Futebol limitado

 

 

 

Ah, mas estava bom demais pra ser verdade. Tenho convicção de que não fui a única a me iludir depois de vencer com maestria a partida diante do Inter de Lages fora de casa. Só que dessa vez, o Caxias escapou de uma derrota diante do Mirassol, dentro de seus domínios. O grená voltou a mostrar o futebol limitado e sem criatividade e conquistou apenas um ponto diante da equipe paulista.

 

 

Porthus Junior – Agência RBS

 

 

 

Mais um empate em casa. Dessa vez, o sétimo seguido. O Caxias entrou em campo na tarde do último domingo diante do Mirassol, pelo grupo A15 da Série D. O primeiro tempo marcou a movimentação das duas equipes, que tiveram poucas chances e quase nenhuma efetividade. Exceto aos 36 minutos, quando o Mirassol marcou um gol após cruzamento na área, mas o juiz da partida assinalou falta do zagueiro da equipe paulista, anulando o tento.

Nos oito minutos da etapa complementar, Nathan Cachorrão cruzou para Eder, que sozinho, acabou se afobando e conseguiu chutar por cima. Um minuto depois, jogada do Mirassol. A equipe paulista chegou com Luis Oyama que recebeu passe em profundidade e ficou na cara do goleiro grená. Gledson saiu do gol e conseguiu chegar antes do adversário chutar. Julinho ainda salvou o Caxias no lance seguinte, quando Lucas Rodrigues recebeu cruzamento e chutou no gol, nessas horas nem sei mais onde estava Gledson, mas Julinho estava em cima da linha e conseguiu mandar a bola pra longe. Aos vinte e seis, Nathan Cachorrão cruzou para desvio de Wesley, mas o goleiro adversário defendeu. Sem efetividade alguma, o Caxias mais uma vez empatou em casa e saiu vaiado pela torcida, que não gostou nenhum pouco do que viu.

Obrigada Gledson por nos salvar naquele lance. O que podemos analisar da partida de ontem? Que o time todo não produziu muita coisa. Está certo que temos deixado a desejar em todos os setores, mas vale ressaltar que estamos mal de lateral. Igor Bosel conseguiu errar tudo o que tentou fazer! E quanto às tentativas de cruzamentos na área? É de sentar e chorar. Achei a apresentação bem precária. Essa série D vai ser osso. Um amontoado de gente ruim correndo atrás da bola. Nessas horas já não sei se temos condições pra subir. Com essa postura não vamos a lugar algum. Um time que não consegue se impor dentro da própria casa e não dá medo no adversário. Tem muita coisa pra melhorar. No final das contas o empate ficou de bom tamanho pra nós, que chegamos mais perto de perder do que de conquistar alguma coisa.

Com o resultado e o milésimo empate do ano, o Caxias, além de conseguir irritar sua torcida, conquistou um ponto e segue na liderança do grupo com quatro pontos. O próximo compromisso é domingo, dia 6, diante do lanterna Nova Iguaçu no Centenário.

 

 

Francielle Fabro