JÁ PODE PEDIR MÚSICA?

 

Pela terceira vez no ano, Peixe é eliminado no Pacaembu

Foto: Ivan Storti

E não deu. O Santos foi eliminado, mais uma vez, dentro do Pacaembu em jogos decisivos. Se as eliminações contra o River Plate na Copa Sul-Americana e contra o Corinthians no Paulistão não foram suficientes, a eliminação contra o Galo fechou o ano com “chave de ouro”.

Foi-se o tempo que o alvinegro praiano tinha “sorte” e invencibilidade dentro do campo paulista. Hoje em dia, jogar no Pacaembu é como jogar em um campo neutro.

Após um empate por 0 a 0, no jogo de ida em Minas, a partida de volta estava em aberto, mas, por ser em “território santista”, o Santos era tratado como favorito.

Quem viu o começo da partida, com um gol santista logo nos primeiros minutos feito de cabeça por Gustavo Henrique, poderia cravar que daria Peixe. Marcação em cima, pressionando a saída de bola do adversário, parecia que tudo daria certo, mas, a ansiedade e afobação da equipe prejudicaram no decorrer do jogo.

Mesmo após ter feito o primeiro gol, o Peixe queria mais, foi para cima, tentou e pecou diversas vezes nas finalizações. Já o Galo, um pouco mais calmo, conseguiu crescer no decorrer da partida e chegar ao empate aos 37 minutos da primeira etapa com gol de Chará.

Na etapa complementar, diferentemente do primeiro tempo, o Santos teve maior posse de bola e pressionou o Galo para conseguir voltar a estar na frente do placar. Entretanto, o Peixe acabou cedendo espaços para os mineiros atacarem.

O final da partida foi um teste para cardíacos. Ritmo intenso, grandes chances perdidas, jogadas de tirar o fôlego. Mas, quando a partida se encaminhava para ir aos pênaltis, veio o balde de água fria. Gol do Atlético.

Em contra-ataque, em jogada iniciada por Geuvânio, ex-jogador do Peixe, lançou para Cazares que cruzou rasteiro para Chará marcar de novo para o Atlético-MG e matar de vez a partida.

Vale lembrar, que agora, a única competição que resta para o Peixe no ano é o Brasileirão e o próximo adversário na competição nacional é novamente o Galo, neste domingo (9), às 19h, na Vila Belmiro.

Para o Peixe, fica o gosto amargo de mais uma eliminação em solo paulista. Para os torcedores, a omissão de jogadores, diretoria e alterações erradas do treinador Jorge Sampaoli foram os fatores que determinaram o resultado.

Para o presidente, a culpa é da CBF, que não liberou Rodrygo para jogar e não acatou o pedido de transferência da partida para a Vila Belmiro.

Para Sampaoli, a culpa é da diretoria.

Todo mundo aponta culpados. Mas é responsabilidade de todos.

Segue o jogo.

 

Carolina Ribeiro