INSIDE MY HEART IS BREAKING... THE SHOW MUST GO ON!

Inglaterra tentou, fez um ótimo primeiro tempo, mas acabou perdendo para Croácia com gol feito na prorrogação

 

Não era para ser! Apesar da belíssima campanha realizada na Rússia, o sonho dos Ingleses de serem bicampeões do mundo vai ter que ser adiado para 2022. Tendo chegado à semifinal com muito mérito e um futebol bem jogado, fruto de muito trabalho e da coragem do treinador Gareth Southgate em promover uma renovação em uma das mais tradicionais seleções do mundo, fica um misto de orgulho por ter chegado tão longe e por, sem dúvidas, ter a certeza que o trabalho foi bem feito, com a tristeza de saber que poderia ter ido mais longe e levar o tão sonhado título para a Inglaterra.

 

A tristeza do jovem time inglês com o resultado

(Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters)

 

O primeiro tempo de Croácia x Inglaterra foi completamente dominado pelo English Team. A posse de bola era maior, as oportunidades eram melhores e o domínio de jogo era muito superior ao da Croácia. O gol não demorou a sair. Veio logo aos 5 minutos da primeira etapa, em uma cobrança de falta perfeita de Trippier que não deu chances de defesas ao goleiro croata. Sem se acomodar com o gol feito, a Inglaterra seguiu criando oportunidades e tendo bom controle do jogo. As poucas chances criadas pela Croácia eram facilmente tiradas pela defesa ou defendidas por Pickford. Apenas nos últimos minutos, os croatas tiveram uma maior reação e começaram a dar mais trabalho, conseguindo uma maior infiltração na área inglesa. Era um sinal do que poderia vir a acontecer no segundo tempo.

A Croácia voltou melhor para a segunda etapa e cresceu no jogo e foi ao o som de ''Don't take me home, please don't take me home...I just don't wanna go to work... I wanna stay here and drink all the beer...Please don't...Please don't take me home'', em português, “Não me leve para casa, por favor não me leve para casa... Eu não quero trabalhar... Eu quero ficar aqui e beber toda a cerveja... Por favor, não... Por favor não me leve para casa”, que os ingleses viram os croatas reagirem e empatarem a partida com um gol de Perisic, em uma bobeada dos defensores. A volta para casa, antes dada como quase impossível, passava a assombrar os Três Leões.

 

O gol de empate da Croácia

(Foto: Reuters)

 

O resto do segundo tempo foi todo croata. A Inglaterra criou algumas boas chances, mas pareceu bem baqueada pelo gol sofrido. Kane teve oportunidades de virar o placar, mas esteve impedido na maioria delas. Além disso, o camisa 9 trabalhou e cortou um dobrado na partida. Apesar de ter como oficio o papel de centroavante, correu por todas as áreas do campo, armou jogadas e até tirou algumas bolas importantes de ataques da Croácia.

A prorrogação veio para mostrar um enorme desgaste de ambas as partes. A Inglaterra, abatida desde que tomou o gol de empate, agora tinha o cansaço como mais um adversário. Boas chances para ambos os lados e boas defesas também para ambos os lados. Pickford chegou a tirar quase na linha uma bola lançada por Mandzukic. Mas infelizmente não era o dia da Inglaterra. De novo Mandzukic e Pickford cara a cara, dessa vez aos 2 minutos do segundo tempo de prorrogação, mas quem levou a melhor foi o atacante croata que tirou a Inglaterra da final Copa do Mundo 2018 com um chute cruzado. Depois do gol, não teve muito mais o que fazer. A Inglaterra parecia ter entregado os pontos e, embora corresse, nada parecia ter a menor perspectiva de dar certo. A partida terminou com um tiro de misericórdia, uma última cobrança de falta feita por Rashford que foi afastada pela defesa croata.

Apesar da derrota e de ter perdido a chance de disputar pela segunda vez em sua história uma final de Mundial, a Inglaterra merece muito reconhecimento. Chegou à competição sem a menor credibilidade e com poucas apostas em seu futebol. O time de Southgate surpreendeu, mostrou sua força e conquistou jogo por jogo com muita técnica, união e vontade de vencer.

A equipe, formada por jogadores jovens, com uma média de idade de 26 anos, foi mais longe que o esperado, rompeu barreiras e devolveu aos ingleses a vontade e o orgulho de torcer por sua Seleção. O trabalho deve ser continuado e, sem dúvidas, a Inglaterra deve aprimorar o bom desempenho e se fortalecer ainda mais para, novamente, brigar pelo título em 2022.

O English Team ainda não volta para casa. No próximo sábado (14) disputa o terceiro lugar com a Bélgica, em São Petesburgo, às 11h da manhã.

 

Por Victória Monteiro.