Nelson Perez

 

Para cobrir a ausência de Douglas, o técnico Abel optou pela entrada de Pierre no lugar de Henrique Dourado, para recompor a marcação.

Com a vitória do Flamengo, por 1 x 0, em cima do Vasco, a final da Taça Guanabara será um Fla x Flu. E cabe aqui uma ressalva: que este jogo seja realizado num estádio com gramado em condições ideais para uma final.

Cabe comentar que Flu x Madureira teve o pior público da história de uma semifinal na Taça Guanabara.

 

por Carla Andrade