GOOOOLL! NÃO... ESPERA, ANALISA. NÃO VALEU

Na segunda rodada da fase de grupos, melhor para o VAR...

A Seleção Brasileira entrou em campo na noite desta terça-feira (18), para enfrentar a Venezuela e o placar em branco podemos atribuir ao trabalho do VAR ou ao desempenho de nossos atletas, a verdade é que a noite não foi das mais inspiradas e o torcedor sofreu com a instabilidade brasileira. Cerca de 42 mil torcedores foram à Arena Fonte Nova, em Salvador, apoiar a equipe e devem ter voltado para a casa bem frustrados.

(Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

 

Durante a tarde eu já havia experimentado a sensação de sentir o coração parar durante o jogo da Seleção Feminina e acreditei que minha noite seria mais tranquila. Não esperava a mesma “raça” que vimos contra a seleção boliviana e nem de longe esperei um jogo fácil. Não foi. Foi de testar a paciência de qualquer um. Oremos.

A amarelinha entrou em campo com gás e os primeiros minutos deram a impressão de que seria um jogo “daqueles”. O primeiro tempo foi de posse brasileira, porém sem muita criatividade ou finalização, o goleiro adversário quase que assistiu ao jogo da área, precisou fazer apenas uma defesa durante os 45 minutos iniciais. No final do primeiro tempo, aos 37 minutos Firmino abriu o placar depois de passe de Dani Alves, o árbitro marcou falta do atacante e invalidou o gol. Ali começava nossa sina de gols anulados. Que noite!  

 

(Foto Raul Arboleda/AFP)

Mudanças para a segunda etapa: Richarlison saiu para a entrada de Gabriel Jesus, doze minutos depois Fernandinho substituiu Casemiro. Aos 15 minutos Gabriel recebeu de Firmino e mandou para o fundo das redes, alívio em uma partida que mais parecia um velório. Porém, como a noite não era de axé, o senhor Julio Bascuñan anulou o gol depois de conferir as imagens de vídeo. Gente, quem foi que inventou esse negócio de arbitro de vídeo, pelo amor de deus?  

Mais mudanças na seleção, aos 26’ Everton entrou no lugar de David Neres. O atacante gremista, que vem se destacando nas últimas partidas, tentou deixar o dele, mas a pontaria estava igual a minha. E nada de gols. A torcida perdeu a paciência e vaias ecoaram pelo estádio.

 

(Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

 

Finalzinho de jogo, 43 minutos e Coutinho abriu o placar – outra vez e outra vez tinha um VAR no caminho – me faltaram adjetivos neste momento. Respiro e vou tentar entender o que ele viu, a bola bateu em Firmino, em posição de impedimento, antes de entrar. Sabe aquelas noites em que tudo parece dar errado? Esta parecia uma dessas noites. Os deuses do futebol não estavam ouvindo a torcida brasileira e há quem diga que a noite de ontem foi resultado da praga de um santista, prefiro não comentar.

 

Próximo confronto é no sábado contra o Peru, em São Paulo. As duas seleções somam a mesma pontuação (quatro pontos), o Brasil mantém a liderança pelo saldo de gols. Não preciso dizer o quanto é importante vencermos este jogo. Seguimos.

 

Por Andra Jarcem