Há 103 anos, nascia o maior Campeão do Mundo

 

 

ABC em campo é sinônimo de festa na arquibancada. (Foto: Blog do Major).

 

 

Nascido no dia 29 de junho de 1915 no bairro da Ribeira, o ABC Futebol Clube registra agora a marca de 103 anos de soberania total no Rio Grande do Norte. Chamado também de Mais Querido por ter como mascote o elefante - animal que simboliza o mapa geográfico do estado - e maior torcida local segundo pesquisas, defende o feito de clube mais antigo em atividades futebolísticas. Sua localização atual é no bairro de Ponta Negra e no coração de cada torcedor apaixonado.

 

A história desse grande clube começou através de uma reunião entre jovens da alta sociedade natalense, na residência do Coronel Avelino Alves Freire. Essa residência foi por muitos anos a sede ABCdista e de lá surgiram vários discípulos que durante décadas vestiram a camisa da instituição. A ideia do nome ABC surgiu por meio de uma homenagem ao tratado fraternal entre os países sulamericanos: Argentina, Brasil e Chile. As iniciais formam o nome do clube que escolheu preto e branco e linhas verticais para ser representado.

 

 

Primeira diretoria administrativa (de 29/06/1915 a 03/06/1916).

 

João Emílio Freire – presidente

José Potiguar Pinheiro – vice-presidente Manoel Dantas Moura – 1º secretário

Solon Rufino Aranha – 2º secretário

Avelino Freire Filho – tesoureiro

José dos Santos – diretor de esportes.

 

 

 

Nosso amor não terá fim! (Foto: Comunicação/ABC FC)

 

 

Mal sabiam eles que estavam dando o pontapé inicial numa história que só cresceu. Defendemos no presente 55 títulos estaduais com um traçado peculiar. É por isso que também já fomos destaque no Livro dos Recordes - Guinness Book of Records - como único clube norteriograndense à conquistar um decampeonato (1932-1941), dividindo esse patamar apenas com o América/MG que também tem 10 títulos consecutivos em seu estado (1916-1925).

 

Ao longo dos 103 anos muitas gerações testemunharam a força do maior campeão do mundo. Dentre as mais tradicionais da arquibancada: Camisa 12 do ABC F.C e Torcida Garra Alvinegra (TGA). A Camisa 12 é a torcida mais antiga do clube em atividade. Foi fundada em 1982 por um grupo de amigos que tinham como objetivo organizar a festa na arquibancada e empurrar o ABC rumo ao triunfo além de ditar o ritmo pulsante através da bateria. Também conhecida como “Frasqueira do ABC” por ficar no meio do povão ABCdista desde a “Era Machadão” e no Frasqueirão no Módulo II (arquibancada central).  A TGA é desde 1991 a torcida que emula os comandos norte, sul, leste, oeste, interior e feminino para vibrar nos estádios defendendo as cores da nossa camisa. E como qualquer simpatizante do futebol raiz é praticamente impossível não se identificar com o jeito alvinegro de ser. É tradicional ver as ruas natalenses pintadas de preto e branco, sendo dia de jogo ou não. Se é “dia de ABC” as caravanas são organizadas e não existem limites para acompanhar essa paixão.

 

 

 

O pavilhão alvinegro é nossa cor. (Foto: Arquivo pessoal)

 

 

Em 2014 a torcida Movimento 90 foi fundada dando início ao estilo Barra Brava já conhecido na Argentina e trazido ao Brasil por outras torcidas. O grupo escolheu esse nome por adotar a ideia de apoiar 90 minutos o time em campo independente do resultado.

 

Já dizia o mestre Câmara Cascudo: “Numa cidade chamada Natal, existe um povo chamado ABC”.

 

 

ESTRUTURA ATUAL

 

Estádio Maria Lamas Farache - Capacidade para 18 mil pessoas

CT Alberi Ferreira de Matos - Profissionais

CT José Nilson de Sá -  Bases

Sede Social - Setor Administrativo, sala da presidência, sala de troféus e auditório.

Ônibus - Expresso Alvinegro


 

Para homenagear quem representa esse sentimento é díficil escolher um só ícone. Mas seria injusto não citar alguns dos principais jogadores que vestiram esse manto.

 

 

 

Alberi, Marinho Chagas e Danilo Menezes.

 

 

(Foto: https://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/danilo-menezes-214#photo-13)

 

 

São eles:

 

Alberi - Estreou em 1968 - mais precisamente 10 de abril (data do meu aniversário muitos anos depois) - realizando 2 gols da vitória em cima do Ferrovário/RN pelo Campeonato Potiguar daquele ano. De 1970 à 1973 foi tetracampeão. Em 72 foi premiado pela revista placar como Bola de Prata (homenagem aos melhores jogadores do Brasileirão) daquele ano. Nosso eterno CAMISA 10 marcou 210 gols em 408 jogos.  

 

Marinho Chagas - "A Bruxa", conhecido também como nosso CAMISA 6 nos anos de 1969 e 1970 foi destaque na lateral-esquerda por possuir uma característica  primordial para sua função: Avançar pela lateral alcançando o ataque! Apesar de que para aquela época era "ousadia" demais fazer o que ele costumava caprichar nas quatro linhas. Dono de uma personalidade ímpar, ele esqueceu o até então ditado: "marcar mais do que sair" e fez o seu. O "Diabo Loiro" da Frasqueira infernizava a zaga adversária e não demorou muito para ser reconhecido nacionalmente e ganhar oportunidade na Seleção Brasileira (1973).  

 

Danilo Menezes - Uruguaio; Meio-campista; Canhoto; Maestro. Danilo foi conhecido por sua simpatia e tranquilidade. Dono de várias assistências para gols importantes, defendeu as cores alvinegras de 1972 à 1980. Ele é o terceiro jogador que mais vestiu o manto e fez 410 jogos conquistando 5 títulos.

 

Outros grandes nomes que marcaram história são:

 

Schumacher (goleiro) e Hélio Show (goleiro); Nêgo (lateral-direito) e Tecy (lateral-esquerdo); Dedé de Dora (meia), Sérgio China (meia) e Joãozinho Danadinho (meia); Ivan Terrível (atacante); Reinaldo Aleluia (atacante), Robgol (atacante), Sergio Alves (atacante)  e Wallyson (atacante).

 

Sergio Alves - "VAI SÉRGIO ALVES PODE ESCULACHAR…”.  O carrasco alvinegro é temido até hoje quando seu nome é citado por qualquer programa esportivo ou até mesmo um torcedor. Motivo: Em todas as suas passagens pelo ABC, nunca passou por um clássico sem marcar gols em cima do rival. Campeão com a gente em 1998, 1999 e 2005, além de eleito artilheiro do campeonato potiguar quatro vezes com 65 gols, inclusive é até hoje o maior artilheiro de todos os tempos quando o assunto é campeonato estadual do RN. O marco da sua passagem foi o golação de bicicleta no antigo Machadão, em 2001, em cima do América/RN aos 44' do 2T. Esse conhecia a grande área como ninguém!

 

Treinadores: Ferdinando Teixeira, Leandro Campos e Geninho.

 

Ferdinando Teixeira - Responsável pela volta por cima do ABC em 2007. Além de campeão estadual concedeu o acesso à Série B do ano seguinte.

 

Leandro Campos - Motivador do acesso e título brasileiro em 2010.

 

Geninho - Exemplo de liderança e referência como professor, cidadão natalense e sensatez ao defender sua equipe. Causador do acesso em 2016.

 

 

O que esses treinadores têm em comum é que além de serem bicampeões pelo ABC, ambos fazem parte da minha construção de conhecimento pelo esporte que sou totalmente apaixonada. É difícil voltar ao ano que comecei a acompanhar mais de perto esse time centenário e não lembrar deles. Sou fã e carrego eternamente gratidão pelo empenho à frente do ABC nas suas responsabilidades.

 

São muitos feitos e fatos mas não posso deixar de citar que somos também a fábrica das maiores revelações atuais do futebol brasileiro. (Rodriguinho - Corinthians; Airton - Fluminense; Edson - Bahia; Wallyson - Vitória; Matheus Matias - Corinthians…).  O Frasqueirão é grande palco em questão.

 

 

Campeonato Potiguar 2018 - Wallyson e Matheus Matias. (Foto: Andrei Torres/ABC FC)

 

 

Detentor da maior torcida do Rio Grande do Norte, com 55 títulos estaduais, hoje, 29 de junho de 2018, deixo registrado o parabéns mais singelo que alguém pode receber. ABC Futebol Clube, você é o motivo das maiores alegrias daqueles que te seguem, é também o orgulho de uma nação vibrante que reconhece tua grandeza a cada triunfo alcançado, e ainda a honra daqueles que carregam teu escudo. Te sinto em cada abraço na hora do gol ou no respeito passado de geração à geração. Não és somente a admiração dos que se curvam ao te reverenciar mas também a inveja da minoria. Finalizar esse texto sem derramar uma lágrima está sendo difícil, mas o que eu quero para os próximos anos é que eles continuem sendo de glórias. Ah, antes que eu esqueça: OBRIGADA ABC.

 


 

“... MEU CORAÇÃO BATE FORTE E FAZ PULSAR… A CERTEZA DE QUE NADA VAI NOS SEPARAR…”.

 


 

Caravana Centenária 2015 (Foto: Arquivo Pessoal)

 


 

EU TE AMO! (Independente do que aconteça).

 

Por Beatriz Alves.